Black Sabbath: Em 1970, além da relação entre blues e rock

Resenha - Paranoid - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


No dia 18 de setembro de 1970, o hotel Samarkand em Londres dava péssimas notícias para o mundo da música: graças à um coquetel de comprimidos para dormir e garrafas de vinho a rodo, JIMI HENDRIX havia falecido em decorrência de sufocamento no próprio vômito. A controversa história deixou uma série de especulações – suicídio e negligência média foram invocados - mas, fato é que o mundo perdeu sua maior referência – até hoje - da guitarra pré metal.
2937 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões

Por uma dessas indecifráveis ocorrências do destino, nesse exato dia, no mesmo país, foi lançado um – ou “o” – dos maiores álbuns de metal da história. Produzido por RODGER BAIN, o BLACK SABBATH lançava seu segundo full length, o clássico absoluto “Paranoid”. Se o primeiro e homônimo registro trouxera uma nova forma de se fazer música, criando barreiras de distorção aliadas a trítonos e contatos com o além, “Paranoid” criava novas e sombrias perspectivas para a então recém nascida década de 1970.

Assim como seus companheiros da tríade emergente – PURPLE e LED – o quarteto de Birmingham foi além da relação estreita entre blues e rock n´roll da época, captando novas influências e forjando roupagens que decretavam o fim da era Flower Power. A temática anti–bélica de “War Pigs” mostrava que a crítica à guerra podia ser mais ácida e contundente que discursos de ”sim ao amor e não a batalha”. O riff psicótico de IOMMI mostrava a realidade tal como era: agressiva, incompreensível e farpada. Na mesma temática “Electric Funeral”- na minha opinião o melhor riff do disco- segue arrastada e agonizante, com OZZY marcando “aquela” presença lúgubre nos vocais.

“Iron Man” – que, segundo consta foi batizada por OZZY após ouvir o riff central – mesmo tendo sido tocada ao vivo ou regravada por Deus e o mundo - de NOFX a METALLICA - continua tendo sua essência imortalizada nesse registro. Vale lembrar que essa faixa é uma das pioneiras no gênero em alternâncias de seções sustentadas por riffs diferentes- um marco do metal.

Mas nem só de pancada vive o disco: “Planet Caravan” é o melhor exemplo de como soar profundo e com toques psicodélicos sem ser chato como algumas jams intermináveis de grupos da época. No campo das mudanças de dinâmica, “Hand of Doom” e “Rat Salad” e, claro, "Fairies Wear Boots", mostram um trabalho extraterrestre de WARD e GEEZER na seção rítmica, emoldurando os “muros” da guitarra de IOMMI de forma surreal.

Para quem gosta do folclore do rock n ´roll, a estranha capa do disco já havia sido pensada para o então título do álbum- “War Pigs”. Entretanto, segundo WARD, ainda havia necessidade de preenchimento do tempo total do vinil. Foi assim que IOMMI criou um riff de improviso e eles montaram uma música completa em poucos minutos. Essa música inspirou, anos depois, cartazes do punk que mostravam os desenhos dos acordes de E(mi), G(sol) e D(ré)- base da música- e abaixo constava a famosa frase “Agora forme uma banda”. É, essa música é “Paranoid”.

Track list:

1. "War Pigs"
2. "Paranoid"
3. "Planet Caravan"
4. "Iron Man"
5. "Electric Funeral"
6. "Hand of Doom"
7. "Rat Salad"
8. "Fairies Wear Boots"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Paranoid - Black Sabbath

2045 acessosBlack Sabbath: Uma releitura apaixonada de Paranoid3242 acessosBlack Sabbath: em 1971, o clássico Paranoid2963 acessosBlack Sabbath: uma espécie de âncora para o heavy metal5000 acessosNo começo era o riff; E no começo do riff era o Sabbath...5000 acessosBlack Sabbath: A mais duradoura fonte de influencia do Metal5000 acessosTradução - Paranoid - Black Sabbath

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de julho de 2012

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

769 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?153 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1427 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Bill WardBill Ward
A receita para sobreviver no ramo da música

Heavy MetalHeavy Metal
Discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 1

Black SabbathBlack Sabbath
Ian Gillan relembra o clássico "Born Again"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

SkankSkank
Banda foi enganada ao participar de programa da Xuxa

5000 acessosEmos: 23 músicas que já estiveram na sua playlist5000 acessosDave Navarro: conheça a filha atriz pornô do músico5000 acessosAndreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"2185 acessosMetalblade: os 30 melhores lançamentos dos 30 primeiros anos5000 acessosVan Halen: o típico vocabulário da era David Lee Roth5000 acessosStones: alguém gritou "fora Dilma", alguém tomou as dores e começou a discussão

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online