Ghost: Banda misteriosa lança o clássico de uma geração

Resenha - Opus Eponymous - Ghost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maicon Leite
Enviar Correções  

10


De vez em quando surgem bandas que você acaba se apaixonando e ouve sem parar, mesmo sabendo que o que eles fazem não é algo totalmente original ou revolucionário, mas te deixam embasbacado e te hipnotiza de tal forma tornando-se algo obrigatório, praticamente um ritual a cada audição do álbum.

Ghost: novo boneco do Papa Nihil é lançado (e está bem descolado)

Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A sinistra banda sueca Ghost e seu já aclamado "Opus Eponymous" estão fazendo um rebuliço ao redor do mundo, já que teoricamente seus membros são desconhecidos, tanto que não consta nem o nome deles em qualquer material de divulgação, além é claro, do visual produzido, que fica impossivel saber de quem se trata, o vocalista, por exemplo, se veste como uma espécie de papa satânico (o que não deixa de ser verdade?). Más línguas afirmam que o pessoal do Candlemass e Repugnant está por trás de tudo, o que ainda não está confirmado.

Independente disso, ouvir "Opus Eponymous" te transporta para um mundo paralelo, envolto em Hard Rock, Heavy Metal, Doom Metal e muita psicodelia, com altas influências dos anos 70, além de doses bem fortes de satanismo em suas letras. "Deus Culpa" abre o trabalho ao som de um órgão, já deixando o clima bem pesado para "Con Clavi Con Dio", que inicia com o baixo na cara e velocidade e peso absurdo. A seguir, dois grandes clássicos do álbum: "Ritual" e "Elisabeth".

Impossivel não sentir algo escutando estas duas faixas, mostrando que o Metal ainda tem salvação... O refrão de "Ritual" gruda na sua cabeça de tal forma que se torna impossivel esquecê-la, ao passo que "Elisabeth", influenciada diretamente por Mercyful Fate, fala sobre a Condessa Elisabeth Bathory. O andamento da música é hipnótico, com riffs "circulares" e muito peso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Há ainda outras faixas que não podem deixar de ser citadas, como "Satan Prayer", "Prime Mover" e "Genesis", que carregam todos os elementos para fazer de "Opus Eponymous" um clássico da nossa geração.

01.Deus Culpa
02.Con Clavi Con Dio
03.Ritual
04.Elizabeth
05.Stand by Him
06.Satan Prayer
07.Death Knell
08.Prime Mover
09.Genesis

Gravadora: Rise Above Records


Outras resenhas de Opus Eponymous - Ghost

Ghost: "Opus..." é um novo clássico do Metal

Ghost: Por trás da tratralidade, música muito interessante

Ghost: Odes ao cramulhão repletas de climas sinistros

Ghost: Um disco delicioso, no qual vale a pena apostar

Ghost: Espécie de filho bastardo de Alice Cooper e do Kiss

Ghost: Teatro e rock and roll têm tudo a ver


Cli336x280 CliIL Cli336x280