Matérias Mais Lidas

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemVídeo mostra o Guns N' Roses novamente tocando "Back in Black" do AC/DC

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemPor motivo de saúde, Tracii Guns faz show inteiro do L.A.Guns dentro do banheiro

imagemEdu Falaschi e as versões de "Bleeding Heart" que "dá uma tristezinha" de ouvir

imagemComo o clássico "Angel Dust" fez o guitarrista Jim Martin sair do Faith No More

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemTico relembra trauma que o fez entrar na Fazenda e briga bizarra com Sérgio Mallandro

imagemA forma como John Paul Jones do Led Zeppelin influenciou o baixo do Pearl Jam

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemA incrível história do hit "Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim", de Herbert Vianna

imagemSteve Vai se junta ao Whitesnake para tocar "Still Of The Night" no Hellfest; veja vídeo


Stamp

Banda do Sol: Atual mas ostentando onipresente aura dos 70s

Resenha - Tempo - Banda do Sol

Por Ricardo Seelig
Fonte: Collector's Room
Em 21/02/11

publicidade

Nota: 8

O Brasil tem uma grande tradição no rock progressivo. O estilo, muito popular no país durante os anos 1970, semeou na juventude daquela época o amor pelas elaboradas composições características do gênero. Enquanto de um lado nomes já estabelecidos como Os Mutantes, por exemplo, mergulharam fundo no prog, no outro extremo várias bandas começaram a surgir e a gravar álbuns que hoje são considerados clássicos do estilo, como é o caso d'O Som Nosso de Cada Dia e O Terço.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A Banda do Sol faz parte dessa cena. Surgida no início da década de 1980, gravou um único disco, o cult "Banda do Sol", lançado em 1982, e depois se separou. Os integrantes trilharam caminhos diversos e a banda encerrou as suas atividades, até que, no final da década de 2000, foi aos poucos reativada.

O line-up se estabilizou com Moa Jr (vocal, guitarra e violão), Fran Simi (guitarra), Allex Bessa (teclados, piano), Cesinha Rodrigues (baixo) e Fábio Fernandes (bateria), e o próximo e natural passo foi a gravação do segundo trabalho, intitulado "Tempo".

O álbum reúne composições de diversas fases da banda. Gravado em três estúdios paulistas e mixado pelo conceituado Billy Sherwood – ex-guitarrista do Yes e produtor com experiência em discos de bandas como Motörhead, Paul Rodgers e Ratt -, "Tempo" é um trabalho atual que ostenta uma onipresente aura setentista.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A pop "Som do Sol" abre o play com um clima meio Guilherme Arantes meio Flávio Venturini. Destaque imediato para a guitarra, tanto pelas intervenções marcantes quanto pelo bonito solo. "Voar" tem um início que traz "Run Like Hell", do Pink Floyd, à mente, e o baixo em primeiríssimo plano. Uma ótima faixa, com longas passagens instrumentais bem ao gosto dos fãs de progressivo.

Já "Quem Eu Sou?" é dona de uma breguice equivocada, e chega a lembrar o Roupa Nova – isso não é um elogio, ok? A disparidade em relação à "Voar" é tanta que nem parece que é a mesma banda tocando.

O trem volta aos trilhos em "Yes Blues", boa faixa com o piano de Allex Bessa dando as cartas. Em "Praça da Paz" novamente o piano se destaca, com um ótimo início que é puro suingue latino. O único problema de "Praça da Paz" é que a faixa é muito curta, passando a sensação que acabou prematuramente. Se a banda a tivesse estendido por mais alguns minutos, com um solo de Bessa por exemplo, tenho certeza de que ficaria bem mais interessante.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A música que dá nome ao álbum é outra que mostra toda a capacidade criativa da Banda do Sol. "Tempo" tem um ótimo solo de guitarra, repleto de feeling, e é a faixa mais prog do disco.

O jazz fusion bate ponto em "Fabito", excelente composição instrumental e, na minha opinião, a melhor música do álbum. O disco segue para o seu final com a fraca "Maya", com a atmosférica "Sinal de Liberdade" e com a dobradinha "Prana" e "Mahavishnu", gravadas ao vivo.

O som da Banda do Sol requer um certo estado de espírito e de consciência propícios para que a música seja o principal elemento e, dessa maneira, possa ser curtida em sua totalidade. O que o quinteto faz é um tipo de música que pouquíssimas bandas, atualmente, executam no Brasil em alto nível. Os integrantes do grupo soam muitas vezes como artesãos esculpindo atmosferas sonoras repletas de detalhes, o que faz o álbum ser uma experiência reconfortante para os ouvidos.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Ao contrário do que muitos sites publicaram, saudando esse retorno da Banda do Sol como a chegada do Messias à Terra, "Tempo" não é uma obra-prima incontestável e um clássico instantâneo. O disco está longe disso, mas é dono de uma qualidade inegável e de uma identidade artística bastante forte, que agradará o ouvinte.

Se você é fã de rock progressivo, compre de olhos fechados e ouvidos abertos!

Faixas:
1.Som do Sol
2.Voar
3.Quem Eu Sou?
4.Yes Blues
5.Praça da Paz
6.Tempo
7.Fabito
8.Maya
9.Sinal de Liberdade
10.Janavatar
11.Prana (ao vivo)
12.Mahavishnu (ao vivo)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.