Scorpions: o melhor álbum de estúdio da banda

Resenha - Fly to the Rainbow - Scorpions

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Augusto Duarte
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda alemã a ser batida, Scorpions, entre anúncios de ida e vinda, os caras completarão 48 anos de história nesse ano. Os fãs levaram um susto com o anúncio da última turnê em 2010, mas logo os caras voltaram atrás e desistiram da ideia de "pendurar as guitarras". Fato é que somos todos gratos pela existência dessa banda, que lançou produtos tão relevantes e sofisticados no mercado, chegando na marca de 200 milhões de álbuns vendidos, um desse produtos é o 2º disco de estúdio "Fly to the Rainbow".
1518 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's5000 acessosTamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixos

Na minha humilde opinião, "Fly to the Rainbow" é o melhor álbum de estúdio da banda e Top 10 na história do metal, lançado em 1º de novembro de 1974. Em apoio ao seu último álbum, "Lonesome Crow", a banda abriu um show para a banda de rock britânica UFO, com uma generosa troca de favores. Após o final da turnê, o guitarrista da banda Michael Schenker (irmão do fundador Rudolf) foi convidado para preencher uma vaga como guitarrista na banda UFO, aceitando. Para espanto de muitos que não sabiam desse fato: A saída de Michael quase resultou na dissolução da banda, mas Rudolf Schenker e Klaus Meine em última análise, resolveram mais tarde se fundir com a banda Dawn Road. A formação do Dawn Road consistia em: Ulrich Roth (guitarra) preenchendo a vaga de Michael, Jürgen Rosenthal (bateria) e Francis Buchholz (baixo). A nova formação retornou sob o nome de Scorpions, antes "The Nameless" (isso mesmo, "Os sem nome") e gravou "Fly to the Rainbow". O álbum alcançou a 83ª posição na paradas do Japão e abriu mercado para a banda no Oriente, onde alguns anos depois gravariam o emblemático "Tokyo Tapes".

A arte da capa não agrada a gregos e troianos, dividindo opiniões ferrenhas até mesmo na banda. Certa vez, em uma entrevista, Uli declarou: "Não me pergunte o que significa essa capa... Eu não gostei desde o começo. Parecia ridículo para mim naquela época e parece muito pior hoje. Foi feito por uma empresa de designers em Hamburgo, que tinham realmente feito um bom trabalho no álbum anterior Lonesome Crow, mas eu acho que o tempo fez eles falharem miseravelmente. Quanto ao significado, só posso imaginar, mas eu preferiria nem me dar a esse trabalho..."

Destacando a guitarra matadora de Uli e os vocais incomparáveis de Klaus Meine, além da precisão técnica que a banda já possuía, podemos destacar 4 músicas entre as 7: "Speedy's Coming", "Drifting Sun", "Fly People Fly" e a faixa-título "Fly to the Raibow".

A faixa-título possui quase 10 minutos de duração, o que para época era considerado um absurdo, por isso chegou a ser descartada do álbum, novamente reintegrada foi surpreendendo a todos pelo sucesso e pela técnica apurada dos integrantes. O álbum também contou com o músico contratado Achim Kirschning (órgão/sintetizador) e com composições de Michael Schenker (três canções foram co-escritas por ele como parte de seu 'acordo' feito por ele ao Scorpions para deixá-los e se juntar à banda de rock britânica UFO em abril daquele ano).
Um álbum para ser ouvido, reouvido e nunca abusado. Essencial para quem curte boa música de forma geral.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Fly to the Rainbow - Scorpions

1941 acessosScorpions: O surreal e ensurdecedor "Fly To The Rainbow"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MudançasMudanças
10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discos

1518 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1808 acessosScorpions: como surgiu a ideia de fazer turnê com o Megadeth1539 acessosAccept: "Nós deixamos as baladas para o Scorpions" diz Wolf0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Scorpions"

Hard RockHard Rock
Alguns dos clipes mais clichê do gênero

ScorpionsScorpions
"Gostamos de música atual como Green Day e System Of a Down!"

Dave MustaineDave Mustaine
James Hetfield, eu, Malcolm Young e Rudolf Schenker somos os melhores

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Scorpions"

Tamanho é documento?Tamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

Iron MaidenIron Maiden
Felipe Dylon toca clássicos da donzela

Sexo AnalSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no Rock

5000 acessosAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance5000 acessosVitão Bonesso: A imensa coleção do apresentador do Backstage5000 acessosFrontman: quando o original não é a melhor opção5000 acessosMax Cavalera: comparando a cena metal de hoje com a de 30 anos atrás5000 acessosMax sobre reunião: "Falei pro Andreas 'vamos fazer esta porra, cara'"4699 acessosKerry King: essa é a última versão do Slayer que as pessoas verão

Sobre Augusto Duarte

Augusto Duarte, maranhense, residente em São Luís, nasci em 1992, curso Direito na Universidade Estadual no Maranhão. Sou guitarrista de uma banda underground chamada "Rota 37" e pianista na Escola de Música Lilah Lisboa, aqui em São Luís. Minhas lembranças musicais mais remotas vem do Rock in Rio de 2001 e a passagem alucinante do Iron Maiden no Brasil. Tenho uma vasta tendência de variantes no rock n' roll, que vão desde Buddy Holly até Opeth. Sou fanático pelos Beatles, Megadeth e Dream Theater, além de acompanhar de perto o trabalho de bandas como Scorpions, Van Halen, AC/DC, Black Sabbath, Iron Maiden, Lynyrd Skynyrd, Led Zeppelin, Rush, entre outros.

Mais matérias de Augusto Duarte no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online