Nervosa: Thrash Metal do grupo não está para brincadeira

Resenha - 2012 - Nervosa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

9


Mesmo com incompletos três anos de carreira e este sendo seu primeiro material, a banda Nervosa dispensa apresentações. Tudo devido aos seus excelentes shows, além de uma divulgação maciça de seu trabalho na internet. "2012" só veio pra confirmar o talento de Fernanda Lira (vocal/baixo), Prika Amaral (guitarra) e Fernanda Terra (bateria).

Com uma produção louvável, a cargo de Heros Trench e Marcelo Pompeu (Korzus), o trabalho tem início com a excelente Time Of Death que de cara demonstra que o Thrash Metal do grupo não está para brincadeira e deixa alguns marmanjos, que tentam praticar o estilo, no chinelo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os vocais de Fernanda Lira são muito consistentes e seu timbre rasgado casa perfeitamente com o instrumental brutal. Instrumental este que tem no baixo da própria Fernanda a essência do Thrash. Os riffs de Prika dispensam comentários, pois ela é uma verdadeira fábrica dos mesmos. Fernanda Terra consegue aliar perfeitamente técnica com agressividade, aperfeiçoando o som brutal da banda.

A segunda faixa, Invisible Opression é um soco na cara e possui um refrão contagiante, onde se pode imaginar a galera da frente nos shows erguendo seus punhos e gritando-o. Masked Betrayer, primeiro clipe da banda lançado antes mesmo da demo, fecha o trabalho de forma fenomenal.

"2012" ainda foi lançado na Europa como um EP em formato de vinil de 7" transparente e com outra capa, pela Napalm Records, limitados em apenas 150 cópias. Estreia digna, previsível (no bom sentido, é claro). Já não são mais promessa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de 2012 - Nervosa

Nervosa: Qualidade muito acima da média


Cli336 CliIL Cli336 Cli336