Ghost: Banda misteriosa lança o clássico de uma geração

Resenha - Opus Eponymous - Ghost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maicon Leite
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De vez em quando surgem bandas que você acaba se apaixonando e ouve sem parar, mesmo sabendo que o que eles fazem não é algo totalmente original ou revolucionário, mas te deixam embasbacado e te hipnotiza de tal forma tornando-se algo obrigatório, praticamente um ritual a cada audição do álbum.
3033 acessosIron Maiden: show do Ghost é melhor, diz reportagem5000 acessosEnquete: Os 10 melhores shows do Rock In Rio 2015

A sinistra banda sueca Ghost e seu já aclamado “Opus Eponymous” estão fazendo um rebuliço ao redor do mundo, já que teoricamente seus membros são desconhecidos, tanto que não consta nem o nome deles em qualquer material de divulgação, além é claro, do visual produzido, que fica impossivel saber de quem se trata, o vocalista, por exemplo, se veste como uma espécie de papa satânico (o que não deixa de ser verdade?). Más línguas afirmam que o pessoal do Candlemass e Repugnant está por trás de tudo, o que ainda não está confirmado.

Independente disso, ouvir “Opus Eponymous” te transporta para um mundo paralelo, envolto em Hard Rock, Heavy Metal, Doom Metal e muita psicodelia, com altas influências dos anos 70, além de doses bem fortes de satanismo em suas letras. “Deus Culpa” abre o trabalho ao som de um órgão, já deixando o clima bem pesado para “Con Clavi Con Dio”, que inicia com o baixo na cara e velocidade e peso absurdo. A seguir, dois grandes clássicos do álbum: “Ritual” e “Elisabeth”.

Impossivel não sentir algo escutando estas duas faixas, mostrando que o Metal ainda tem salvação... O refrão de “Ritual” gruda na sua cabeça de tal forma que se torna impossivel esquecê-la, ao passo que “Elisabeth”, influenciada diretamente por Mercyful Fate, fala sobre a Condessa Elisabeth Bathory. O andamento da música é hipnótico, com riffs “circulares” e muito peso.

Há ainda outras faixas que não podem deixar de ser citadas, como “Satan Prayer”, “Prime Mover” e “Genesis”, que carregam todos os elementos para fazer de “Opus Eponymous” um clássico da nossa geração.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

01.Deus Culpa
02.Con Clavi Con Dio
03.Ritual
04.Elizabeth
05.Stand by Him
06.Satan Prayer
07.Death Knell
08.Prime Mover
09.Genesis

Gravadora: Rise Above Records

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Opus Eponymous - Ghost

5000 acessosGhost: "Opus..." é um novo clássico do Metal3103 acessosGhost: Por trás da tratralidade, música muito interessante2801 acessosGhost: Odes ao cramulhão repletas de climas sinistros3887 acessosGhost: Um disco delicioso, no qual vale a pena apostar4046 acessosGhost: Espécie de filho bastardo de Alice Cooper e do Kiss2629 acessosGhost: Teatro e rock and roll têm tudo a ver

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ghost"

GhostGhost
Qual a identidade secreta de Papa Emeritus?

NoiseCreepNoiseCreep
Os 10 frontmen mais teatrais do rock

GhostGhost
Sobre o que fala a música "Elizabeth"?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ghost"

EnqueteEnquete
Os 10 melhores shows do Rock In Rio 2015

Dinho Ouro PretoDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Yngwie Malmsteen muito antes da fama

5000 acessosEm cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedoras5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?5000 acessosLuís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"5000 acessosDave Mustaine: "Minha vida não se resume somente a brigas"5000 acessosHeavy Metal: as 10 melhores bandas da era moderna5000 acessosOutro Chris Cornell subiu ao palco em Detroit anteontem e precisamos falar sobre isso

Sobre Maicon Leite

Maicon Leite é assessor de imprensa na Wargods Press, colaborador na revista Roadie Crew e um dos autores do livro Tá no Sangue! - A História do Rock Pesado Gaúcho, dentre outros projetos e publicações.

Mais matérias de Maicon Leite no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online