Necrobiotic: Death/splatter cru, ríspido e direto

Resenha - Alive and Rotting - Necrobiotic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Banda mineira fundada em 1994, lançou uma demo em 1997 e encerrou suas atividades no ano seguinte. Entretanto, voltaram à ativa em 2009 e gravaram esse material aqui, o primeiro full-length, em 2010.
5000 acessosOzzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbação5000 acessosKiss x Secos & Molhados: o fim da polêmica

Antes mesmo de colocar o CD para rolar, já se percebe o cuidado que o grupo teve na apresentação do disco. É um lindo e cuidado trabalho gráfico, realmente de dar orgulho, com cores que combinam muito bem entre si, e detalhes que enriquecem a montagem da (doentia) capa e encarte. Ótimas impressões iniciais.

Assim que dei o play, o primeiro pensamento que me veio à mente foi “Carcass”. Tudo devido ao timbre de guitarras, que remete muito à banda de Jeff Walker e cia, da época do “Symphony of Sickness”. Mas as coincidências param por aí.

A Necrobiotic aposta em um death/splatter cru, ríspido e direto, menos criativo do que a lenda inglesa do death/grind/splatter mundial. Um som para quem gosta mesmo daquela sujeira tradicional dos gêneros e nada mais.

A melhor do CD é “Viruses of Your Sickness”, bastante intensa e brutal. Mas outros sons também têm lá seus méritos, como “Never Will” e a boa “Sweet Slow Death”.

Uma coisa bacana das músicas são os solos que, embora um tanto primitivos, surgem de maneira surpreendente e dão mais vida às composições. O restante do instrumental é básico, com vocais dobrados que também empolgam o ouvinte.

As letras abordam temas de praxe como mutilações, loucuras, estupro, doenças, epidemias, fim da humanidade e também encontram espaço para deixar seu protesto contra religiões.

O momento delicado fica por conta da qualidade da gravação, crua e sem peso. O disco ficou meio sem punch. Mas se o ouvinte relevar esse fato, estará diante de um trabalho típico do death/splatter, sem ousadias ou momentos de complexidade nas composições.

É essa a sua praia? Então, corra para arrumar o seu “Alive and Rotting”, que pode ser encontrado na Mutilation, na Rotten Foetus e na Cogumelo, para citar algumas. Uma banda que merece ser conferida.

Songs for Satan – 2011 – Brasil
http://www.myspace.com/necrobioticdeathmetal

Tracklist
1. Into Necrobiotic
2. Foie Gras
3. Shame
4. Metal Hell
5. Alive and Rotting
6. Calamitous Epidemic
7. Viruses of Your Sicknness
8. Never Will
9. Sweet Slow Death
10. Regn of Him

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Alive and Rotting - Necrobiotic

559 acessosNecrobiotic: Death Metal poderoso, cru e rápido

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Necrobiotic"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Necrobiotic"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá conselhos sobre masturbação

MaquiagensMaquiagens
O fim da polêmica Kiss x Secos & Molhados

MetallicaMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

5000 acessosSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME5000 acessosLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?5000 acessosSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara5000 acessosWhen Gabriel lies down on Genesis5000 acessosAngra: poster antigo de um dos primeiros shows da banda5000 acessosAutismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismo

Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online