Scorpions: o melhor álbum de estúdio da banda

Resenha - Fly to the Rainbow - Scorpions

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Augusto Duarte
Enviar Correções  


A banda alemã a ser batida, Scorpions, entre anúncios de ida e vinda, os caras completarão 48 anos de história nesse ano. Os fãs levaram um susto com o anúncio da última turnê em 2010, mas logo os caras voltaram atrás e desistiram da ideia de "pendurar as guitarras". Fato é que somos todos gratos pela existência dessa banda, que lançou produtos tão relevantes e sofisticados no mercado, chegando na marca de 200 milhões de álbuns vendidos, um desse produtos é o 2º disco de estúdio "Fly to the Rainbow".

Na minha humilde opinião, "Fly to the Rainbow" é o melhor álbum de estúdio da banda e Top 10 na história do metal, lançado em 1º de novembro de 1974. Em apoio ao seu último álbum, "Lonesome Crow", a banda abriu um show para a banda de rock britânica UFO, com uma generosa troca de favores. Após o final da turnê, o guitarrista da banda Michael Schenker (irmão do fundador Rudolf) foi convidado para preencher uma vaga como guitarrista na banda UFO, aceitando. Para espanto de muitos que não sabiam desse fato: A saída de Michael quase resultou na dissolução da banda, mas Rudolf Schenker e Klaus Meine em última análise, resolveram mais tarde se fundir com a banda Dawn Road. A formação do Dawn Road consistia em: Ulrich Roth (guitarra) preenchendo a vaga de Michael, Jürgen Rosenthal (bateria) e Francis Buchholz (baixo). A nova formação retornou sob o nome de Scorpions, antes "The Nameless" (isso mesmo, "Os sem nome") e gravou "Fly to the Rainbow". O álbum alcançou a 83ª posição na paradas do Japão e abriu mercado para a banda no Oriente, onde alguns anos depois gravariam o emblemático "Tokyo Tapes".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A arte da capa não agrada a gregos e troianos, dividindo opiniões ferrenhas até mesmo na banda. Certa vez, em uma entrevista, Uli declarou: "Não me pergunte o que significa essa capa... Eu não gostei desde o começo. Parecia ridículo para mim naquela época e parece muito pior hoje. Foi feito por uma empresa de designers em Hamburgo, que tinham realmente feito um bom trabalho no álbum anterior Lonesome Crow, mas eu acho que o tempo fez eles falharem miseravelmente. Quanto ao significado, só posso imaginar, mas eu preferiria nem me dar a esse trabalho..."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Destacando a guitarra matadora de Uli e os vocais incomparáveis de Klaus Meine, além da precisão técnica que a banda já possuía, podemos destacar 4 músicas entre as 7: "Speedy's Coming", "Drifting Sun", "Fly People Fly" e a faixa-título "Fly to the Raibow".

A faixa-título possui quase 10 minutos de duração, o que para época era considerado um absurdo, por isso chegou a ser descartada do álbum, novamente reintegrada foi surpreendendo a todos pelo sucesso e pela técnica apurada dos integrantes. O álbum também contou com o músico contratado Achim Kirschning (órgão/sintetizador) e com composições de Michael Schenker (três canções foram co-escritas por ele como parte de seu 'acordo' feito por ele ao Scorpions para deixá-los e se juntar à banda de rock britânica UFO em abril daquele ano).
Um álbum para ser ouvido, reouvido e nunca abusado. Essencial para quem curte boa música de forma geral.


Outras resenhas de Fly to the Rainbow - Scorpions

Scorpions: O surreal e ensurdecedor "Fly To The Rainbow"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Scorpions: banda tem mais de 25 músicas escritas para novo álbum, afirma Mikkey DeeScorpions
Banda tem mais de 25 músicas escritas para novo álbum, afirma Mikkey Dee

Scorpions: vídeo de Blackout ao vivo em Berlim, 1990Scorpions
Vídeo de "Blackout" ao vivo em Berlim, 1990

Por Dentro com Paulo Baron: Klaus Meine, do Scorpions, como você nunca viu (vídeo)Por Dentro com Paulo Baron
Klaus Meine, do Scorpions, como você nunca viu (vídeo)

Scorpions: As diferentes fases da banda (vídeo)

Scorpions: vídeo oficial de Crazy World ao vivo em Berlim, 1990Scorpions
Vídeo oficial de "Crazy World" ao vivo em Berlim, 1990

Eddie Van Halen: Você foi um guitarrista completo e incrível, diz Michael SchenkerEddie Van Halen
"Você foi um guitarrista completo e incrível", diz Michael Schenker

Uma Dose Extra: 10 bandas de metal que fizeram o seu próprio goróUma Dose Extra
10 bandas de metal que fizeram o seu próprio "goró"

Scorpions: vídeo de I Can't Explain ao vivo em BerlimScorpions
Vídeo de "I Can't Explain" ao vivo em Berlim

Scorpions: vídeo mostra banda tocando Hit Between The Eyes ao vivo em 1991Scorpions
Vídeo mostra banda tocando "Hit Between The Eyes" ao vivo em 1991

Scorpions: por que eles não farão shows drive-in ou lives, segundo Matthias JabsScorpions
Por que eles não farão shows drive-in ou lives, segundo Matthias Jabs


Megadeth: Dave Mustaine elege suas músicas preferidas do ScorpionsMegadeth
Dave Mustaine elege suas músicas preferidas do Scorpions

Scorpions: visão do mundo em Wind of ChangeScorpions
Visão do mundo em "Wind of Change"


Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasHeavy Metal
O Diabo e personagens bíblicas nas capas

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row


Sobre Augusto Duarte

Augusto Duarte, maranhense, residente em São Luís, nasci em 1992, curso Direito na Universidade Estadual no Maranhão. Sou guitarrista de uma banda underground chamada "Rota 37" e pianista na Escola de Música Lilah Lisboa, aqui em São Luís. Minhas lembranças musicais mais remotas vem do Rock in Rio de 2001 e a passagem alucinante do Iron Maiden no Brasil. Tenho uma vasta tendência de variantes no rock n' roll, que vão desde Buddy Holly até Opeth. Sou fanático pelos Beatles, Megadeth e Dream Theater, além de acompanhar de perto o trabalho de bandas como Scorpions, Van Halen, AC/DC, Black Sabbath, Iron Maiden, Lynyrd Skynyrd, Led Zeppelin, Rush, entre outros.

Mais matérias de Augusto Duarte no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 CliHo