RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemTodos os rockstars que já recusaram ser condecorados pela rainha Elizabeth II

imagemAxl e o pequeno gesto com Slash comprovando que as tretas do passado ficaram pra trás

imagemMembro do Guns N' Roses vai na Galeria do Rock de SP e compra camiseta oficial

imagemBob Dylan revela como conhecer seu maior ídolo o fez deixar de venerar pessoas

imagemO hit de Cazuza feito durante internação e que seria indireta para affair Ney Matogrosso

imagemGuns N' Roses no Allianz Parque de SP: veja setlist e vídeos da apresentação

imagemA banda que mostrou no Rock in Rio como se faz um show num festival gigantesco

imagemA curiosa origem da rivalidade Sepultura x Sarcófago, segundo Jairo Guedz

imagemCasagrande diz que rock já bateu martelo na história da humanidade, porém...

imagemO dia que Renato Russo colocou companheiro da Legião em saia justa após piti homérico

imagemPink Floyd: Snowy White ensina como evitar o lado "feroz" de Roger Waters

imagemCinco perrengues que todo headbanger já passou em algum show de metal

imagemO motivo pelo qual Pete Townshend disse se arrepender de integrar o The Who

imagemA lição que Bruce Dickinson aprendeu com Pete Townshend sobre abuso de poder

imagemPor que Casagrande precisou de escolta de psicóloga para participar de programa de Gordo?


NFL Steve Harris

Jeff Loomis: Virtuosismo e elegância estilística ímpar

Resenha - Plains of Oblivion - Jeff Loomis

Por Marcos Garcia
Em 03/05/12

Um disco que tenha várias músicas instrumentais, em geral, é taxado como ‘disco para músicos’, uma vez que a ausência de vocais pode causar profundo sentimento de ojeriza em muitos fãs, o que muitas vezes pode refletir uma realidade, já que muitos CDs assim são uma aula de autoindulgência, ou trocando em miúdos, seria como o músico (em geral, guitarrista) disse ‘olhem como toco muito’. Mas outras vezes, o trabalho é algo de sublime, digno de audição e de aplausos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Após sair do NEVERMORE e de um período de quase um ano de silêncio, o guitarrista Jeff Loomis volta a estar em evidência com seu segundo disco solo, recém-lançado pela Century Media Records, chamado ‘Plains of Oblivion’, alvo de nossas atenções nesta resenha.

Com uma lista de convidados de peso, que inclui Ihsahn (preciso dizer por onde ele já passou?) e Christine Rhoades nos vocais, Marty Friedman (ex-MEGADETH e CACOPHONY), Tony MacAlpine (ex-M.A.R.S., PLANET X e outros), Chris Poland (também ex-MEGADETH) e Attila Vörös (ex-NEVERMORE) nas guitarras, e o batera Dirk Verbeuren (SOLIWORK e SCARVE), e mais o ilustre desconhecido Shane Lentz, Jeff encontrou através de uma série de vídeos que Lentz postou no YouTube.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Produzido e mixado por Aaron Smith (7 HORNS 7 EYES), masterizado por Jens Bogren (OPETH, AMON AMARTH), temos uma produção sonora extremamente límpida e audível, sem deixar de ser intensa e pesada, e que também não ressalta o trabalho de Loomis e esconde os convidados do CD. A arte, feita por Colin Marks, também é de bom gosto e bem feita.

O que se poder esperar sonoramente de ‘Plains of Oblivion’?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Um disco que alia virtuosismo (algo óbvio em se tratando de discos desse tipo), uma elegância estilística ímpar nas composições, sabendo alternar entre músicas rápidas e agressivas, como nas instrumentais ‘The Ultimatum’, onde Tony mostra as caras com seu estilo neo-clássico de tocar, em duetos e solos de tirar o fôlego; a mezzo Thrash, Mezzo clássica ‘Escape Velocity’, cheia de variações, onde Jeff mostra o quanto toca, e a pesada ‘Sibylline Origin’. Nas cantadas, ‘Tragedy and Harmony’, a voz forte e bela de Christine se destaca, além do grande trabalho do próprio Jeff, assim como a ótima ‘Surrender’, uma música bem intensa e climática, um pouco soturna, onde o vocal rasgado de Ihsahn mostra sua versatilidade mais uma vez em meio a uma canção que alterna velocidade, melodia e agressividade, e a belíssima ‘Chosen Time’, onde novamente Christine canta em uma faixa não tão veloz, mas cheia de feeling e com muito pegada. Mas todas as músicas do CD são muito boas, e um fator chama a atenção do ouvinte: apesar de ter boa velocidade e técnica, Jeff não é nenhum ‘Pica-Pau rachador’, ou seja, sua técnica flui naturalmente em cada faixa sem precisar ser rápido ou extremamente virtuoso, com solos à velocidade da luz.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em suma: é mais um belo lançamento da Century Media Records, indicado para fãs de grandes guitarristas e fãs de música pesada e bem feita em geral, e que na versão européia tem dois bônus: ‘Collide’ e ‘Reverie for Eternity’, ambas com Christine Rhoades nos vocais.

Plains Of Oblivion – Jeff Loomis
(2012 – Century Media Records – Importado)

Tracklist:
01. Mercurial
02. The Ultimatum
03. Escape Velocity
04. Tragedy and Harmony
05. Requiem for the Living
06. Continuum Drift
07. Surrender
08. Chosen Time
09. Rapture
10. Sibylline Origin

Formação:
Jeff Loomis – Guitarras
Shane Lentz – Baixo
Dirk Verbeuren – Bateria

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Contatos:
http://www.jeffloomis.com
http://www.facebook.com/jeffloomisfans


Outras resenhas de Plains of Oblivion - Jeff Loomis

Resenha - Plains of Oblivion - Jeff Loomis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guitarra: 5 músicos que se destacam nas 7 cordas

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.