Resenha - Superstar Prototype - CellOut

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando recebi este CD gostei imediatamente da capa. Não sei se pensam como eu, mas sou um aficionado por design gráfico e todas as possibilidades que as ferramentas adequadas podem oferecer. A arte de Superstar Prototype é bem futurista e chega a nos lembrar algo do Samael mais atual e até mesmo de bandas como Static-X e Linkin Park. Entretanto, bastou a bolachinha começar a rodar para notar que a semelhança com os nomes citados abrange também a sonoridade do CELLOUT.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Oriundos da Suécia, verdadeiro celeiro de bandas acima da média, o quarteto pode não agradar aos fãs mais ortodoxos de heavy metal, mas certamente irá cair nas graças daqueles que apreciam riffs pesados aliados a melodias cativantes e soluções modernas nos arranjos. A mixagem certeira do premiado Ulrich Wild (Pantera, Deftones, Static-X) deu ao álbum balanço e dinamismo notáveis.

Vamos às músicas. Desde a muralha de guitarras - só pode ter sido gravada assim - chamada "Dark Days", passando pelas fenomenais "The Gift" e "Set Things Straight", tudo parece ter sido minuciosamente estudado para nada estar fora do lugar. Mesmo os "noises" aqui e acolá soam calculados, o que não tirou o brilho das composições, devo admitir. "Breathe" vem com uma pegada mais nu-metal (isso ainda existe?), porém não cai na mesmice dos grupos que teimam em copiar Korn, Deftones e afins. Dê uma ouvida atenta nesta e depois me digam se não há um certo frescor nela.

Por outro lado há aquelas que não fariam falta alguma se a banda as tivesse descartado ainda em estúdio. Exemplos, senhoras e senhores? Então lá vai: "Flooded", que mais parece um bonus track preguiçoso; e "The Tragedy In You", uma faixa até razoável e esforçada, mas perdida em meio a repetições e um amontoado de ideias desconexas.

Daí fica a o conselho do bom e velho "listen without prejudice" (nota do redator: "ouça sem preconceito", em tradução livre). Não disse em nenhum momento que trata-se de um disco brilhante ou algo parecido. Aconselho àqueles dias em que sua paciência para música "diferente" está em alta. TALVEZ começar a audição pelas ferozes "Fake" e "In My Arms" ajude.

Banda: CellOut
Álbum: Superstar Prototype
Ano: 2010
Gravadora: Nuerra Records - Importado
País: Suécia

Line-up
Percy Mejhagen - vocais e guitarras
Anders Sevebo - baixo e vocais
Robert Monegrim - guitarras e vocais
Martin Karlsson - bateria

Track listing
01. Dark Days
02. All My Demons Inside
03. The Gift
04. Flooded
05. Set Things Straight
06. Blow
07. Breathe
08. As I Fall
09. Fake
10. In My Arms
11. The Tragedy In You

Links relacionados:
http://www.celloutonline.com/
http://www.myspace.com/cellout


Outras resenhas de Superstar Prototype - CellOut

CellOut: Esforçado, mas nem perto de atingir a sua propostaCellOut: Assumindo vaga deixada pelo Korn e Limp Bizkit




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "CellOut"


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

Metallica: Perguntas, respostas e curiosidades diversasDave Mustaine: Maroon 5 o deixou boquiabertoZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarristaAudioslave: filmagem profissional de Serj Tankian cantando "Like a Stone"

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.