Velho: Senhor de tudo e Vida Longa ao Primitivo

Resenha - Senhor de tudo e Vida Longa ao Primitivo - Velho

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo Godinho
Enviar Correções  


Com uma produção sem modernidades sonoras, feito apenas com paixão ao estilo seguido e com um jeito simples e direto, Velho nos brinda com um fugaz Black Metal, sem estrelismo. E que consegue se destacar em sua letal simplicidade tendo um acolhimento auditivo absurdo. Pois há momentos em que suas letras que por vezes relatam revoltas, por vezes ataques instituições e ainda, viagens intrapessoal e voltadas à ideologia fortemente individualista que visam a negação do dito "semelhante".

publicidade

Assim, vamos destrinchar as músicas do CD.

1 Uma trilha sem pegadas

A negação de qualquer entidade religiosa é posta à prova. Um delírio consumido pela massa e aqui é restituído pela verdade. O que há é uma arte restituída de ódio e rancor, uma música que exala uma afronta sem igual pelos dogmas estabelecidos dos puritanos. Tendo um riff marcante cadenciado pela bateria e um baixo de extrema presença. Um ótimo cartão de boas vindas.

publicidade

2 O poder é real

Deixando uma indagação sobre a busca do "real poder" ou como falaria Platão "um elogio à velhice". Um confusão sonora trazendo que nos leva à estagnação sobre uma busca e um encontro do obscuro obtido pelo inconsciente. Uma visão psicótica em busca de ´´(...) um outro poder.``

3 Perto dos portais da loucura

Uma das letras mais aterrorizantes e doentias em português. Uma viagem alucinógena atrás da perturbação mental para uma individualização onipresente e um decrépito instigado ao dito ´´próximo/semelhante`` para uma busca de um conhecimento inalcançável (O que há é uma reflexão introspectiva beirando a demência mais desenfreada possível de ser pensada). Um instrumental a lá heavy metal anos 80. Uma bela linha de guitarra para a letra proposta, sendo crua e direta sendo o pano de fundo para o estrondoso vocal de Caronte.

publicidade

4 Senhor de tudo

Caronte vocifera a praga que perambula nesse mundo sobrepondo a nefasta tradição de um vivência básica e casual sobre o óbvio.

5 O único caminho

Um hino para a descrença do dito ´´criador``. Regrado por momentos de embriaguez mental, temos uma bateria seca que perfura os tímpanos dos menos avisados e uma guitarra frenética que destila ódio. Uma vocalização dramática de Caronte que beira a insensatez humana.

publicidade

6 Newton Misantropo

Essa música é dedicada ao incrédulo e nefasto Newton (Músico e idealizador do Lebensessenz). Uma declamação fúnebre é feita ao Newton e sua insanidade. Uma vida retratada de solidão e depressão são relatos contatos sobre o músico que vive retirado do mundo e, também, experimentador de seu próprio ideal.

7 A mesma velha história

publicidade

Ódio ao nazareno e a relevância da descoberta de uma força interior como uma aversão aos seu iguais. Caronte destila ódio e repulsa pelo cânone maldito e os de sua estirpe.

8 Mais um ano esfria

Um abismo colossal sobre a derradeira humanidade na descrença de um cuidado com seu ambiente. Uma falta de percepção notada pelo ser, e uma sede de vingança criada na evolução do vazio. Nada é tão repleto de emoção quanto a decadência primordial. Aqui um há black metal cru e sem firulas. Apenas o Velho atuando simples e direto.

publicidade

9 Coma induzido

Aqui uma ácida critica a turbamulta formidavelmente bem escrita. Com um clima denso que busca a apoteótica penumbra do oculto, como é a proposta feita pela banda. E claro, Caronte faz uma interpretação eximia à altura da letra.

*Bonus track (Under a Funeral Moon, cover do Darkthrone)

Uma grata surpresa pra fechar o play. Um cover dos mestres do Black metal. Sem comentários sobre essa versão. Pois é aconselhável cada apreciador das bandas ouvir e ter as próprias impressões. Afinal, um cover dessa magnitude causa espasmo de euforia.

publicidade

* 9 Letra e música de Valéria Tenebra.

Para terminar a proposta do Velho é bem nítida e escancarada. E ainda é deixado o alerta pelos próprios: ... ´´ A letargia é contagiosa / E a massa indiferente / Escoando no caminho sulcado / Pela homogenização / Por vezes pensando que pensam / Por vezes pensando até que vivem. ``

Formações:

Senhor de tudo (2012)
T. Splatter: Baterias de Fogo
R. Lopes: Invocações Graves
T. Caronte: Adorações norturnas

Vida Longa ao Primitivo (2009)

T. Splatter: Batendo
V. Tenebra: Violando
T. Caronte: Odiando
R. Chaos: Discordando

Informações:

Perto dos portais da Loucura:

publicidade



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mr Catra: Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)Mr Catra
Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)

Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"


Sobre Danilo Godinho

Graduado em Filosofia. Leitor dos clássicos da literatura mundial. E admirador da boa música.

Mais matérias de Danilo Godinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin