Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Leviathan: Prog Death Metal acessível aos não iniciados

Resenha - Beyond the Gates of Imagination Part I - Leviathan

Por Marcos Garcia
Em 15/07/12

Nota: 9

A Alemanha sempre é vista como uma terra de fortes tradições em termos de Metal, e isso desde o distante início da década de 70, quando o país mostrou ao mundo grandes nomes, o que se repetiu na década de 80, se tornando quase uma nova Meeca para o Metal, fosse qual fosse a subdivisão que o leitor quisesse encontrar. De uns tempos para cá, a Alemanha ficou meio escondida, mas sem nunca parar a produção de boas bandas, e mais uma a se juntar ao time é o quinteto de Bonn, LEVIATHAN, que chega com seu primeiro Full Length, 'Beyond the Gates of Imagination Part I', após seu EP de estreia de 2010, 'From the Desolate Inside'.

A banda trilha os caminhos do Progressive Death Metal, e diferentemente de muitas bandas que tornam o som tão experimental que tende a se tornar incompreensível ou até mesmo enfadonho, a banda faz um trabalho um pouco mais seco, e justamente aí reside a grande virtude da banda, porque seu trabalho fica bem acessível aos não iniciados, logo, tende a alcançar um bom público. E que, por falar nisso, a banda merece.

A banda faz um som que mixa técnica, peso e brutalidade com melodias bem Tradicionais, ou seja, temos ótimos vocais que variam do rasgado ao gutural sem nenhuma dificuldade, grande trabalho de guitarras, que leva o ouvinte a crer que, se Dave Murray e Adrian Smith quisessem tocar Death Metal, soaria assim (mas isso não quer dizer que os rapazes copiem os dois, please!!!), uma dupla baixo-bateria que sabe fazer um trabalho digno de menção, porque ambos não só dão peso à banda, mas ao mesmo tempo, dão ótima variedade de andamentos, e isso sem falar nos teclados bem postados, aparecendo muito bem em algumas intervenções nos momentos certinhos.

A produção sonora é ótima, feita no Big Easy Studio, e nas carrapetas, nada mais, nada menos que o legendário Waldemar Sorychta (que produziu THERION, MOONSPELL, GRIP INC, ENEMY OF THE SUN, entre tantos outros), logo, o resultado não poderia ser outro.

O CD é daqueles que se ouve com um babador por perto, porque a banda é de deixar o ouvinte de queixo caído.
Abrindo, 'Beneath a Blackened Sky', repleta de grandes variações rítmicas, com os vocais e a cozinha fazendo um trabalho muito bom, sendo os riffs muito empolgantes, e encontraremos os mesmos elementos em 'Where Light and Death Unite', onde há a presença de um belo violão flamenco; 'Reaper’s Edict' é mais intensa e climática, usando menos da velocidade, onde encontramos um belo trabalho dos teclados e guitarras bem melodiosas à lá MAIDEN; 'Servants of the Nonexistent', onde o começo é o de uma música Folk tradicional, e se mostra uma música também mais amena e embalada por forte clima denso, com vocais normais bem encaixados aqui e ali, fora ótimos solos de guitarra; 'The Scourge We Wield' já pega um pouquinho mais de velocidade, as com peso e lindas intervenções de vocais femininos, e novamente, as guitarras se destacam bastante e a música empolga; 'About Fangs and Feathers' é uma música focada em grandes quebradas de ritmo e em momentos amenos, onde o baixo aparece bastante, bem como uma condução de primeira da bateria; e 'Sway of the Stars', uma faixa onde agressividade, técnica e melodias se mixam de maneira harmônica, com algumas levadas no 1X1 na bateria, onde o trabalho das guitarras está simplesmente fantástico.


Um ótimo nome, uma grata surpresa, e mais um que irá pintar na lista dos melhores discos do ano de muitos.

Beyond the Gates of Imagination Part I - Leviathan
(2012 - Bret Hard Records - Importado)

Tracklist:

01. Prologue
Act I – Conduct
02. Beneath a Blackened Sky
03. Where Light and Death Unite
04. Reaper’s Edict
Act II – Essence
05. Servants of the Nonexistent
06. The Scourge We Wield
Act III – Ambition
07. About Fangs and Feathers
08. Sway of the Stars

Formação:

Jonas Reisenauer – Guitarras e vocais
Tobias Dahs – Guitarras
Tom Heinz – Baixo
Tobias Parke – Bateria
Fabian Gocht – Teclados

Contatos:

https://www.facebook.com/LeviathanMDM
http://www.myspace.com/leviathanmelodicdeath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.