Necrobiotic: Death Metal poderoso, cru e rápido

Resenha - Alive and Rotting - Necrobiotic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes
Enviar correções  |  Ver Acessos


O NECROBIOTIC é uma banda mineira formada na primeira metade da década de 90. Em fevereiro de 97 gravam uma demo intitulada Carnal Suffering of the War e, em 98, interrompem suas atividades. Felizmente, para a grande alegria dos amantes do som pesado, retornam em 2009 e algum tempo depois nos presenteiam com Alive and Rotting, seu primeiro trabalho.

Necrobiotic: disponível novo álbum Symphonies for the Mentally DeceasedBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?

Com quase 35 minutos de duração, o álbum é extremo do início ao fim. Trata-se de um Death Metal poderoso, cru, rápido e com algumas variações de ritmo. O que mais se destaca são os solos de guitarra, mas os riffs são também muito interessantes e, apesar de estarmos falando de bandas completamente diferentes, em alguns momentos estes riffs chegaram a me lembrar de algo que já foi feito pelo DESTRUCTION no excelente Eternal Devastation. Muito possivelmente pela velocidade e, principalmente, pelo timbre das guitarras.

Algumas músicas se evidenciam bastante: "Shame" começa com uma introdução com trechos de missa e cultos religiosos para, logo em seguida, dar lugar à porradaria, além de apresentar um solo em que a guitarra literalmente chora; "Alive and Rotting" tem riffs cadenciados, lembrando bastante a sonoridade dos grupos de Thrash Metal; "Viruses of Your Sickeness" começa com uma bateria mais seca e logo engata com uma velocidade extrema e um solo que é curto, mas muito bom; "Never Will" tem os segundos iniciais lentos, apenas para enganar o ouvinte, mas logo depois segue vigorosa e mantém a intensidade sonora que a banda pratica.

Infelizmente, mesmo com ótimas músicas, Alive and Rotting carece de uma produção mais bem trabalhada. Em alguns momentos o som é até um pouco abafado e o peso da banda fica prejudicado demais. Isso certamente nos faz constatar que o NECROBIOTIC é ainda melhor do que aqui podemos constatar.

A banda assinou com o selo No Label Records. Desta forma, em 2012, Alive and Rotting será lançado na Indonésia e também será distribuído mundialmente. Sem dúvida alguma um grande passo para estes mineiros. Trabalho fundamental para amantes do gênero. Confira urgente.

Banda: Necrobiotic
País de Origem: Brasil
Título do álbum: Alive and Rotting
Ano: 2011
Estilo: Death Metal
Gravadora: Songs for Satan

Line-up:

F.A.C.O. - Vocal/Guitarra
Alexandre - Vocal/Baixo
J. Hell - Guitarra
Broka - Bateria

Faixas:

1. Into Necrobiotic
2. Foie Gras
3. Shame
4. Metal Hell
5. Alive and Rotting
6. Calamitous Epidemic
7. Viruses of Your Sickeness
8. Never Will
9. Sweet Slow Death
10. Reign of Him

Sites:

http://www.myspace.com/necrobioticdeathmetal
http://www.facebook.com/pages/Necrobiotic/167358329988917


Outras resenhas de Alive and Rotting - Necrobiotic

Necrobiotic: Death/splatter cru, ríspido e direto



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Necrobiotic"


Necrobiotic: disponível novo álbum Symphonies for the Mentally Deceased

Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?Bandas
Por que ninguém está indo a seus shows?

O amor: 10 músicas para roqueiros apaixonadosO amor
10 músicas para roqueiros apaixonados

Vocalistas: cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy MetalVocalistas
Cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy Metal

Slayer: Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merdaSlayer
Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merda

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Esperando por Axl: A odisseia de Eddie TrunkEsperando por Axl
A odisseia de Eddie Trunk

Marty Friedman: Eu odeio profundamente ser chamado de fritadorMarty Friedman
Eu odeio profundamente ser chamado de fritador


Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.