Ghost: Um disco delicioso, no qual vale a pena apostar

Resenha - Opus Eponymous - Ghost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Este é um movimento-padrão que acontece vez por outra em praticamente todos os subgêneros do rock. Quando a música acaba ficando repleta de experimentalismos e invencionices, talvez um tanto dependente demais de determinados subterfúgios, surge uma banda cuja sacada genial é justamente apostar no básico, numa abordagem inteligente da simplicidade que deu origem ao gênero, no feijão com arroz bem feito e que dá gosto de saborear.
1351 acessosGhost: Hetfield é gente como a gente e vai para galera em show5000 acessosMetallica: garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TV

O caso mais recente é dos suecos do Ghost, verdadeira sensação na cena metálica mundial. Não é à toa que James Hetfield (Metallica) e Tomi Joutsen (Amorphis), entre outros, andam circulando por aí com camisetas da banda, dizendo-se abertamente fãs de seu trabalho. O que o Ghost faz é um heavy metal clássico, com ares setentistas. Mas o faz tão bem, de maneira tão natural e orgânica, que acaba conquistando os bangers (principalmente, aqueles das antigas) logo na primeira audição.

Há quem goste de comparar o Ghost a outra banda-fenômeno relativamente recente, os finlandeses do Lordi. As semelhanças param na teatralidade e no mistério em torno de quem são seus integrantes mascarados, além da vontade de buscar referências diretas em clássicos do passado. Enquanto o Lordi dialoga diretamente com a estética dos filmes de terror B e com as performances de Alice Cooper e do Kiss, gerando um hard ‘n heavy divertido e festivo, o Ghost bebe na fonte de nomes como Mercyful Fate e Blue Oyster Cult. Liderada por uma espécie de líder religioso das trevas, o Papa Emeritus I, a banda faz um som climático e soturno, que ecoa um quê de Black Sabbath da era Ozzy, sempre com letras de teor satânico, de evocação e celebração a Lúcifer e suas hordas infernais. John Milton ficaria orgulhoso.

Dentre muitas teorias sobre quem se esconde por baixo das vestes de Emeritus, a mais forte aposta no cantor Tobias Forge, frontman da banda sueca de death metal Repugnant. Se este for mesmo o caso, o que ele faz cantando à frente do Ghost é muitíssimo diferente. O tema pode ser diabólico, mas o som está longe de ser um black metal extremo e berrado, de maneira gutural. Emeritus é uma figura sombria, mas que interpreta suas canções de maneira bastante melódica e limpa, com ares quase sussurrados. Isso não quer dizer que o som do Ghost não seja pesado, é preciso ressaltar. Mas é peso das antigas.

Depois do teclado religioso que abre o disco na introdução instrumental “Deus Culpa”, o baixo encorpado que inicia a faixa “Com Clave Dio” já é a senha para o que deve se seguir ao longo das nove canções que compõem “Opus Eponymous”. Um verdadeiro desfile de riffs e refrãos contagiantes, para ninguém botar defeito. Que o diga o dueto formado pela grudenta “Ritual” e pela tétrica “Elizabeth” (que, em dado momento, pela sutileza dos vocais, quase se torna uma balada), composições que formam o verdadeiro coração do álbum. Mas é claro que as qualidades deste debut do Ghost vão muito além, desde a quase lisérgica “Prime Mover” à ‘sabbathica’ “Satan Prayer”, na qual é claramente possível imaginar Emeritus cantando ao lado de Ozzy Osbourne e com Tony Iommi sentando a mão na guitarra.

“Opus Eponymous” é um disco delicioso, no qual vale a pena apostar. E que o cramulhão permita que estes malucos do Ghost continuem na atividade por um bom tempo. Amém.

Line-up:
Papa Emeritus I – Voz
Nameless Ghoul 1 – Guitarra
Nameless Ghoul 2 – Guitarra
Nameless Ghoul 3 – Baixo
Nameless Ghoul 4 – Teclado
Nameless Ghoul 5 – Bateria

Tracklist:
1. Deus Culpa
2. Con Clave Dio
3. Ritual
4. Elizabeth
5. Stand By Him
6. Satan Prayer
7. Death Knell
8. Prime Mover
9. Genesis

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Opus Eponymous - Ghost

5000 acessosGhost: "Opus..." é um novo clássico do Metal3106 acessosGhost: Por trás da tratralidade, música muito interessante2802 acessosGhost: Odes ao cramulhão repletas de climas sinistros4048 acessosGhost: Espécie de filho bastardo de Alice Cooper e do Kiss2631 acessosGhost: Teatro e rock and roll têm tudo a ver5000 acessosGhost: Banda misteriosa lança o clássico de uma geração

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

GhostGhost
James Hetfield curte show da banda no meio da galera

1351 acessosGhost: Hetfield é gente como a gente e vai para galera em show0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ghost"

GhostGhost
Se tivesse surgido em 1967 não existiria o Black Sabbath

MetallicaMetallica
Lars Ulrich pede bênção ao papa em encontro casual

GhostGhost
Seriam eles na verdade o Molejo disfarçado?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ghost"

MetallicaMetallica
Garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TV

Ratos de PorãoRatos de Porão
O elogio de João Gordo aos garotos do Restart

NirvanaNirvana
Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain

5000 acessosComo formar uma banda de Hard Rock em 69 lições5000 acessosMetal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero5000 acessosThe Wall - Uma obra de arte conceitual5000 acessosGrave Digger: Ozzy foi a pior performance que vi na minha vida5000 acessosHeavy Metal: os 11 melhores álbuns da década de 705000 acessosAC/DC: vocalista original diz que fãs apoiariam seu retorno

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online