Accept: Heavy Metal familiar e com a mesma testosterona

Resenha - Blood Of The Nations - Accept

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Certamente até mesmo a nova geração já ouviu falar do Accept, lendário monstro que ajudou a estabelecer a cena metálica da Alemanha com discos do porte de "Restless And Wild" (82) e "Balls To The Wall" (83). Posteriormente, ainda que o conjunto tenha liberado alguns outros bons registros nas várias fases que optou por seguir, o fato é que nenhum deles chegou perto do brilho alcançado no passado.

U.D.O.: turnê pela América Latina em 2020Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Pois bem, 14 anos afastado dos estúdios, e eis que é anunciada a chegada de "Blood Of The Nations", que já causou muita controvérsia e ceticismo por não contar com a inconfundível voz de Udo Dirkschneider... Porém, o quarteto instrumentista da formação clássica está presente - até mesmo o guitarrista Herman Frank voltou, depois de nada menos do que 26 anos ocupado com outros projetos - e alistou o norte-americano Mark Tornillo (TT Quick) para assumir a difícil tarefa de cantar em uma das mais tradicionais bandas do planeta.

Mas, ao contrário do fiasco que foi David Reece atrás do microfone em 1989, Tornillo se revelou perfeitamente adequado! Ainda que remeta ao mestre Udo em algumas ocasiões, o fato é que o cara possui seu próprio estilo, com um alcance um pouco maior e proporciona uma nova dimensão à sonoridade marcante do Accept, que está tão afiado como em seus dias de glória. Ou seja, nada de experimentos por aqui, os alemães foram intransigentes e o objetivo foi orientar tudo com inspiradíssimos riffs de guitarras, uma seção rítmica que sabe como valorizar sua função, refrões poderosos e, naturalmente, um novo vocalista com o devido espaço.

O resultado é puro Heavy Metal, com testosterona, familiar e com momentos melódicos aparecendo na medida correta em mais de 70 minutos distribuídos por 12 faixas. Sim, são composições longas, mas muito bem estruturadas, tanto que "Beat The Bastards", "Teutonic Terror" (essa provavelmente será o destaque unânime do disco), "Blood Of The Nations", "Pandemic" e "No Shelter" são a comprovação de uma intensidade que o Accept parecia ter perdido há muito, mas muito tempo. Canções maravilhosas, nada mais do que isso.

É inegável que boa parte do impacto de "Blood Of The Nations" deva ser creditada às orientações do produtor Andy Sneap (Sabbat, Megadeth, Arch Enemy), tanto que os agradecimentos especiais vão para ele, que se revelou muito mais do que um fã do grupo alemão. De qualquer forma, quem diria que o Accept seria capaz de reviver com tanta classe os velhos tempos e liberar um álbum que já pode figurar entre os melhores de sua discografia? E sem a presença do senhor Dirkschneider!

Contato:
http://www.myspace.com/accepttheband
http://www.acceptworldwide.com

Formação:
Mark Tornillo - voz
Wolf Hoffmann - guitarra
Herman Frank - guitarra
Peter Baltes - baixo
Stefan Schwarzmann - bateria

Accept - Blood Of The Nations
(2010 - Nuclear Blast Records / Laser Company Records - nacional)

01. Beat The Bastards
02. Teutonic Terror
03. The Abyss
04. Blood Of The Nations
05. Shades Of Death
06. Locked And Loaded
07. Kill The Pain
08. Rollin Thunder
09. Pandemic
10. New World Comin
11. No Shelter
12. Bucketful Of Hate


Outras resenhas de Blood Of The Nations - Accept

Accept: O encontro com a fórmula perfeitaAccept: este é o melhor trabalho da bandaAccept: Coeso e repleto de músicas de impacto imediatoAccept: evidente candidato a melhor álbum de 2010Accept: riffs marcantes, refrãos em coro, está tudo ali




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Accept"


U.D.O.: turnê pela América Latina em 2020

Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Anos 80: cinco nomes do metal que se entregaram ao glam metalAnos 80
Cinco nomes do metal que se entregaram ao glam metal

Top 10: Os mais influentes álbuns de Metal TradicionalTop 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional


Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuaisMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Separados no nascimento: Phil Lynott e TiriricaSeparados no nascimento
Phil Lynott e Tiririca

Versões originais: 10 músicas que foram tomadas emprestadasVersões originais
10 músicas que foram "tomadas" emprestadas

Cradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?Pattie Boyd: o infernal triângulo com George Harrison e Eric ClaptonLoudwire: as melhores músicas de metal de 2012Ace Frehley: "é triste que o Kiss não tenha lotado o Madison Square Garden"

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.