Fight: O lado mais pesado e agressivo de Rob Halford

Resenha - War of Words - Fight

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover Music
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Três anos após o lançamento daquele que é um dos álbuns mais idolatrados e pesados do "Judas Priest" - 'Painkiller' (1990) -, o vocalista Rob Halford surpreenderia os fãs e a crítica abandonando a tradicional banda de heavy metal britânica para, pouco depois, anunciar seu mais novo projeto, o "Fight".
1416 acessosRob Halford: participação especial em nova música do In This Moment5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

A proposta desta nova investida musical agregaria elementos diferentes dos apresentados no 'Priest', desde o ínicio Halford alertou à todos. Contudo, apesar dos anúncios e avisos, sobre as diferenças de sonoridade, a agressividade latente das composições de "War of Words" causou surpresa e críticas, no geral, positivas. Na verdade, até o visual mais 'despojado' de Halford e seus asseclas - sem as motocicletas e o couro - surpreendeu. Musicalmente, a abordagem desta nova banda visava músicas diretas, agressivas, groove e riffs pesados, bem pesados.

Na verdade, Halford não pretendia deixar o 'Priest'; porém, esta possibilidade não foi permitida - tanto pela banda quanto pelos empresários -, e a vontade de investir nesse tipo de som era tanta que, após encerrar as turnês de 'Painkiller', o vocalista não pensou duas vezes: mudou-se para o Arizona e fundou o "Fight".


Além de Halford, a banda também contaria com outra peça responsável pela gravação do álbum "Painkiller", o ótimo baterista Scott Travis - entretanto, Travis permaneceu no 'Judas Priest' -; Brian Tilse (guitarra), Russ Parrish (guitarra) e Jay Jay (baixo e backing vocals) completariam a formação responsável por lançar "War of Words".

A audição do álbum já começa de forma violenta com a direta "Into the Pit". Nesta faixa Halford exibe seus tradicionais vocais agudos, porém de uma forma ainda mais agressiva. Sim, é tão 'alto' como ele cantou em sua banda de origem, porém muito mais agressivo! Aliada a alguns riffs mais arrastados, esta faixa de abertura já denuncia a nova faceta de Rob Halford. Todavia, por possuir uma certa velocidade, 'Into the Pit' é uma das canções do disco que mais se remetem os trabalhos do 'Judas Priest'.

Em seguida, a grudenta "Nailed to the Gun" diminui a velocidade, mas o peso permanece. Esta faixa tornou-se uma das mais conhecidas da banda por conta da boa rotatividade de seu clipe na MTV. Sem perder o ritmo, temos em sequência "Life in Black" - detentora de uma das melhores performances vocais do disco e repleta de riffs bem 'sabáticos' - e "Immortal Sin" - outra boa composição que rendeu um bom clipe, porém peca apenas na repetição.

Nesta altura, o ouvinte que esperaria um som próximo ao "Judas Priest" já deve ter começado a estranhar; os riffs são bem mais arrastados e os solos - possuem menos melodia, soam mais caóticos e próximos ao que bandas mais modernas faziam. A propósito, apesar destes não roubarem a cena, estão longe de serem ruins ou desnecessários.

Voltando ao disco, a sua faixa-título é uma das melhores. Em seus quase cinco minutos, consegue aliar peso em riffs cativantes que são incrivelmente sobrepostos pelos vocais de um Rob Halford inspiradíssimo! Destaco também a (incrível) performance de Scott Travis e da dupla de guitarras. Fica mais uma novidade do "Fight": aqui Halford seria o principal e único compositor, escrevendo desde letras - que estão bem mais politizadas e ácidas em relação ao 'Priest'- , até aos riffs de guitarra - que são os responsáveis por guiarem as canções.

A agressividade diminui na faixas seguintes: 'Laid to Rest" é bem soturna, arrastada; 'For All Eternity', embora tenha bastante peso, é uma balada nos moldes do metal tradicional sendo, no geral, a composição que mais remete o 'Priest'; já 'Little Crazy' apresenta elementos bem diferentes - com uso do slide e uma certa pitada de blues -, mas, no geral, é uma boa música. Novamente atento a excessiva repetição de certas faixas - principalmente durante os refrões -, pois o excesso acaba prejudicando a audição de canções.

Depois da 'pausa' apresentada pelas últimas composições, o álbum segue com faixas bem pesadas: em "Contortion" Halford explora bem os vocais médios/graves numa interpretação raivosa. A próxima faixa ("Kill It") aumenta o nível da pancadaria - tendo base em um riff simples, porém pesadíssimo e cativante -, além de apresentar variações bem sacadas - responsáveis por camuflarem a repetição - marca pelo dos excelentes vocais de apoio. O álbum tem seu encerramento com a mediana 'Vicious' seguida da excelente 'Reality, A New Beginning'.

No geral, o álbum cumpre o papel apresentando em sua proposta, além de oferecer um som autêntico. Todavia, o único defeito é a repetição de certas partes e linhas vocais. Enfim, Halford conseguira compor um ótimo disco e, sem saber, lançou o embrião de sua futura carreira solo. Recomendado tanto para quem aprecia o lado mais pesado dos trabalhos de Halford quanto para quem os fãs de thrash/groove metal. Mesmo sem realizar guturais ou similares, Halford conseguiu mostrar que poderia se adaptar. A coragem do músico inglês é digna de aplausos; largar uma banda bem sucedida por querer experimentar é uma atitude para poucos, convenhamos.

Após "War of Words", o grupo lançou o mediano "A Small Deadly Space" (1995) e não obteve a mesma resposta da crítica e do público. O resultado foi o fim das atividades do "Fight". Curiosamente, o 'Judas Priest' - já com 'Tim Ripper Owens' nos vocais - lançaria, no futuro, um disco bem pesado, arrastado e diferente do material antigo tal como Halford queria... Vai entender.

*Em 2008 "War of Words" e "A Small Deadly Space" foram remixados e remasterizados em um box intitulado 'Into the Pit'.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Músicas-chave:
"War of Words" ; "Into the Pit" "Kill It"

Formação:

Rob Halford - vocais
Brian Tilse - guitarra
Russ Parrish - guitarra
Jay Jay - baixo
Scott Travis - bateria

Tracklist:

1. Into the Pit 04:13
2. Nailed to the Gun 03:38
3. Life in Black 04:34
4. Immortal Sin 04:39
5. War of Words 04:29
6. Laid to Rest 04:40
7. For All Eternity 04:42
8. Little Crazy 03:49

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de abril de 2012

MastodonMastodon
Dailor sofreu após Hinds dizer que Judas Priest não é metal

1416 acessosRob Halford: participação especial em nova música do In This Moment549 acessosIn This Moment: cover de Phil Collins e dueto com Rob Halford782 acessosJudas Priest: banda lança jogo oficial "Road To Valhalla"544 acessosJudas Priest: álbum clássico "Sin After Sin" completa 40 anos860 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

Ellen JabourEllen Jabour
Slayer, Metallica, Guns e Judas no Top10 da modelo

SemelhançaSemelhança
Rob Halford, Freddie Mercury e Village People

Judas PriestJudas Priest
Rob Halford conta qual é seu "agudo" favorito

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Fight"0 acessosTodas as matérias sobre "Rob Halford"0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"

MetalMetal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Heavy MetalHeavy Metal
As trinta maiores bandas de países diferentes

Ninguém é perfeitoNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos

5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosMas afinal... o que é rock progressivo?5000 acessosPink Floyd: as brincadeiras e enigmas nas capas dos álbuns5000 acessosMegadeth: Kiko Loureiro explica como as coisas funcionam na banda5000 acessosMad Max: inspiração em Sepultura, semelhança com Devin Townshend5000 acessosBlack Sabbath: Bill Ward não se conforma com o bumbo de Iron Man

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online