RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemBeatles: O processo de gravação do "Let It Be", segundo o produtor George Martin

imagemKiss: Segundo Gene Simmons, Ace Frehley votou pela demissão de Peter Criss, em 1980


Def Leppard Motley Crue 2

Artur Menezes: músicas bem arranjadas e de beleza rara

Resenha - #2 - Artur Menezes

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Postado em 29 de novembro de 2012

Nota: 9

O músico cearense ARTUR MENEZES já pode, apesar de sua pouca idade, ser considerado um dos maiores bluesman brasileiros. Com apenas 27 anos, o guitarrista já levou o seu blues para importantes bares de Chicago (uma das cidades norte-americanas que podem ser consideradas como raiz desse estilo musical), Londres e várias cidades brasileiras, tendo tocado com ninguém menos que BUDDY GUY, em Chigago e no Brasil, além de poder ser ouvido nos discos de sua própria banda e em participações especiais em discos de outras, como DE BLUES EM QUANDO, BLUES LABEL e de sua mãe, a cantora de MPB Lúcia Menezes.

Em minhas mãos, presente do próprio, tenho seu segundo disco, chamado simplesmente "#2", um artefato cuja capa bem vintage (o que, em se falando de blues, é sempre bem vindo) esconde a modernidade de uma série de nove composições muito bem arranjadas e de beleza rara hoje em dia.

#2 começa com "I Ain't Got You", uma deliciosa mistura de blues e soul (mais soul que blues), que já valeria por todo o disco. Bem radiofônica, esta faixa poderia ser um daqueles sucessos de rádio dos anos 80 ou estar na trilha sonora de qualquer novela. A faixa também dá nome a um EP com três músicas desse disco. Em seguida, a alegre, dançante e empolgante "Damn! You Know I'm A Man". Esta faixa também está presente em uma coletânea que a revista GuitarLoad lançou recentemente com grandes nomes brasileiros das seis cordas.

https://whiplash.net/materias/news_834/164886.html

Ainda com temática bem sexual, mas bem mais ao estilo mais tradicional do blues, "Dangerous Mood", de Candy Parton e Keb Mo, atesta muito bem o talento do músico e sua banda, sendo seguida por mais um blues maravilhoso e bem intimista, "Room 821" e pelo rock "Good Times". É desnecessário dizer que os solos de guitarra são o ponto alto do CD de um guitarrista, mas não custa nada. Cabe registro também que cada faixa difere bastante da anterior, apresentando uma criatividade tal que faz com que o CD pareça mais uma coletânea dos sucessos de toda uma carreira do que com apenas mais uma parte do que seria uma extensa discografia. "Lord Have Mercy", uma das melhores de "#2" trás também um dos melhores solos.

O CD continua com mais um blues cheio de sentimento, "Bad, Mean, Evil City" e mais uma faixa agitada, "I don't Want To Lose You". O kazoo usado para abrir "Everybody Says That I'm Done", anuncia o final desta obra preciosa de um talentoso músico cearense, apoiado por uma talentosa banda, com um blues que ao mesmo tempo soa moderno e bem tradicional. Esta faixa é de autoria de Cláudio Mendes, dono dos teclados que são bem presentes e muito bem executados ao longo de todo o CD e também guitarrista da banda de ARTUR MENEZES. Completam o time Wladimir Catunda na bateria e Lucas Ribeiro no baixo.

Sem dúvidas, enquanto o "#3" (e que tenha um título melhor que esse) não chega, só nos resta colocar o "#2" para tocar mais uma vez.

Algumas faixas deste e do CD anterior de ARTUR, "Early to Marry" podem ser ouvidas no site do guitarrista/vocalista: http://www.arturmenezes.com.br/

Track List:

I Ain't Got You
Damn! You Know I'm A Man
Dangerous Mood
Room 821
Bad, Mean, Evil City
Good Times
Lord Have Mercy
I Don't Wanna Lose You
Everybody Says That I'm Done

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).
Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva.