Matérias Mais Lidas

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO dia que Cazuza pagou justo esporro para Sandra de Sá ao ver atitude da cantora em festa

imagemFãs não perdoam e reclamam da bateria de Lars Ulrich em novo single do Metallica

imagemMotörhead lança a música inédita "Bullet In Your Brain"; ouça aqui

imagemO clássico do Rock Brasileiro com erro gramatical que foi parar em curso pré-vestibular

imagemMetallica: e se "Lux Aeterna" estivesse no "... And Justice For All"?

imagemCinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

imagemTim Ripper Owens diz que nunca voltaria ao Iced Earth

imagemTitãs e o integrante que era visto como um líder mas saiu por estar em outra

imagemCharlie Benante não sabia de tour do Metallica com o Pantera

imagemO álbum clássico do Rush que Rafael Bittencourt não gostava nada

imagemA importância da ex-esposa de James Hetfield em sua luta contra o alcoolismo

imagemBandas de rock que lançaram poucos discos, mas continuam fazendo muito sucesso

imagemO motivo pelo qual Steven Tyler disse que "daria na cara" de Elvis Presley

imagemKirk Hammett sobre o Metallica: "Masculinidade tóxica alimentou essa banda"


Samael Hypocrisy
Stamp

Lock Up: Grindcore levado ao limite da brutalidade

Resenha - Necropolis Transparent - Lock Up

Por Christiano K.O.D.A.
Fonte: Som Extremo
Postado em 31 de julho de 2011

Nota: 10

Depois de quase uma década, vem o tão aguardado novo trabalho de inéditas do Lock Up, talvez uma das únicas bandas do mundo que tem tanto prestígio e importância quanto o grandioso Terrorizer. Não é para menos. Para começar, o saudoso Jesse Pintado, fazia parte de ambos os conjuntos. E ambos levam seu grindcore ao limite da brutalidade.

Em seu terceiro álbum de estúdio, esse dream team formado por Nick Barker (bateria), Shane Embury (baixo), Tomas Lindberg (vocal) e Anton Reisenegger (guitarra) mais uma vez arregaça crânios com o mais violento esporro sonoro.

São 17 músicas calcadas na pura velocidade e peso, diretas e bestiais. Os vocais de Lindberg, que também está à frente do At the Gates, é gritado e potente. Assim como em "Hate Breeds Suffering", combinou com o espírito do grupo. Mas nesse play, ele parece muito mais raivoso. Nick Barker vive demolindo seu kit de bateria, como querendo dizer "lentidão é para os fracos!". Shane Embury (Napalm Death), outra lenda do underground, toca velozmente seu distorcido baixo, característica do músico que, entre os inúmeros projetos, também faz parte do Brujeria. E coube ao desconhecido Anton Reisenegger a difícil tarefa de substituir Pintado, um dos mais carismáticos músicos da cena em questão. Só que cara não fez feio não! Manteve o clima dos velhos tempos do conjunto.

Como se não bastasse tanta experiência e técnica, a Lock Up conta ainda com participações especialíssimas de outros mitos da música pesada - Peter Tägtgren (Hypocrisy – ex-vocalista da própria Lock Up) e Jeff Walker (Carcass). Se alguém ainda tinha dúvidas do poderio de "Necropolis Transparent", considere-as sanadas.

Aqui, como já era de se esperar, não há músicas que se destaquem. Todas possuem o mesmo peso e insanidade, totalizando mais de 40 minutos de terror. Produção perfeita, capa linda, qualidade mais que garantida. A Lock Up não mudou em absolutamente nada sua forma de executar grindcore. E nisso, eles são únicos. O álbum pode ser considerado uma extensão dos discos anteriores. Uma analogia válida aqui: são os Ramones do grind. Não tenho dúvidas de que esse estará entre os mais votados de melhores de 2011. E aí, grandes selos/gravadoras nacionais, quem lançará a versão nacional do CD?

Lock Up – Necropolis Transparent
Nuclear Blast – 2011 – Reino Unido
http://www.myspace.com/lockup

Tracklist
1. Brethren of the Pentagram
2. Accelerated Mutation
3. The Embodiment of Paradox and Chaos
4. Necropolis Transparent
5. Parasite Drama
6. Anvil of Flesh
7. Rage Incarnate Reborn
8. Unseen Enemy
9. Stygian Reverberations
10. Life of Devastation
11. Roar of a Thousand Throats
12. Infiltrate and Destroy
13. Discharge the Fear
14. Vomiting Evil
15. Stigmatyr (Bonustrack)
16. Through the Eyes of My Shadow Self
17. Tartarus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

AC/DC: A origem do nome da banda


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A..