Odisséia: O bom e velho Heavy Metal

Resenha - For Waters Force... Winds of Power - Odisséia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar Correções  

8


Este é o primeiro disco da banda mineira, que já tem uma década de atividade. E apesar de, como os próprios membros disseram a gravação ter sido muito complicada por diversos fatores e até mesmo pela inexperiência, o resultado para quem curte o Heavy Metal dos anos 80 é o melhor possível. Bebendo de fontes como Running Wild, Saxon, Grave Digger e Judas Priest, o Odisséia nos brinda com nove faixas sem pausa para respirar. É metal pesado e veloz durante toda a duração do disco. Na época da gravação a banda estava reduzida a um trio, com Gleison Maest nos vocais, JP Zampiere nas guitarras e baixo, e Dimas Correa na bateria. Podemos citar como principais destaques as poderosas Honor and War, We Love Rock n’ Roll, a melhor de todas She is Sacred and Sinner e Desert Lands. O Odisséia demonstra força em seu debut, e nos faz esperar pelo que virá a seguir. For Waters Force…Winds of Power é simples assim, o bom e tradicional Heavy Metal. Como sempre o deveria ser.

Tracklist:

1. BloodSea

2. Honor and War

3. For Waters Force… Winds of Power

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

4. We Love Rock and Roll

5. She is Sacred and Sinner

6. Last Fear

7. Lady Belle Demon

8. Will You Fight on The Next War?

9. Desert Lands




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Evanescence: estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filhoEvanescence
Estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filho

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

CliIL