Banda do Sol: Atual mas ostentando onipresente aura dos 70s

Resenha - Tempo - Banda do Sol

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Brasil tem uma grande tradição no rock progressivo. O estilo, muito popular no país durante os anos 1970, semeou na juventude daquela época o amor pelas elaboradas composições características do gênero. Enquanto de um lado nomes já estabelecidos como Os Mutantes, por exemplo, mergulharam fundo no prog, no outro extremo várias bandas começaram a surgir e a gravar álbuns que hoje são considerados clássicos do estilo, como é o caso d'O Som Nosso de Cada Dia e O Terço.

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboRolling Stone: as 10 melhores bandas de Heavy Metal

A Banda do Sol faz parte dessa cena. Surgida no início da década de 1980, gravou um único disco, o cult "Banda do Sol", lançado em 1982, e depois se separou. Os integrantes trilharam caminhos diversos e a banda encerrou as suas atividades, até que, no final da década de 2000, foi aos poucos reativada.

O line-up se estabilizou com Moa Jr (vocal, guitarra e violão), Fran Simi (guitarra), Allex Bessa (teclados, piano), Cesinha Rodrigues (baixo) e Fábio Fernandes (bateria), e o próximo e natural passo foi a gravação do segundo trabalho, intitulado "Tempo".

O álbum reúne composições de diversas fases da banda. Gravado em três estúdios paulistas e mixado pelo conceituado Billy Sherwood - ex-guitarrista do Yes e produtor com experiência em discos de bandas como Motörhead, Paul Rodgers e Ratt -, "Tempo" é um trabalho atual que ostenta uma onipresente aura setentista.

A pop "Som do Sol" abre o play com um clima meio Guilherme Arantes meio Flávio Venturini. Destaque imediato para a guitarra, tanto pelas intervenções marcantes quanto pelo bonito solo. "Voar" tem um início que traz "Run Like Hell", do Pink Floyd, à mente, e o baixo em primeiríssimo plano. Uma ótima faixa, com longas passagens instrumentais bem ao gosto dos fãs de progressivo.

Já "Quem Eu Sou?" é dona de uma breguice equivocada, e chega a lembrar o Roupa Nova - isso não é um elogio, ok? A disparidade em relação à "Voar" é tanta que nem parece que é a mesma banda tocando.

O trem volta aos trilhos em "Yes Blues", boa faixa com o piano de Allex Bessa dando as cartas. Em "Praça da Paz" novamente o piano se destaca, com um ótimo início que é puro suingue latino. O único problema de "Praça da Paz" é que a faixa é muito curta, passando a sensação que acabou prematuramente. Se a banda a tivesse estendido por mais alguns minutos, com um solo de Bessa por exemplo, tenho certeza de que ficaria bem mais interessante.

A música que dá nome ao álbum é outra que mostra toda a capacidade criativa da Banda do Sol. "Tempo" tem um ótimo solo de guitarra, repleto de feeling, e é a faixa mais prog do disco.

O jazz fusion bate ponto em "Fabito", excelente composição instrumental e, na minha opinião, a melhor música do álbum. O disco segue para o seu final com a fraca "Maya", com a atmosférica "Sinal de Liberdade" e com a dobradinha "Prana" e "Mahavishnu", gravadas ao vivo.

O som da Banda do Sol requer um certo estado de espírito e de consciência propícios para que a música seja o principal elemento e, dessa maneira, possa ser curtida em sua totalidade. O que o quinteto faz é um tipo de música que pouquíssimas bandas, atualmente, executam no Brasil em alto nível. Os integrantes do grupo soam muitas vezes como artesãos esculpindo atmosferas sonoras repletas de detalhes, o que faz o álbum ser uma experiência reconfortante para os ouvidos.

Ao contrário do que muitos sites publicaram, saudando esse retorno da Banda do Sol como a chegada do Messias à Terra, "Tempo" não é uma obra-prima incontestável e um clássico instantâneo. O disco está longe disso, mas é dono de uma qualidade inegável e de uma identidade artística bastante forte, que agradará o ouvinte.

Se você é fã de rock progressivo, compre de olhos fechados e ouvidos abertos!

Faixas:
1.Som do Sol
2.Voar
3.Quem Eu Sou?
4.Yes Blues
5.Praça da Paz
6.Tempo
7.Fabito
8.Maya
9.Sinal de Liberdade
10.Janavatar
11.Prana (ao vivo)
12.Mahavishnu (ao vivo)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Banda do Sol"


Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Rolling Stone: as 10 melhores bandas de Heavy MetalRolling Stone
As 10 melhores bandas de Heavy Metal

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvirMetal Extremo
Algumas bandas que você precisa ouvir

Os Simpsons: bandas de Rock na versão amarelaMegadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatosLincoln Braite: Colecionador paulistano fissurado por Kai HansenGigantes do Rock e Metal: alguns músicos muito, muito altos

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.