Gorgoroth: Sonoridade permanece intocada em novo álbum

Resenha - Quantos Possunt ad Satanitatem Trahunt - Gorgoroth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Em meio a uma série de disputas jurídicas que envolveram o nome da banda e os ex-integrantes Gaahl e King ov Hell, o futuro do GORGOROTH parecia incerto. A banda, que é um dos nomes mais polêmicos do black metal norueguês, recentemente deu a volta por cima sob o comando do guitarrista Infernus. "Quantos Possunt ad Satanitatem Trahunt" não só marca o retorno de grupo após três anos de silêncio como apresenta uma formação extremamente renovada.

Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraAlice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs Here

Em atividade desde o início da década de noventa, o GORGOROTH em pouco tempo se tornou uma das mais importantes bandas do movimento black metal escandinavo, em decorrência do impacto de discos como "Under the Sign of Hell" (1997) e "Destroyer" (1998). No entanto, o grupo não se firmou como uma unidade. A banda nunca manteve um mesmo line-up por muito tempo e em "Quantos Possunt ad Satanitatem Trahunt" isso não é diferente. O guitarrista Infernus - e único membro remanescente - é acompanhado por Pest (vocal, que retorna ao GORGOROTH após dez anos de ausência), Boddel (baixo, pseudônimo de Frank Watkins, ex-OBITUARY) e Tomas Asklund (bateria, ex-DARK FUNERAL). Por outro lado, a sonoridade dos noruegueses permanece intocada.

O processo criativo de "Quantos Possunt ad Satanitatem Trahunt" iniciou quatro anos antes, mais ou menos na mesma época em que Infernus foi condenado à prisão por participar de um estupro em seu país. Por não se envolver ativamente no crime, o guitarrista ganhou liberdade condicional em 2007 e anunciou dias depois que já havia composto o suficiente para um novo álbum do GORGOROTH. Com os novos membros efetivados, a banda viajou à Suécia para registrar as novas faixas - que contaram com a produção do baterista Tomas Asklund. Como os outros sete discos da carreira dos noruegueses, "Quantos Possunt ad Satanitatem Trahunt" conta com a mesma crueza e a mesma agressividade que marcaram o nome do GORGOROTH no cenário black metal mundial. A sonoridade do quarteto - que curiosamente ganha outros músicos nas apresentações ao vivo - mantém o mesmo padrão de "Ad Majorem Sathanas Gloriam" (2006).

Entretanto, alguns descasos da banda são perceptíveis em "Quantos Pussunt ad Satanitatem Trahunt". Embora possua a média de trinta minutos de duração por disco, o GORGOROTH certamente deveria aproveitar melhor cada uma das oportunidades, sobretudo essa mais recente via Regain Records. O álbum conta com grandes composições, como as duas faixas que abrem o repertório - "Aneuthanasia" e "Prayer". O ríspido instrumental dos noruegueses possui intensidade na medida certa e conta com variações rítmicas que não fazem de "Quantos Pussunt ad Satanitatem Trahunt" uma coisa monótona até mesmo para os fãs do gênero. No entanto, tão rápido o CD inicia tão rápido o CD acaba - o quê pode frustrar os que esperam sempre uma grande e extensa obra de black metal, como confirmaram ser os mais recentes títulos de bandas como ROTTING CHRIST e CRADLE OF FILTH.

Entre as outras músicas de destaque encontradas no disco, "Rebirth" - que conta com um andamento mais cadenciado e que se encaixou perfeitamente à voz de Pest - certamente é uma que deve ser mencionada. De outro lado, "New Breed" e "Satan-Prometheus" evidenciam uma agressividade constante e que, com mais de cinco minutos de duração, se desdobram em variações rítmicas muito interessantes. Não há dúvidas de que a proposta de "Quantos Pussunt ad Satanitatem Trahunt" é coesa e eficaz. No entanto, a crueza sonora do GORGOROTH poderia ser transposta para um disco com timbres mais límpidos e um som relativamente menos sujo. A busca por uma produção primorosa, o que a banda parece ser extremamente contrária à ideia, não deveria ser uma barreira.

Com uma qualidade perceptível, o repertório de "Quantos Pussunt ad Satanitatem Trahunt" tem força suficiente para se unir aos principais sucessos do grupo, como "Unchain My Heart!" e "Revelation of Doom", nas próximas turnês do GORGORTH. O álbum, que só não merece o rótulo de excelente por pequenos deslizes na sua produção que soa underground demais, certamente recoloca a banda entre os nomes mais importantes e blasfemos do black metal norueguês.

Track-list:

01. Aneuthanasia
02. Prayer
03. Rebirth
04. Building a Man
05. New Breed
06. Cleansing Fire
07. Human Sacrifice
08. Satan-Prometheus
09. Introibo ad Alatare Satanas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gorgoroth"


Sai pra lá, capiroto!: as músicas mais demoníacas do MetalSai pra lá, capiroto!
As músicas mais demoníacas do Metal

Inacreditável: O que acontece de mais bizarro em um show de metalInacreditável
O que acontece de mais bizarro em um show de metal


Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Alice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs HereAlice in Chains
Mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs Here


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adClioIL