Matérias Mais Lidas

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagem"Se você tem respeito próprio, integridade, você quer sair por cima", diz Gene Simmons


Kataklysm: Velocidade, melodia e agressividade nas medidas certas

Resenha - Waiting For The End to Come - Kataklysm

Por Gisela Cardoso
Em 30/11/13

Formado em 1991, o Kataklysm se consolidou no cenário Death Metal mundial com a sua capacidade de criar uma sonoridade autêntica e mutável: ora mais agressiva, ora mais melódica… No entanto, parece que em 2013 o quarteto canadense conseguiu, digamos, criar um "meio termo". Por meio de 11 faixas, o álbum "Waiting For The End To Come" apresenta um som melódico, mas também pesado, ou às vezes, os dois aspectos em uma só música.

Primeiramente, é impossível falar sobre o Kataklysm sem mencionar o seu virtuoso trabalho na bateria, que gera uma verdadeira explosão de rápidas batidas. Porém, o responsável pela pancadaria nos tambores – o qual deu título ao grupo de "hyperblast", Max Duhamel – se afastou temporariamente da banda para lutar contra o alcoolismo. Sendo assim, o escolhido para assumir as baquetas no novo álbum foi Oli Beaudoin (ex-Neuraxis), que definitivamente conseguiu preservar o legado de Duhamel, fazendo com que se torne improvável ouvir o Kataklysm parado.

A começar pela primeira faixa, "Fire", que já é um soco na cara: apresenta uma introdução mais melódica, mas em seguida não poupa em velocidade com blast beats devastadores, riffs pesados, vocais nervosos e uma boa evolução rítmica. Em seguida, para não quebrar o costume, a "If I Was God – I’d Burn It All" se inicia com uma citação do filme "O Livro de Eli", e logo apresenta uma boa cozinha, e os riffs novamente se destacam – é uma boa pedida para quem é amante dos mosh pits, mas a melodia surge timidamente no final.

Em "Like Animals", os vocais urrados de Maurizio Iacono não têm limites de agressividade, e com um refrão memorável, a mensagem é deixada de maneira bem fixa. O início de "Kill The Elite" já deixa todos na expectativa, como se algo grandioso estivesse por vir. É mais melódica do que as anteriores, mas o destaque vai para a boa variação vocal de Maurizio.

A variação entre o gutural e rasgado segue em "Under Lawless Skies" que, apesar da dinâmica nas guitarras e na bateria, consegue não ser tão pesada. Um solo de guitarra já marca o início da "Dead & Buried", e o grupo continua investindo no equilíbrio entre o peso e a melodia. A "The Darkest Days of Slumber" é mais cadenciada, e a agressividade retorna através de pesados riffs e batidas furiosas, mas há um "rompimento" com o refrão mais harmônico.

Um rufar de bateria introduz a "The Promise", que em seguida nos apresenta uma boa conexão da bateria com a guitarra. E quem estava sentindo falta da velocidade, ela volta com mais força na "Empire Of Dirt". Para finalizar o disco, o Kataklysm optou pela "Elevate", e não é à toa que ela recebeu um videoclipe: trata-se de uma verdadeira viagem musical que nos faz visualizar um mundo assolado pela morte. E voltando aos termos técnicos, há uma pintada harmônica mesclada com elementos mais agressivos.

"Waiting For The End To Come" não é relativamente o álbum de Metal extremo que todos os amantes do Death Metal esperavam. Mas vale admirar a impecável produção do disco – o que o Kataklysm sempre se supera – e também a capacidade de criar, mais uma vez, um som original e de qualidade. E apesar da mudança em sua formação, o Kataklysm conseguiu manter a sua identidade, usando a velocidade, melodia e agressividade nas medidas certas. Esse é o Kataklysm!

Kataklysm é atualmente formado por:
Maurizio Iacono – vocal
Jean-François Dagenais – guitarra
Stephane Barbe – baixo
Oli Beaudoin – bateria

"Waiting For The End To Come", 25 de outubro, via Nuclear Blast:

1. Fire
2. If I Was God – I’d Burn It All
3. Like Animals
4. Kill The Elite
5. Under Lawless Skies
6. Dead & Buried
7. The Darkest Days of Slumber
8. Real Blood – Real Scars
9. The Promise
10. Empire Of Dirt
11. Elevate

Resenha original de
http://hornsup.com.br/


Outras resenhas de Waiting For The End to Come - Kataklysm

Resenha - Waiting For The End to Come - Kataklysm

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal



Sobre Gisela Cardoso

Headbanger, Jornalista, Crítica de Metal, vocalista, instrumentista, anarco-comunista, vegetariana, apaixonada por Mitologia Nórdica e adoradora do Deus Metal. A música me move e as palavras constroem! @GisaGrind.

Mais matérias de Gisela Cardoso.