CellOut: Esforçado, mas nem perto de atingir a sua proposta

Resenha - Superstar Prototype - CellOut

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Embora tenha sido um movimento de muito sucesso na década passada, o new metal não resistiu ao tempo e são poucas as bandas que restaram no cenário da música. O gênero, que revelou os seus principais expoentes nos Estados Unidos, viajou o mundo e serviu de inspiração até mesmo para os mais improváveis países europeus. No entanto, os suecos do CELLOUT não mostram a mesma competência dos norte-americanos e o álbum “Superstar Prototype” está muito distante de ser considerado uma obra verdadeiramente de impacto.
5000 acessosMotorhead: Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"5000 acessosGuns N' Roses: os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnR

Em atividade desde 2004, o CELLOUT tinha tudo para movimentar o cenário underground sueco com o seu primeiro álbum, que contou inclusive com a mixagem do renomado – e indicado ao Grammy – Ulrich Wild (PANTERA e DEFTONES). Entretanto, a ausência de composições nitidamente criativas em “Superstar Prototype” compromete demasiadamente o resultado do disco, que saiu na Europa via Nuerra Records. Percy Mejhagen (vocal e guitarra), Robert Monegrim (guitarra), Anders Sevebo (baixo) e Thomas Ohlsson (bateria) não propuseram absolutamente nada de novo para um gênero saturado e que já viu a ascensão e a queda de inúmeras bandas similares ao redor do mundo. De qualquer forma, o esforço do grupo para criar uma sonoridade própria é nítido, mas o repertório não chega nem perto de atingir a sua proposta.

Não há dúvidas de que o fator que compromete “Superstar Prototype” é a insistência do quarteto sueco em dar à sua música uma sonoridade claramente comercial. A faixa de abertura do álbum, intitulada “Dark Days”, poderia ser uma composição de destaque se não fosse o acento pop do seu refrão. As guitarras, que consistem a característica mais marcante do CELLOUT, aparecem bem em “All My Demons Inside”. A composição, que surge como o primeiro destaque da obra, possui uma aproximação mais clara ao metal alternativo de nomes como MACHINE HEAD, mas não desconsidera o quê comercial da sua antecessora. Para os fãs mais exigentes, essa preocupação do CELLOUT em agradar a todos é um obstáculo que o quarteto não supera em “Superstar Prototype”.

Na sequência, “The Gift” e “Flooded” exageram na sua pegada melódica/melancólica, mais ou menos em uma vertente que o LINKIN PARK vem abordando desde o início da sua carreira. Embora não possam ser rotuladas como músicas desprezíveis, a proposta do CELLOUT apenas não possui impacto suficiente para se sobressair às demais bandas do gênero. As músicas de “Superstar Prototype” soam muito bem – como a agressiva “Set Things Straight” – mas a escolha por elementos mais comerciais não caem com naturalidade, sobretudo para os fãs que já cansaram dessa repetição sonora e exaustiva. De qualquer modo, “Breathe” assume a dianteira com uma dose maior de agressividade e pode ser apontada como um verdadeiro destaque do álbum.

O restante de “Superstar Prototype” não deve impressionar ninguém. As músicas, que são diretas e não ultrapassam a média de quatro minutos, repetem as mesmas características do início da obra. Com uma cara típica do new metal americano, “Fake” soa melhor do que as faixas que a envolvem o encerramento do disco.

Em mais de quarenta minutos, o quarteto sueco não conseguiu proporcionar aos headbangers um disco interessante de new metal. O repertório do CELLOUT é coeso e bem apresentado, mas o pecado de não investir em uma sonoridade mais criativa – e com uma dose mais visível de personalidade – impossibilita que “Superstar Prototype” possua impacto junto ao público. Para resistir ao tempo, o quarteto sueco precisa trabalhar mais (e de uma forma diferente do que foi feito nesse ‘debut’ aqui).

Track-list:

01. Dark Days
02. All My Demons Inside
03. The Gift
04. Flooded
05. Set Things Straight
06. Blow
07. Breathe
08. As I Fall
09. Fake
10. In My Arms
11. The Tragedy in You

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Superstar Prototype - CellOut

380 acessosCellOut: Para quando se quer ouvir algo diferente902 acessosCellOut: Assumindo vaga deixada pelo Korn e Limp Bizkit

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "CellOut"

MotorheadMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

Guns N RosesGuns N' Roses
Pobreza, sexo, drogas e Rock n' Roll em nova biografia

RockstarsRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

5000 acessosSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME5000 acessosLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?5000 acessosSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara5000 acessosGuns N' Roses: Steven Adler diz que já deu, encerrou o assunto5000 acessosKurt Cobain: Gay, Sexismo, Punk e Metal Oitentista4323 acessosTom Araya: "você pode ouvir que Jeff não era parte do disco"

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online