Matérias Mais Lidas

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemRick Wakeman relembra época em que o Yes abria show para o Black Sabbath

imagemRolling Stones: Keith Richards compara tocar com Brian Jones, Mick Taylor e Ron Wood

imagemTestament está confirmado na edição brasileira do Summer Breeze, segundo jornalista

imagemA dura bronca dos Titãs em Nando Reis durante gravação de "Titanomaquia"

imagemShow do Dream Theater em São Paulo não será mais realizado no Pavilhão Pacaembu

imagem4 hits do Deep Purple cujos riffs Ritchie Blackmore já confessou ter copiado

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemRob Trujillo presta tributo ao Rage Against The Machine após shows em Nova Iorque

imagemCinquenta grandes músicas lançadas por bandas de rock e heavy metal em 2022


Stamp

Enslaved: criando algo novo, digno de nota e de palmas

Resenha - Axioma Ethica Odini - Enslaved

Por Marcos Garcia
Em 07/10/10

Nota: 9

A cena Black Metal norueguesa de 1990, denominada por muitos acadêmicos como a "segunda geração", revelou bandas que marcaram o estilo e o Metal como um todo, tanto pelo som quanto pelas polêmicas. O ‘vovô’ MAYHEM (que na realidade, faz parte da primeira geração), BURZUM, DARKTHRONE, EMPEROR, SATYRICON e tantas outras que nem cabe dizer tantos nomes aqui, pois não haveria espaço. Óbvio que a mesma força que impulsiona a humanidade para o futuro, chamada ‘evolução’, mostrou seu dedo nessas mesmas bandas, e houve mudanças em cada uma delas, algumas se negando a evoluir e indo por caminhos tortuosos, outras decaindo vertiginosamente, e outras ainda que foram aglutinando mais e mais influências musicais e criando algo novo, digno não só de nota, mas de palmas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E neste último grupo está o ENSLAVED, que nos chega com seu 12º. CD, chamado "Axioma Ethina Odini", que mostra o quão madura uma banda pode ser, o quanto ela pode evoluir sem perder suas raízes.

É óbvio que quem acompanha a banda há tempos sentirá que eles mantiveram o mesmo direcionamento ‘Progressive Black Metal’ dos últimos CDs, mas o que chama a atenção são alguns toques de psicodelismo à lá anos 60, principalmente pela sonorização usada no teclado, em vários momentos, e mesmo os vocais limpos apontam nesta direção.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O disco abre com a longa "Ethica Odini", que inicia com um som de ventos e tempestade e depois vem um belo riff de guitarra acompanhado dos teclados, e logo os vocais rasgados de Grutle Kjellson (também baixista da banda) contrapõem-se aos belos andamentos de forma brilhante, seja nos momentos mais fortes ou nos mais técnicos. Os vocais limpos de Herbrand Larsen (que também é o tecladista da banda) aparecem como uma bela surpresa em vários momentos, inclusive em partes amenas e agressivas. "Raidho" é a próxima, onde a música se inicia mais seca e com Grutle urrando como um urso e riffs de guitarra mais secos e "motorheadianos", lembrando a fase mais inicial da banda, mas logo a vitamina de Rock Progressivo se torna aparente em uma linda parte cheia de teclados e onde a bateria mais fica mais técnica (este Cato Bekkevold toca muito bem em todo o CD). A contraposição entre os vocais limpos e rasgados dão uma beleza incomum à música, bem como o excelente trabalho de Ivar Bjørnson e Arve ‘Ice Dale’ Isdal (este, conhecido por tocar também no I e no OV HELL). A faixa "Waruun" começa mais cadenciada, e depois começa a alternar partes lentas com outras mais rápidas e progressivas, em uma fusão perfeita de som agressivo e beleza na estética musical. Em "The Beacon", mais uma vez o início nos lembra aquela fase "Frost"/"Eld" da banda, em uma golfada de agressividade, e apesar de uma amenizada com vocais limpos, a levada de baixo e bateria mantém aquela velha aura da banda, mantendo o trabalho consensual com suas raízes. A música "Axioma", de apenas dois minutos, é apenas uma narrativa com vozes bem baixas e sons de sintetizadores, dando aquela velha climática Viking tão característica do ENSLAVED.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Giants" inicia com um clima mais tenebroso, com riffs e levada bem lentos, e o clima ainda é mais aterrorizante mais adiante, graças aos vocais rasgados graves de Grutle alternado com os limpos, e os teclados dão aquela sensação de filme de horror, embora existam momentos mais polidos. Apesar dos vocais extremamente rasgados que abrem a música, "Singular" é bonita e bem trabalhada, com belos duetos vocais e teclados bem psicodélicos. No início de "Night Sight", ficam claras influências de bandas de Rock Progressivo, bem como aquela psicodelia sonora tão característica do final dos anos 60 e do início dos 70, unida ao peso do Black Metal da banda, o que faz dela, de longe, a faixa mais progressiva e bonita do CD inteiro, e os mesmos elementos estão presentes em "Lightening", sendo esta um pouco mais agressiva e o andamento é mais rápido que a anterior, fechando assim este belo CD.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Se alguém está em busca do que a banda fazia nos seus primeiros trabalhos, irá encontrar, bem como novos fãs terão acesso a uma excelente banda que ainda não teve seu real valor reconhecido por muitos.

Recomendo sem medo.

Tracklist:
01. Ethica Odini
02. Raidho
03. Waruun
04. The Beacon
05. Axioma
06. Giants
07. Singular
08. Night Sight
09. Lightening

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Enslaved: frontman detona a série "Vikings"

Post-Black Metal: uma lista com dez álbuns para conhecer o confuso rótulo

Viking metal: 20 álbuns que definem a evolução do estilo

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.