Metallica & Lou Reed: Um pouco dos dois com algo diferente

Resenha - Lulu - Metallica & Lou Reed

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Barcellos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Incógnita. É o que a maioria de nós esperou de um inusitado encontro de Lou Reed e Metallica. Seria como, para nós brasileiros, um projeto do Krisiun com o Sérgio Reis(?!?).
420 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta5000 acessosAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance

Muito falatório, muita especulação, muita ansiedade e muito, mas muito pessimismo. O Metallica não está nem aí para o que eu, você, seu irmão ou seu vizinho achamos deles. Aprendam a viver com isso.

Como fã incondicional do quarteto americano, eu talvez não fosse a pessoa mais indicada para resenhar esse trabalho.
Mas resolvi fazê-lo, porque aqui não temos um disco do Metallica e ponto.

O álbum é 90% Lou Reed, e 10% Metallica. E não é aquele Metallica dos 3 primeiros CDs, sequer este que gravou o Death Magnetic. É um Metallica diferente de tudo, sem a menor preocupação de como deveriam soar, do que deveriam fazer. Apenas ligaram o record, deixaram as letras pesadas e densas do trabalho guiarem e começaram a tocar, logo não se pode esperar um grande apuro musical, mas muito feeling.

Não adianta, se você é daqueles fãs que pararam no Master ou Justice, nem termine de ler esta resenha, fuja deste álbum o mais rápido possível e ignore-o.

Dispa-se de todo e qualquer preconceito, ouça o álbum do início ao fim umas 3 ou 4 vezes, esqueça que é o Metallica que gravou One, Master of Puppets, Damage Inc. ou Fight fire with fire (coisa que estamos acostumados a fazer nos últimos 20 anos).

As músicas são longas, densas, um pouco repetitivas (instrumentalmente falando), e realmente de um gosto difícil e apurado. Reed meio que declama as músicas com sua voz grave, cantando de fato apenas pequenos trechos (algo meio Zé Ramalho, manja?). Já nas pouquíssimas partes aonde James canta vemos um vocal bem mais agressivo que os usados no último CD da banda e com ótimas doses de interpretação, mas o instrumental lembra outras canções do Metallica. Basta uma ouvida com atenção e vocês identificarão similaridades de determinados trechos, como por exemplo o final de "Mistress Dread" que é idêntico ao de "Disposable Heroes".

O foda é o que vai ter de gente pagando uma de intelectualóide e cult dizendo que este CD é uma obra-prima e tal mesmo sem ter curtido (ou nem mesmo entendido) a porra do CD.

Resumindo, meus amigos: Não é Metallica, não é Lou Reed, é um pouco dos dois mas com algo completamente diferente. Eu mesmo não sei dizer ainda se curti ou não, preciso ouvir mais vezes... Dou a nota que dou pela ousadia, pela produção e principalmente pela tentativa de algo novo, coisa praticamente esquecida pelos artistas da atualidade.

Tracklist:

"Brandenburg Gate" – 4:19
"The View" – 5:17
"Pumping Blood" – 7:24
"Mistress Dread" – 6:52
"Iced Honey" – 4:36
"Cheat on Me" – 11:26
"Frustration" – 8:33
"Little Dog" – 8:01
"Dragon" – 11:08
"Junior Dad" – 19:28

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
James explica como ele cria os títulos das músicas

420 acessosMetallica: Cartazes edição limitada serão vendidos nessa quinta1258 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

System of a DownSystem of a Down
E se Lars Ulrich fosse o baterista do "Aerials"?

MetallicaMetallica
James Hetfield elege suas bandas de Thrash favoritas

MetallicaMetallica
Banda se atrapalha ao ensaiar "Spit Out The Bone"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Lou Reed"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Axl RoseAxl Rose
Um dos vocalistas com maior alcance

MetalMetal
As bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads

Marc Ferr?Marc Ferr?
A música "Wasting Love", do Iron Maiden, é um Plágio?

5000 acessosJim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse5000 acessosAxl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava5000 acessosLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge4622 acessosSlipknot: dificuldades em gravar um disco sem Paul Gray4716 acessosIron Maiden: Ed Force One atrapalhando o trânsito de Fort Lauderdale5000 acessosSeparados no nascimento: Paul Stanley e Ioná Magalhães

Sobre Thiago Barcellos

Analista de TI, músico multi-instrumentista e ainda compra CDs das suas bandas favoritas até hoje.

Mais matérias de Thiago Barcellos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online