Beck: Álbum flui fácil, confortável, e possui belíssimas canções

Resenha - Morning Phase - Beck

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por André Espínola
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Um dos artistas mais irreverentes, inventivos e originais dos Estados Unidos, Beck, está de volta após longos seis anos de relativa ausência.
5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo5000 acessosBuckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

A ausência de fato nunca foi completa. Beck manteve-se ocupado no showbizz em diversas atividades, as mais interessantes sem dúvida foram as produções de alguns ótimos álbuns, como Mirror Traffic, de Stephen Malkmus, e Demolished Thoughts, de Thurston Moore, do Sonic Youth. Em 2014, Beck lança o primeiro disco inédito depois de Modern Guilty, de 2008, com o discurso de ser mais focado num único estilo, algo como o sucessor de sua obra prima de 2002, Sea Change, ou seja, um som mais acústico, folk californiano. Na verdade, Morning Phase é um dos álbuns que Beck tem pronto. O segundo tem outro enfoque, outra pegada. Beck sempre foi o tipo de artista que valoriza bastante o formato de álbum, tentando manter uma proposta inicial, algo desde efusões experimentais, como é o caso de alguns dos seus trabalhos mais aclamados, como Mellow Gold, de 1994 e Odelay, de 1996, ou algo mais tradicional, como meu favorito já mencionado Sea Change. E é assim que Morning Phase foi concebido.

No entanto, pode-se perceber algumas diferenças importantes em Morning Phase. De acordo com o próprio Beck, Morning Phase é emocionalmente mais leve que o seu antecessor, bem mais melancólico e pesado. Embora ainda possa ser encontrados aqui vestígios de pensamentos e emoções sombrias, como em “Wave”, o tom que guia o trabalho é algo mais reflexivo, até mesmo mais otimista. A faixa de abertura, “Morning”, já é uma agradável brisa soprando na face sonolenta, que abre a janela para ver como está o dia lá fora, às vezes com uma esperança no recomeço, outras vezes com um pingo de tristeza nostálgica. “Looked up this morning, saw the roses full of thorns”. A esperança e a satisfação de se está vivo pode ser evidenciada por “Heart Is A Drum”, mostrando uma atitude amadurecida para lidar com a dor e as frustrações da vida.

Em “Say Goodbye” é cheia de imagens de rompimentos e adeuses. 'Cause these are words we use to say goodbye”. No entanto, o narrador parece um pouco distante do personagem. Não soa tão sentido, tão absorvido pela dor como nos grandes momentos de Sea Change, por exemplo. A música, com uns solos de banjo, não soa tão pra baixo assim. Provavelmente foi por causa dessa dissonância que em Morning Phase, apesar de ser um álbum muito bom, não chega a deslumbrar como Sea Change. A sequência continua com a ensolarada “Blue Moon”, antes de entrar nos momentos mais sombrios, com os dois números “Unforgiven”, sem dúvida uma das mais tocantes, exatamente porque há essa união, e “Wave”, um pouco mórbida demais.

Exatamente surgindo depois de pensamentos sombrios, na bela “Don’t Let It Go” a autoconfiança e esperança retornam. É a força que se tem que tirar de si mesmo para continuar, não perder o rumo, o controle. “Backbird Chain” continua o clima confortável, romântico e ensolarado. Em “Turn Away” dá para sentir uma pontinha de Bon Iver no estilo de Beck cantar a melodia, acompanhada no violão, muito bonita. “Country Down” tem um ritmo delicioso e com um solo irresistível de gaita. Morning Phase se despede com a grandiosa “Waking Light”, que resume toda essa viagem de emoções diárias. Algo como recepcionar a noite ainda com o dia na cabeça. “When the morning comes to meet you Open your eyes with waking light”.

Analisando friamente, Morning Phase é um sucessor que não supera o seu antecessor. No entanto, essa constatação está longe de tirar todo o brilho de Morning Phase, que flui fácil, confortável, e que possui algumas belíssimas canções. Um bom exercício para compreendê-lo melhor é ouvi-lo exatamente após Sea Change. Aí sim visualizamos o teor dos pensamentos da noite, representados por Sea Change, e, em contraponto, o alívio com a chegada da manhã.

Tracklist de Morning Phase:

1. "Cycle"
2. "Morning"
3. "Heart Is a Drum"
4. "Say Goodbye"
5. "Blue Moon"
6. "Unforgiven"
7. "Wave"
8. "Don't Let It Go"
9. "Blackbird Chain"
10. "Phase"
11. "Turn Away"
12. "Country Down"
13. "Waking Light"

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beck"

Pra ouvir e discutirPra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 1996

CuriosidadesCuriosidades
As histórias por trás de 11 capas clássicas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Beck"

A Vida Pós-bilauA Vida Pós-bilau
Vocalista do Life of Agony abre o jogo

BucketheadBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Iron MaidenIron Maiden
Jurando nunca seguir passos do Metallica em festival

5000 acessosSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"5000 acessosTrue Metal: como ele deve agir na hora da foto5000 acessosFoo Fighters: "acho que somos uma merda", diz Dave Grohl5000 acessosHelloween: Vinte perguntas respondidas por Andi Deris4926 acessosDavid Gilmour: "Não há espaço para o Pink Floyd em meu futuro"5000 acessosPaul Di'Anno: vídeo de vocalista irritadíssimo com "fã"

Sobre André Espínola

André Espínola, recifense, estudante de História e apaixonado por música, quer levar um pouco de sua paixão para os outros, resenhando sobre novos lançamentos e pagando tributo aos clássicos e às nossas raízes musicais, sobretudo o Blues, Rock e Jazz, cuja missão básica é dizer aos quatro cantos: "a boa música nunca morrerá!". Possui o blog Filho do Blues, onde escreve e edita textos sobre as novidades musicais do mundo do rock, indie e blues.

Mais matérias de André Espínola no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online