God Dethroned: canções brutais, mas com melodias

Resenha - Passiondale - God Dethroned

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


O holandês God Dethroned fatalmente conseguiu dividir as opiniões desde que começou a investir cada vez mais nas melodias em seu furioso Black / Death / Thrash Metal, o que culminou no muito bom "The Toxic Touch", de 2006. Com o retorno de Roel Sanders para o posto da bateria e Susan Gerl (Murder Syndicate) assumindo agora a guitarra, o grupo está chegando a seu oitavo álbum, o conceitual "Passiondale".

Noisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metalReligião: os rockstars que se converteram

O nome deste disco deriva da cidade Passchendaele, de seu próprio país natal, que foi devastada na I Guerra Mundial no ano de 1917, em um dos inúmeros combates da Tríplice Entente (Inglaterra, França e o Império Russo) contra a expansão alemã e austro-húngara pela Europa. Nada de opinião política ou culpar alguém pelos horrores da guerra, apenas exposição de fatos históricos cuja euforia homicida levou aproximadamente 500 mil soldados para a cova em menos de quatro meses – e agora imaginem a estatística relativa aos civis...

Aqueles que acharam a proposta de seu último álbum incoerente em função das ‘excessivas’ doses de melodias, tão impensáveis aos velhos fãs, talvez venham a apreciar mais "Passiondale", onde a presença da música brutal é um pouco mais forte. Mais forte, mas também longe de ser a regra, pois a corrente melódica ainda persiste com muitos arranjos passionais habilmente inseridos ao longo dos quase 40 minutos de audição.

Entre o tradicional e o moderno, a fúria e a amargura, todo o drama vai se desenrolando com a energia que somente as grandes bandas de Heavy Metal podem proporcionar. As agressivas "Under A Darkening Sky" e "Drowning In Mud" mostram toda uma precisão de riffs; ou as vozes limpas em meio à selvageria de "Poison Fog" e "No Survivors" (ótimo solo!) garantem uma dinâmica toda especial ao repertório… O God Dethroned preparou muita coisa boa por aqui!

Um álbum bastante recomendável a qualquer um que aprecie canções brutais, mas com melodias suficientes para manter um conjunto afastado do segmento realmente extremo da música. "Passiondale" é um disquinho importado e, conseqüentemente, caro. Mas se o leitor é amante do estilo, fica a certeza de que vale cada centavo empregado na aquisição.

Formação:
Henri Sattler - voz e guitarra
Susan Gerl - guitarra
Henk Zinger - baixo
Roel Sanders - bateria

God Dethroned – Passiondale
(2009 / Metal Blade Records – importado)

01. The Cross Of Sacrifice
02. Under a Darkening Sky
03. No Man’s Land
04. Poison Fog
05. Drowning In Mud
06. Passiondale
07. No Survivors
08. Behind Enemy Lines
09. Fallen Empires
10. Artifacts Of The Great War

Homepage: www.goddethroned.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Noisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metalNoisecreep
Os 10 clipes mais assustadores do heavy metal

Religião: os rockstars que se converteramReligião
Os rockstars que se converteram


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin