RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Stamp

Badlands: a estreia do supergrupo de Jake E. Lee

Resenha - Badlands - Badlands

Por Thiago Pimentel
Postado em 20 de fevereiro de 2013

Nos anos 80, o rock n' roll viveu um de seus maiores ápices comerciais. O resultado? Inúmeros álbuns de hard rock e heavy metal viram a luz do dia.

Mesmo tendo contribuído com dois registros clássico desta década – os discos "Bark at The Moon" (1983) e "The Ultimate Sin" (1986), com Ozzy Osbourne – , o guitarrista norte-americano Jake E. Lee ainda reservara, no ano de 1989, uma de suas maiores surpresas, o supergrupo Badlands.

A proposta da banda era simples: unir o hard rock oitentista com elementos do blues – tão presente no rock n' roll dos anos 70, aliás. Para esse objetivo, Jake E. Lee não teria opção melhor que o incrível vocalista Ray Gillen.

Na abertura do disco, com a faixa "High Wire", a música rouba atenção, de forma espontânea, tanto pelos riffs certeiros de Lee quanto pelos vocais energéticos de Ray Gillen. Fazendo uso de linhas cativantes e cheias de interpretação, comparações entre Gillen e Robert Plant (Led Zeppelin) foram inevitáveis, pois ele carregara muitas influências de Plant. Curiosamente, o cantor já era conhecido no circuito por uma polêmica e repentina passagem no Black Sabbath. Banda que, também, 'cedeu' mais um incrível músico para o projeto de Lee, o baterista Eric Singer – no futuro, ficaria famoso por cuidar das baquetas de um "pequeno" grupo de rock chamado Kiss.

Para quem, na época, culpava Jake E. Lee pelo tom acessível de "The Ultimate Sin", este álbum mostra que, em tese, a preferência musical do guitarrista é outra. Mesmo a balada "Dreams in the Dark" – que, assim como "High Wire", também tornou-se single – não soa forçada. Após o pequeno solo de baixo de Greg Chaisson, na introdução, o incrível talento de Gillen, novamente, se sobressai e convenhamos: com um guitarrista como Jake E. Lee tocando, se destacar não é uma tarefa das mais simples.

O trabalho prossegue com a bela peça acústica "Jade's Song". Na verdade, a vinheta instrumental serve de introdução para uma das mais incríveis músicas do disco, a zeppeliana "Winter's Call". Desde o dedilhado inicial aos momentos de pura energia, a faixa prende a atenção - excelente!

Apesar do visual glam, o disco rompe possíveis preconceitos exibindo um rock n' roll maduro e bem composto. Uma curiosidade deste debut é que, na composição, os músicos contaram com a colaboração do produtor Paul O' Neil – músico que ficou famoso por contribuir em músicas de bandas como o Savatage, por exemplo.

O lado mais roqueiro dos músicos volta a aparecer em composições como "Dancing on the Edge" e "Streets Cry Freedom" – que conta com um solo de guitarra bem diferenciado e exótico em sua conclusão. Solos? Falando neles, em "Hard Drive" as guitarras de Lee voltam a ficar em evidência nessa que é uma canções com mais referências musicais da década de 80.

A nona faixa ("Devil's Stomp") mantém o nível e precede uma das mais músicas do registro: "Seasons". Balada do início ao fim, a canção brinda o ouvinte com incríveis dedilhados e linhas de guitarra de Jake E. Lee em sua clássica stratocaster 'turbinada'. Faltou algo? Claro, os vocais de Gillen... e como canta(va) o sujeito. Sim, infelizmente, o verbo tem que ser utilizado no passado, pois o vocalista faleceu, no ano de 1993, como consequência de problemas causados pela AIDS.

Fechando o trabalho, a ótima "Ball and Chain" – com um senhor riff de guitarra em sua introdução – mostra que o disco é incrivelmente bem balanceado em canções ora rápidas, ora cadenciadas. Além disso, destaca a performance de todos os membros da banda em suas muitas variações que inclui, até mesmo, muitas camadas de violão.

Fã de rock n' roll? Vocais carregados de interpretação? Guitarras bem tocadas e sem exageros? Certamente o primeiro registro do Badlands merece sua atenção, pois trata-se de um trabalho sólido, bem composto, tocado e produzido. Daquele tipo de disco que, de tão interessante, você não compreende o motivo da banda não ter atingido um público maior. E, vejam só, o Badlands ainda possuía músicos gabaritados e já conhecidos em sua formação...

[an error occurred while processing this directive]

Músicas-chave:
"Winter's Call" ; "Ball and Chain" ; "Seasons"

Formação:
Ray Gillen – vocais
Jake E. Lee – guitarras
Greg Chaisson – baixo
Eric Singer – bateria

Tracklist:

01. High Wire
02. Dreams in the Dark
03. Jade's Song
04. Winter's Call
05. Dancing on the Edge
06. Streets Cry Freedom
07. Hard Driver
08. Rumblin' Train
09. Devil's Stomp
10. Seasons
11. Ball and Chain

http://hangover-music.blogspot.com/2013/01/resenha-badlands-badlands.html

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Badlands - Badlands

Resenha - Badlands - Badlands

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Badlands: Eddie Trunk fala merda de Ray Gillen e Jake Lee rebate

Blend Guitar: Jake Lee Vs. Zakk Wylde

Red Dragon Cartel: vocalista medíocre constrange Jake E. Lee

Badlands: em raro momento, Jake E. Lee resolve falar de Ray Gillen


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.
Mais matérias de Thiago Pimentel.