Trayce: Agressividade melódica com potencial para público

Resenha - Bittersweet - Trayce

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Certamente muitos dos leitores se lembram do paulistano Ace4Trays, que em 2009 estreou com "Roll The Dice" e no ano seguinte conquistou a vitória na seletiva de São Paulo no Wacken Metal Battle. Apesar da fase promissora, infelizmente a banda enfrentou problemas legais e teve que mudar seu nome pouco antes do lançamento de seu próximo disco. Situação complicada...

Assim sendo, o que era o Ace4Trays deu lugar ao Trayce e o aguardado novo álbum foi batizado como "Bittersweet". E que belo álbum, que já cativa de imediato pelo moderno projeto gráfico, cortesia do próprio baterista Marcelo Campos. E esta aura contemporânea permeia também o repertório, que flerta com nuances do Hardcore e muitas características pela qual o Heavy Metal se ramificou ao longo dos últimos anos.

publicidade

Tendo como conceito a busca do ser humano pelo equilíbrio entre a razão e a emoção, o repertório é composto por canções bem trabalhadas, mas que soam diretas, repletas de distorção e groove, oferecendo ótimas melodias e linhas vocais que oscilam entre as limpas e agressivas, que, guardadas as devidas proporções, até mesmo remetem a Phil Anselmo, do Pantera. E, ao final do dia, fica claro que o Trayce já tem um estilo bem definido.

publicidade

Mesmo evitando se prender a rótulos, não seria de todo equivocado afirmar que "Bittersweet" possui alguma proximidade com o Metalcore, sendo preenchido com ótimas canções como "Look At Yourself", "Made Of Stone" e "Price To Pay", para citar apenas algumas. A produção é de primeira, tendo como homem de frente o eficiente Adair Daufembach (Hangar, Holiness, Project46), cujo áudio está no limiar entre o limpo e o sujo, combinando perfeitamente com a proposta do Trayce.

publicidade

Com lançamento aos cuidados da MS Metal Records, o Trayce possui uma agressividade melódica com potencial para atrair um público bastante amplo, em especial os que não abrem mão da faceta mais moderna do Heavy Metal. Depois de tantos problemas jurídicos, temos um Trayce com um ótimo disco e experiência de sobra para dar a volta por cima e conquistar seu merecido lugar na cena musical. Confiram!

publicidade

Contato:
http://trayceband.com/

Formação:
Diego Prado - voz
Fabrício Modesto - guitarra
Alex Gizzi - guitarra
Palm Rafael Ciano - baixo
Marcelo Campos - bateria

Trayce – Bittersweet
(2011 / MS Metal Records – nacional)

01. Look At Yourself
02. Made Of Stone
03. Land Of Hatred
04. Watching Over
05. Let It Burn
06. See You Tonight
07. Price To Pay
08. F#ck My Hate
09. B.O.Y.H.
10. Falling

publicidade


Outras resenhas de Bittersweet - Trayce

Trayce: Dez torpedos de um Metalcore bem composto

Trayce: uma aula de profissionalismo e bom gosto




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da bandaIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin