Motörhead: Nada de "baladinhas mela cuecas" por aqui

Resenha - World Is Yours - Motorhead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por André Breder Rodrigues
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A lendária banda inglesa MOTÖRHEAD já entrou há bastante tempo naquele seleto grupo que você já sabe de antemão o que vai escutar em um novo álbum. Em relação ao MOTÖRHEAD você sabe que nunca se decepcionará, e nunca vai comprar um álbum onde a banda fuja do seu estilo visceral de tocar rock. E o novo trabalho do grupo, "The Wörld is Yours", claro, vem para comprovar isso, trazendo um rock n´roll sem frescuras, tocado de uma maneira empolgante e honesta que somente o trio Ian "Lemmy" Kilmister, Phil Campbell e Mikkey Dee consegue fazer atualmente.
846 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper5000 acessosMike Portnoy: o cara trabalha pra kct, será que ganha bem?

Seu novo trabalho foi lançado em 14 de dezembro de 2010 de uma maneira inédita, em parceria com a publicação inglesa Classic Rock, sendo que em 17 de janeiro de 2011 o álbum terá seu lançamento mundial, pelo próprio selo da banda, Motörhead Music.

"The Wörld is Yours" abre com a energética faixa “Born to Lose”, com uma letra pessimista ou realista, dependendo da visão particular do ouvinte. O trio de músicos já logo de cara mostram que estão afiados em seus instrumentos, e Lemmy claro, continua cantando com sua voz característica.

A segunda faixa “I Know How to Die” começa detonando, com um riff muito bacana de guitarra e com Lemmy já vociferando frases como “If I could find the cure I wouldn’t have to cry, I know the law I know how to die". Os solos de Phil Campbell nesta faixa são velozes e empolgantes, como sempre.

“Get Back In Line”, a terceira faixa, continua mostrando que em "The Wörld is Yours" não há mesmo espaço para modinhas imbecis: rock direto com uma letra que fará muitos cristãos pelo mundo continuar detestando o MOTÖRHEAD por conta de Lemmy afirmar em uma das partes da canção que “Now we are only slaves, already in our graves, and if you think that Jesus saves, get back in line.”

Guiada por um riff que só mesmo Phil Campbell sabe fazer, a quarta faixa “Devils In My Head” mantém o mesmo clima roqueiro das faixas anteriores. Na metade da canção há um solo majestoso de guitarra, mas tudo dentro do padrão qualidade de Phil Campbell, ou seja, nada de exibições idiotas ou um solo longo e chato, tudo aqui é rápido, direto, da maneira que todo solo de guitarra deveria ser.

A quinta faixa, intitulada “Rock 'n' Roll Music”, traz uma sonoridade mais cadenciada, mas não menos empolgante do que as demais canções do álbum. Na letra Lemmy literalmente declara uma verdade que eu também compartilho com o mestre: “Rock n roll music is my religion; I don’t need no miracle vision. I don’t need no indecision.”

Iniciada com um riff monstruoso capaz de fazer até mesmo os mortos levantarem de suas tumbas para agitar, a sexta faixa “Waiting for the Snake” é mais um rock n´roll clássico, do tipo que só o MOTÖRHEAD tem coragem ou capacidade de fazer. Teclados? Partes orquestradas? Corais de vozes no refrão? Aqui não há espaço para isso! Rock cru e direto da maneira que ele nasceu, e da forma como ele deveria ser para sempre. Amém!

E Phil Campbell continua despejando riffs fabulosos em nossos ouvidos com a sétima faixa “Brotherhood of Man”. Lemmy desta vez canta de uma forma mais gutural, o que deixa a sonoridade desta canção ainda mais pesada.

A oitava faixa “Outlaw” é mais uma daquelas canções diretas ao ponto do MOTÖRHEAD, com Lemmy soltando frases de efeito como “Live or die, stand or run, shoot ‘em down, smoking gun”. Esta canção é claramente uma referência aos filmes do gênero Western que Lemmy tanto adora. Destaque para o refrão bacana e para o solo de guitarra do sempre competente Phil Campbell.

“I Know What You Need”, a nona faixa do álbum, já começa com Lemmy cantando sua letra, sem introdução ou firulas: é rock direto na sua cara, sem dó nem piedade! Lemmy diz na canção “I know what you are, I know what you need”. Sim, eu preciso é de mais canções pesadas e empolgantes como essa Mr. Lemmy!

A última e décima faixa do álbum é intitulada “Bye Bye Bitch Bye Bye”, e é uma daquelas canções que Lemmy escreveu falando sobre alguma de suas “relações amorosas”. É engraçado que quando o mesmo tema é tratado por algumas bandas, como o WHITESNAKE, tudo é melancólico e meloso, enquanto que no MOTÖRHEAD tudo é feito de uma maneira divertida, com uma sonoridade pesada e rápida. Nada de “baladinhas mela cuecas” por aqui... graças a Deus!

Formação:

Ian "Lemmy" Kilmister – baixo, vocais
Phil Campbell – guitarra
Mikkey Dee – bateria

Tracklist:

1. "Born to Lose" 4:01
2. "I Know How to Die" 3:19
3. "Get Back In Line" 3:35
4. "Devils In My Head" 4:21
5. "Rock 'n' Roll Music" 4:25
6. "Waiting for the Snake" 3:41
7. "Brotherhood of Man" 5:15
8. "Outlaw" 3:30
9. "I Know What You Need" 2:58
10. "Bye Bye Bitch Bye Bye" 4:04
Tempo total: 39:15

Site oficial:
http://www.imotorhead.com/

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Phil AnselmoPhil Anselmo
Lemmy sentia dor mas não queria deixar o palco

846 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper1246 acessosMotorhead: album solo de Lemmy a ser lançado ainda este ano0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Logos de BandasLogos de Bandas
Blog elege o Top 10 dos mais bonitos

Melhores do metalMelhores do metal
Experts da MTV elegem Sabbath, Judas e Metallica

BarbasBarbas
Cinco das mais influentes do Rock

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de dezembro de 2010

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Mike PortnoyMike Portnoy
O cara trabalha pra kct, será que ganha bem?

Thrash MetalThrash Metal
Dicas de dez ótimas bandas underground

John LennonJohn Lennon
A versão de Marco Feliciano sobre a morte do Beatle

5000 acessosLed Zeppelin: Page surtado com bateria de dois bumbos de Bonham5000 acessosSlipknot: Root responde qual foi o álbum que lhe deixou viciado em Metal5000 acessosMarty Friedman: "Prefiro mastigar vidro que ouvir Jimi Hendrix"5000 acessosFrontman: quando o original não é a melhor opção1879 acessosLoudwire: Em vídeo, 10 circle pits épicos5000 acessosUltimate Classic Rock: Os 20 álbuns mais aguardados para 2015

Sobre André Breder Rodrigues

André Breder começou a ouvir rock na adolescência e desde aquela época se mostrou bem eclético: ouvia Nirvana, Aerosmith, Metallica e Iron Maiden, tudo numa boa. Não gosta de rótulos, e sim de boa música, mesmo que tenha que assumir que possui no Heavy Metal tradicional seu gênero preferido.

Mais matérias de André Breder Rodrigues no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online