Necrobiotic: Death/splatter cru, ríspido e direto

Resenha - Alive and Rotting - Necrobiotic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8


Banda mineira fundada em 1994, lançou uma demo em 1997 e encerrou suas atividades no ano seguinte. Entretanto, voltaram à ativa em 2009 e gravaram esse material aqui, o primeiro full-length, em 2010.

Sepultura: saiba mais sobre as visões religiosas de DerrickKing Diamond: O que significa ser Satanista?

Antes mesmo de colocar o CD para rolar, já se percebe o cuidado que o grupo teve na apresentação do disco. É um lindo e cuidado trabalho gráfico, realmente de dar orgulho, com cores que combinam muito bem entre si, e detalhes que enriquecem a montagem da (doentia) capa e encarte. Ótimas impressões iniciais.

Assim que dei o play, o primeiro pensamento que me veio à mente foi "Carcass". Tudo devido ao timbre de guitarras, que remete muito à banda de Jeff Walker e cia, da época do "Symphony of Sickness". Mas as coincidências param por aí.

A Necrobiotic aposta em um death/splatter cru, ríspido e direto, menos criativo do que a lenda inglesa do death/grind/splatter mundial. Um som para quem gosta mesmo daquela sujeira tradicional dos gêneros e nada mais.

A melhor do CD é "Viruses of Your Sickness", bastante intensa e brutal. Mas outros sons também têm lá seus méritos, como "Never Will" e a boa "Sweet Slow Death".

Uma coisa bacana das músicas são os solos que, embora um tanto primitivos, surgem de maneira surpreendente e dão mais vida às composições. O restante do instrumental é básico, com vocais dobrados que também empolgam o ouvinte.

As letras abordam temas de praxe como mutilações, loucuras, estupro, doenças, epidemias, fim da humanidade e também encontram espaço para deixar seu protesto contra religiões.

O momento delicado fica por conta da qualidade da gravação, crua e sem peso. O disco ficou meio sem punch. Mas se o ouvinte relevar esse fato, estará diante de um trabalho típico do death/splatter, sem ousadias ou momentos de complexidade nas composições.

É essa a sua praia? Então, corra para arrumar o seu "Alive and Rotting", que pode ser encontrado na Mutilation, na Rotten Foetus e na Cogumelo, para citar algumas. Uma banda que merece ser conferida.

Songs for Satan - 2011 - Brasil
http://www.myspace.com/necrobioticdeathmetal

Tracklist
1. Into Necrobiotic
2. Foie Gras
3. Shame
4. Metal Hell
5. Alive and Rotting
6. Calamitous Epidemic
7. Viruses of Your Sicknness
8. Never Will
9. Sweet Slow Death
10. Regn of Him


Outras resenhas de Alive and Rotting - Necrobiotic

Necrobiotic: Death Metal poderoso, cru e rápido


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Necrobiotic"


Sepultura: saiba mais sobre as visões religiosas de DerrickSepultura
Saiba mais sobre as visões religiosas de Derrick

King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin