Artur Menezes: músicas bem arranjadas e de beleza rara

Resenha - #2 - Artur Menezes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O músico cearense ARTUR MENEZES já pode, apesar de sua pouca idade, ser considerado um dos maiores bluesman brasileiros. Com apenas 27 anos, o guitarrista já levou o seu blues para importantes bares de Chicago (uma das cidades norte-americanas que podem ser consideradas como raiz desse estilo musical), Londres e várias cidades brasileiras, tendo tocado com ninguém menos que BUDDY GUY, em Chigago e no Brasil, além de poder ser ouvido nos discos de sua própria banda e em participações especiais em discos de outras, como DE BLUES EM QUANDO, BLUES LABEL e de sua mãe, a cantora de MPB Lúcia Menezes.

Artur Menezes: vencedor do concurso para tocar no festival de Eric ClaptonRunaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Em minhas mãos, presente do próprio, tenho seu segundo disco, chamado simplesmente "#2", um artefato cuja capa bem vintage (o que, em se falando de blues, é sempre bem vindo) esconde a modernidade de uma série de nove composições muito bem arranjadas e de beleza rara hoje em dia.

#2 começa com "I Ain't Got You", uma deliciosa mistura de blues e soul (mais soul que blues), que já valeria por todo o disco. Bem radiofônica, esta faixa poderia ser um daqueles sucessos de rádio dos anos 80 ou estar na trilha sonora de qualquer novela. A faixa também dá nome a um EP com três músicas desse disco. Em seguida, a alegre, dançante e empolgante "Damn! You Know I'm A Man". Esta faixa também está presente em uma coletânea que a revista GuitarLoad lançou recentemente com grandes nomes brasileiros das seis cordas.

https://whiplash.net/materias/news_834/164886.html


Ainda com temática bem sexual, mas bem mais ao estilo mais tradicional do blues, "Dangerous Mood", de Candy Parton e Keb Mo, atesta muito bem o talento do músico e sua banda, sendo seguida por mais um blues maravilhoso e bem intimista, "Room 821" e pelo rock "Good Times". É desnecessário dizer que os solos de guitarra são o ponto alto do CD de um guitarrista, mas não custa nada. Cabe registro também que cada faixa difere bastante da anterior, apresentando uma criatividade tal que faz com que o CD pareça mais uma coletânea dos sucessos de toda uma carreira do que com apenas mais uma parte do que seria uma extensa discografia. "Lord Have Mercy", uma das melhores de "#2" trás também um dos melhores solos.

O CD continua com mais um blues cheio de sentimento, "Bad, Mean, Evil City" e mais uma faixa agitada, "I don't Want To Lose You". O kazoo usado para abrir "Everybody Says That I'm Done", anuncia o final desta obra preciosa de um talentoso músico cearense, apoiado por uma talentosa banda, com um blues que ao mesmo tempo soa moderno e bem tradicional. Esta faixa é de autoria de Cláudio Mendes, dono dos teclados que são bem presentes e muito bem executados ao longo de todo o CD e também guitarrista da banda de ARTUR MENEZES. Completam o time Wladimir Catunda na bateria e Lucas Ribeiro no baixo.

Sem dúvidas, enquanto o "#3" (e que tenha um título melhor que esse) não chega, só nos resta colocar o "#2" para tocar mais uma vez.

Algumas faixas deste e do CD anterior de ARTUR, "Early to Marry" podem ser ouvidas no site do guitarrista/vocalista: http://www.arturmenezes.com.br/

Track List:

I Ain't Got You
Damn! You Know I'm A Man
Dangerous Mood
Room 821
Bad, Mean, Evil City
Good Times
Lord Have Mercy
I Don't Wanna Lose You
Everybody Says That I'm Done




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Artur Menezes"


Artur Menezes: vencedor do concurso para tocar no festival de Eric Clapton

Runaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim FowleyRunaways
Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposSeparados no nascimento: James Hetfield e o Leão ValenteGuns N' Roses: qual a música que Axl Rose mais gosta de cantar ao vivoOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.