Gynger Lynn: retorno a bons tempos com cheiro de naftalina

Resenha - Baby's Gone Bad - Gynger Lynn

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Desde que surgiu em meados de 2008, a Eonian Records se tornou conhecida pela preocupação em resgatar discos de bandas obscuras da cena Glam e Hard Rock do final dos anos 80 e início da década seguinte, em especial as que têm como base as vizinhanças de Chicago. No caso do Gynger Lynn, o grupo surgiu em 1989 e seu nome de batismo é uma homenagem a uma atriz pornô que fez história na época. Seu primeiro álbum auto-intitulado saiu em 2009 e foi o resultado básico de uma fita-demo, mas com este sucessor a coisa é bem diferente.

"Baby's Gone Bad", lançado originalmente em 1993 e que agora conta com uma nova masterização, mostra o Gynger Lynn com uma maturidade que não se observava no primeiro álbum – até o visual espalhafatoso de outrora está mais comportado. Seus músicos estão mais soltos e investindo em arranjos que, muitas vezes, fogem do convencional em termos do Hard Rock deste período, em especial por mostrar várias referências do pop da década de 60 e 70, o que confere uma aura ainda mais ingênua ao repertório.

publicidade

Todo esse ímpeto criativo por parte do Gynger Lynn explorou arranjos bem distintos entre si, e, ainda que "Baby's All Talk", "Wanna Be Your Lover" e a faixa-título sejam singles cuidadosamente selecionados, o maior destaque certamente fica por conta da interessantíssima "Need To Know", com uns lances que remetem diretamente ao The Beatles (é mole?), e ainda a balada "Never Find A Better Girl", que tem até um sax duelando com a guitarra. O repertório até se mostra meio incoerente, com 16 faixas que 'atiram para todos os lados', mas a audição conquista pelo carisma e alto-astral.

publicidade

Mesmo se a onda grunge não houvesse assolado o Hard Rock e Heavy Metal no início da década de 1990, talvez o esforçado Gynger Lynn pudesse ter algumas chances de conquistar um maior espaço na saturada cena. Ou não. Sei lá... De qualquer forma, escutar "Baby's Gone Bad" nos dias de hoje é um retorno aos bons tempos do estilo, mesmo com todo o cheirão de naftalina. Mas isso não será empecilho para o público fã do Hard Rock, certo? Quem curte Poison, Cheap Trick e LA Guns pode conferir esse ótimo disco!

publicidade

Contato:
http://gyngerlynnband.com
http://www.myspace.com/gyngerlynnrocks

Formação:
Dean Pressley - voz e guitarra
Will Hair - guitarra
Jim Stuppy - baixo e teclados
Gavin Jadwin - teclados
Luke James Lorraine - bateria

publicidade

Gynger Lynn - Baby's Gone Bad
(2010 / Eonian Records - importado)

01. Take Me Away
02. Need To Know
03. Baby's All Talk
04. Along The Way
05. Yes It's True
06. Need A Little Love
07. Goin' Home
08. Summertime
09. Lonely, Lonely
10. Never Find A Better Girl
11. Wanna Be Your Lover
12. The Chance
13. Stay With Me
14. Baby's Gone Bad
15. Way Of the World
16. Bad Luck




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinJethro Tull
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?E-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin