The Decemberists: Folk com clima agreste, rústico, bucólico

Resenha - King is Dead - Decemberists

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Nasceu o primeiro grande disco de 2011! "The King is Dead" é o sexto álbum do quinteto norte-americano The Decemberists, formado em 2001 em Portland. O grupo é formado por Colin Meloy (vocal, guitarra e harmônica), Chris Funk (guitarra e diversos outros instrumentos), Jenny Conlee (acordeão, piano, teclado, Hammond e sintetizadores), Nate Query (baixo) e John Moen (bateria).
5000 acessosOzzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbação5000 acessosKiss x Secos & Molhados: o fim da polêmica

O título do disco é uma homenagem à banda britânica The Smiths, que lançou "The Queen is Dead" em 1986. Colin Meloy, líder e principal compositor do Decemberists, é um grande fã de Morrissey, Johnny Marr e companhia.

Produzido por Tucker Martine (R.E.M., Mudhoney, My Morning Jacket, Bill Frisell e inúmeros outros), "The King is Dead" conta com as partipações especiais do guitarrista do R.E.M., Peter Buck, em três faixas - “Don´t Carry It All”, “Calamity Song” e “Down by the Water” - e da cantora Gillan Welch – também em “Down by the Water”.

O clima predominante é bem agreste, rústico, bucólico, transportando o ouvinte para o meio do campo, rodeado pelo vento. Ouvindo as dez faixas do álbum, as principais referências que vêm à mente são Neil Young, Bruce Springsteen e R.E.M., com algumas pitadas de Bob Dylan de vez em quando. Predominantemente acústico, o álbum apresenta um cuidado com a elaboração das melodias, que, somadas aos arranjos descomplicados, resultam em músicas muito agradáveis aos ouvidos.

Outra característica marcante é o uso frequente de instrumentos típicos do folk rock, como gaita de boca, violino, sanfona e violão de doze cordas, ao lado da formatação básica vocal-violão-guitarra-baixo-bateria. Isso faz com que as faixas sejam muito ricas em sua parte instrumental, criando paisagens sonoras marcantes.

O disco todo é muito bom. A excelente “Don´t Carry It All” abre os trabalhos de maneira sublime, com ótimas linhas vocais e um grande refrão. A cativante “Calamity Song” faz com que você se sinta pegando uma auto-estrada com o vento no rosto. “Rise to Me” é de uma beleza simples e tocante.

No início de “Rox in the Box”, por um breve instante somos levados a pensar que estamos ouvindo “Lady in Black”, do Uriah Heep, mas logo o engano se desfaz revelando uma composição não menos que fantástica, com grandes melodias.

A espetacular “Down by the Water” é outra que faz qualquer mente cansada voltar a acreditar na música. Com participação de Peter Buck e Gillan Welch e liberada para audição pela banda antes do lançamento do disco, entraria fácil – e seria destaque – em álbuns como o excelente "Green", lançado pelo R.E.M. em 1988.

Já “All Arise!” faz com que paremos por alguns segundos para checar se não nos enganamos e colocamos para rodar algum disco antigo dos Byrds. “This is Why We Fight” é outro grande momento, uma faixa um pouco mais agitada que as demais, com uma pegada mais rock e, outra vez, com um excelente refrão. O álbum fecha com a campestre “Dear Avery”, onde a influência country do grupo fica evidente.

"The King is Dead" é um excelente álbum, dono de uma beleza graciosa e de uma musicalidade belíssima. Com ele, o The Decemberists deve galgar mais alguns postos na hierarquia do rock, chegando perto do topo.

Faça um favor a si mesmo e ouça!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Decemberists"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá conselhos sobre masturbação

MaquiagensMaquiagens
O fim da polêmica Kiss x Secos & Molhados

MetallicaMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

5000 acessosConfissões de uma groupie - a autobiografia de Pamela Miller5000 acessosMetallica: os motivos da saída de Jason Newsted5000 acessosAlfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de Metal5000 acessosBon Jovi: o maior fã de todos os tempos1523 acessosMetalSucks: Músicos grisalhos que continuam trues4695 acessosIron Maiden: ouça a demo-tape de Bruce Dickinson de 1981

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online