Distraught: A pancadaria do Thrash com a violência humana

Resenha - Unnatural Display of Art - Distraught

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Com o seu mais recente disco, os gaúchos da DISTRAUGHT, definitivamente, se inserem entre os maiores nomes do thrash metal brasileiro. Embora possua um passado de respeito, a banda atingiu em “Unnatural Display of Art” um nível incomparável, até mesmo para o ótimo “Behind the Veil” (2004). A nova empreitada do grupo apresenta um interessante contraponto entre agressividade e técnica – e conta com as músicas mais inspiradas dos seus vinte anos de carreira.
5000 acessosKeith Richards: Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"5000 acessosEsquire: Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

Em atividade desde o início da década de noventa, André Meyer (vocal), Marcos Machado (guitarra), Ricardo Silveira (guitarra), Nelson Casagrande (baixo) e Everson Krentz (bateria – substituído recentemente por Dionatan Santos) uniram a pancadaria do thrash metal à temática da violência humana em “Unnatural Display of Art”. No fim das contas, o resultado não poderia ter sido melhor, sobretudo em razão da excelente mixagem/masterização assinada pela dupla Heros Trench e Marcello Pompeu (KORZUS), no conceituado Mr. Som. A sonoridade da banda, que junta elementos ainda mais extremos (que vem do death metal) e referências até que modernas (como o LAMB OF GOD também faz), se traduz em composições de impacto e de muita personalidade.

Não há composição mais indicada para abrir o repertório de “Unnatural Display of Art” do que a intensa “The End of Times”. Com certeza, são poucas as bandas (inclusive no restante do mundo) que conseguem transpirar agressividade sem abrir mão de uma execução verdadeiramente técnica – e os gaúchos da DISTRAUGHT são uma exceção a essa regra. O excelente instrumental do quinteto – com riffs cortantes e acompanhado de uma performance incrível do vocalista André Meyer – se repete em “Reflection of Clarity”, outro destaque do álbum (e também das apresentações ao vivo). Por fim, o que Everson Krentz (substituído à altura por Dionatan Santos em meio à turnê) faz com a bateria é mais uma referência capaz de receber os melhores adjetivos possíveis.

De certa forma, seria um pouco injusto apontar quais as músicas que se sobressaem em “Unnatural Display of Art” por uma simples razão: todas apresentam uma qualidade extremamente louvável. No entanto, uma pequena porção delas conta com características verdadeiramente marcantes e bem-vindas: seja um refrão mais pegajoso e interessante para os shows ou um instrumental tão técnico que chega a beirar a perfeição. “Hellucinations”, que conta com a participação do guitarrista convidado Diego Kasper (HIBRIA), é um claro exemplo disso, especialmente pela voz de André Meyer. Em uma vertente mais extrema, “Killing in Silence” e “Burial of Bones” são outros dois grandes destaques do CD e deixam claro que os músicos da DISTRAUGHT adquiriram muita experiência em todos esses anos de trajetória pelo nosso underground.

Na reta final do disco, outras músicas devem chamam a atenção dos fãs. O mais interessante no thrash metal da DISTRAUGHT é que os músicos gaúchos evidenciam uma busca por uma sonoridade bastante própria, sem que exista uma comparação recorrente com os ícones alemães do gênero (DESTRUCTION e KREATOR) ou com os representantes do movimento de São Francisco (DEATH ANGEL e ANTHRAX). Entre as músicas que fecham “Unnatural Display of Art”, aparecem “Your God is Dead” (uma das melhores de todo o álbum) e “Hauting the Enemy”, que novamente deixa clara a preocupação do grupo em construir um instrumental bem trabalhado e rico em detalhes (ou até mesmo variações rítmicas).

Não há dúvidas de que “Unnatural Display of Art” é um dos mais surpreendentes discos de thrash metal que surgiram em nosso país, nos últimos dois ou três anos. Para quem acompanha a banda desde o ‘debut’ “Nervous System” (1998), é possível notar que ela passou por uma evolução técnica que chegou ao seu ápice após todos esses anos. Entretanto, por mais que a banda possua grandes composições em “Behind the Veil” (2004) – como “Burning Pages” e “The Order” –, certamente as doze faixas do seu novo álbum são as que ficarão marcadas para a eternidade. Comprove você mesmo.

Track-list:

01. The End of Times
02. Reflection of Clarity
03. Cradle of Violence
04. Hellucinations
05. Evil Portrait
06. Killing in Silence
07. Burial of Bones
08. Your God is Dead
09. Conquering Domain
10. Hauting the Enemy
11. Villains
12. Alchemy

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Distraught"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Distraught"

Keith RichardsKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

InspiraçãoInspiração
30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

5000 acessosGuns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas5000 acessosZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista5000 acessosRolling Stone: os 10 piores covers da história5000 acessosEm 24/11/1991: Eric Carr morre em decorrência de câncer5000 acessosKiss: Slash, do GN'R, tentou entrar na banda em 1982, diz Paul4844 acessosMegadeth: Broderick não quer fama ou dinheiro, quer fazer música

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online