Heart: passado e presente convergem em "Fanatic"

Resenha - Fanatic - Heart

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Jack Montes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


36 anos após seu primeiro lançamento, as irmãs Wilson lançam seu 14º álbum de estúdio, esbanjando de toda a carga musical adquirida através das décadas e mostrando que ainda há muito Rock a ser explorado.
1628 acessosHeart: "As bandas de Seattle festavam direto na minha casa"5000 acessosOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?

Diferente de seu antecessor "Red Velvet Car", de 2010, "Fanatic" recorre ao maior uso do som elétrico e pesado que projetou o Heart nos anos 70, revisita elementos adquiridos durante a carreira e incorpora nuances do cenário musical atual. Com grande participação do produtor Ben Mink, que co-escreve todas as canções do álbum e toca diversos instrumentos, Ann e Nancy Wilson nos entregam um dos melhores álbuns do ano, bem como de toda a sua carreira.

O disco começa com a faixa-título, "Fanatic", que logo de cara mostra a que veio: poderosos e pesados riffs de guitarra, utilizando técnicas não muito convencionais, aliados a efeitos sonoros que dão um ar tecnológico, e somados ao sempre forte e belo vocal de Ann, pouco afetado pelo tempo. A primeira faixa dita a maior parte do ambiente do álbum: um caráter pessoal, agressivo como nunca, o velho e o novo mesclados.

Em seguida temos "Dear Old America", que retrata o sofrimento de um soldado na guerra. Talvez seja a faixa com maior profundidade biográfica, tendo sido escrita pelas irmãs Wilson em homenagem a seu pai, veterano de guerra. A batida é bem marcada e intensa, novamente com guitarras pesadas (embora sem riffs destacados) e vocal muito forte. Destaque para a interferência de um ritmo acelerado que dá um tom de turbulência à música, tornando-a ainda mais agressiva. O belo trabalho de Ben Mink com os arranjos de violino e viola incrementa a faixa, fazendo dela um dos grandes destaques do álbum.

Então vem a primeira "parada" de ritmo do álbum. Nancy assume os vocais em "Walkin' Good", uma bela canção acústica com ilustre participação de Sarah McLachlan. Os acordes soltos, os instrumentos de cordas, a flauta de Ann e o caráter intimista relembram a ambientação folk do Heart de "Dreamboat Annie" e "Little Queen".

A quarta faixa, "Skin and Bones", volta com o Hard Rock e com Ann nos vocais, apresentando uma mescla muito peculiar de ritmos blues-rock marcados e efeitos "high-tech", resultando em uma música cativante até difícil de explicar. A linha de baixo se destaca e a faixa está entre as melhores do álbum.

"A Million Miles" é o expoente da criatividade no álbum. Beirando o progressivo e o psicodélico, a banda une Rock pesado com efeitos futuristas de Techno-Funk, utilizando-se de feedback controlado e muito reverb sobre riffs não-convencionais de guitarra e trechos de bandolim. É uma das músicas mais potentes do disco e o vocal de Ann é mostrado em todo o seu potencial e qualidade atuais, combinando perfeitamente com essa arrojada canção.

Então vem o ponto baixo do álbum, "Pennsylvania". Está longe de ser ruim. Pelo contrário, é boa, de fato. Mas não possui nenhum atrativo que faça com que ela não seja ofuscada pela ótima qualidade das outras faixas. A música é lenta, arrastada e supostamente emotiva, mas não me atingiu como deveria. Talvez seja só eu.

Em seguida temos "Mashalla!", a grande representante do Hard Rock clássico no álbum. Relembrando os tempos em que o Heart era comparado com Led Zeppelin, a faixa utiliza riffs pesados mais convencionais, tendo uma sonoridade levemente influenciada por nuances médio-orientais intensificadas pelo ótimo emprego de instrumentos de corda que se aproximam do oriente. O vocal é poderoso e impactante, e o uso de exclamação no título da música é muito conveniente.

"Rock Deep (Vancouver)" é a balada definitiva do álbum.
Com dedilhados no violão, violinos e vocal íntimo, consegue provocar a emoção que "Pennsylvania" falha em fazer. Acerta nos momentos de intensidade do refrão e não cai na mesmice romântica.

Logo após, vem sua antítese: "59 Crunch". A música mais agressiva do álbum, e quem sabe de toda a carreira do Heart, apresenta Ann e Nancy compartilhando os vocais quase igualitariamente pela primeira vez, e o ritmo quebrado e agressivo se aproxima do Punk. É a única música do disco que possui um solo de guitarra (marcando mais uma singularidade do álbum), muito bem executado em slides. Obs.: Não tente entender a letra. Não é para ter sentido.

O disco encerra com "Corduroy Road", mais uma vez se aproximando do som característico do Heart nos anos 70. Com uma das melhores execuções da vocalista Ann, a canção toma forma em acordes pesados de violão e bandolim, junto a mais um belo arranjo de cordas de Ben Mink, dando novamente características folk e orientais. Intensa, criativa e peculiar, a faixa encerra o álbum sendo uma das maiores surpresas.

"Fanatic" resgata o Heart clássico ao mesmo tempo que explora novos horizontes musicais, evitando que a sonoridade da banda caia no marasmo do passado. O álbum tem capacidade de agradar tanto os ouvintes mais FANÁTICOS quanto os casuais, equilibrando perfeitamente sons criativos e comerciais. "Fanatic" é o exemplo perfeito de que ainda se pode fazer Rock de qualidade que surpreenda, e que a criatividade das irmãs Wilson está longe de esgotar.

Line-up:

Ann Wilson - Vocais, flauta
Nancy Wilson - Guitarra, violão, vocais, bandolim
Ben Mink - Produção, programação, guitarra, violão, bandolim, banjo, teclados, órgão, violino, viola, arranjos
Ben Smith - Bateria, percussão
Ric Markmann - Baixo

Faixas:

01 - Fanatic
02 - Dear Old America
03 - Walkin' Good (feat. Sarah McLachlan)
04 - Skin and Bones
05 - A Million Miles
06 - Pennsylvania
07 - Mashalla!
08 - Rock Deep (Vancouver)
09 - 59 Crunch
10 - Corduroy Road

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

1628 acessosHeart: "As bandas de Seattle festavam direto na minha casa"495 acessosGrunge: filme "Singles" está fazendo 25 anos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Heart"

Rock And RollRock And Roll
As 13 maiores voltas por cima da história

HeartHeart
A história por trás da música "Alone"

HeartHeart
A agressão que congelou a banda e separou as irmãs Wilson

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Heart"

OrtografiaOrtografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?

HumorHumor
Como você chama alguém que sai com músicos? Baterista!

MetallicaMetallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

5000 acessosAxl no AC/DC: O fiasco que se transformou numa surpreendente união5000 acessosThe Voice Kids: até Brian May ficou impressionado com brasileiro5000 acessosSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME5000 acessosHeavy Metal: as melhores músicas lançadas recentemente5000 acessosPassos do rock: alguns dos mais famosos em gif animado5000 acessosHeadbanger: mostre que você é true em qualquer oportunidade

Sobre Jack Montes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online