Mythological Cold Towers: O álbum mais melódico do grupo

Resenha - Immemorial - Mythological Cold Towers

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


Desde 1994 na cena, os paulistas do Mythological Cold Towers são aquele tipo de banda que jamais irá se preocupar em mudar sua sonoridade para se encaixar em padrões impostos por novas tendências comuns dentro do Metal contemporâneo. Até mesmo porque a banda trabalha com uma divulgação bem recatada, mesmo tendo lançado quatro ótimos álbuns e sendo um dos maiores representantes do Doom/Death Metal no país.

Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposMotorhead: a gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

Desde o debut e clássico álbum "Sphere of Nebaddon (The Dawn of a Dying Tyffereth)", a banda vem lapidando seu som e se mantendo fiel ao Doom Metal com elementos Death sem escorregar uma vez se quer para outras influências. "Immemorial" apesar de seguir os passos de seus antecessores possui algumas mudanças, mas que pouco mexeu nas características da banda. A começar pelo tempo das composições, que foram encurtadas e soam mais diretas. Outro fator importante a ser observado e que não há como negar, é que "Immemorial" é o álbum mais melódico do Mythological e "Lost To Path To Ma Noa" abre o disco de forma melancólica, dando as cartas e comprovando isso. Aliás, a faixa é um dos destaques do trabalho.

"Akakor" segue com a melodia, mas mostrando o lado mais épico que a banda vem adotando desde "The Vanish Patheon" (2005) que antecede este disco. Os solos de guitarra acompanhando as bases ficaram muito bons, assim como a cama de teclado que envolve a música.

"The Shrines of Ibez", mesmo com melodia, possui pouca variação e é uma das composições que mais se aproxima do primeiro trabalho da banda. A faixa título fecha o disco com chave de ouro, soando triste e viajante, como o estilo pede. O clima denso, obscuro e épico das composições continuam intactos e, aliados ao amadurecimento e a boa produção do disco, comprovam que o Mythological chegou ao seu ápice e só terá que se preocupar em se manter em alto nível.

"Immemorial" é o melhor disco da carreira da banda, sem dúvidas!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Mythological Cold Towers"


Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em NurembergMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

Primórdios: O Rock Brasileiro da década de 50Primórdios
O Rock Brasileiro da década de 50

Bateristas: os trinta mais ricos do mundoBateristas
Os trinta mais ricos do mundo

Pattie Boyd: o infernal triângulo com Harrison e ClaptonPattie Boyd
O infernal triângulo com Harrison e Clapton

Dream Theater: a história por trás da música Pull Me UnderDream Theater
A história por trás da música "Pull Me Under"

Iron Maiden: o último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998Iron Maiden
O último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adClioIL