Pyramaze: não soar genérico é cada vez mais desafiador

Resenha - Legend Of The Bone Carver - Pyramaze

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Quase desconhecidos pela grande maioria dos fãs de metal e praticamente ignorados pela imprensa especializada, os dinamarqueses do Pyramaze apareceram para o público quando a notícia que Matthew Barlow (que voltou para o Iced Earth e já gravou o novo "Crucible Of Man") iria gravar o mais novo CD do grupo, "Immortal" (2008, já lançado), foi divulgada.

Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaLemmy Kilmister: "Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Mais maduro, o Pyramaze conseguiu trabalhar as partes progressivas sem soar pretensioso e uniu as melodias épicas aos andamentos quebrados sem perder suas influências de Power Metal, com um resultado promissor, que mostra uma evolução em relação a "Melancholy Beast", lançado em 2004.

"Legend Of The Bone Carver" (2006) ainda traz o bom Lance King (mais conhecido pelos seus trabalhos com o Balance Of Power) comandando os vocais, em sua melhor performance desde Perfect Balance, de sua antiga banda. Os teclados de Jonah Weingarten se sobressaem criando texturas sombrias, ajudados pelas competentes guitarras de Michael Kammeyer e Toke Skjonnemand.

Com músicas mais curtas (somente "Tears Of Hate" chega aos 6 minutos de duração), o álbum, conceitual, aposta em climas e refrãos pomposos, tornando-se melhor a cada audição, principalmente pela quantidade de nuances, variações e complexidade dos arranjos - nada que os fãs de prog não estejam acostumados (mas que pode surpreender quem esperava algo mais direto).

Mesmo pecando pela falta de originalidade, a história, que conta mais uma vez a eterna briga entre o bem e o mal, é bem representada nas 10 faixas que compõem a obra e é de fácil compreensão.

Os destaques ficam por conta das boas "What Lies Beyond", "Ancient Words Within", "The Bone Carver", "Bring Back Life" e da balada "She Who Summoned Me" (com um belo dueto de King com a vocalista convidada Christina Oberg), que conseguem unir as melhores qualidades da banda em composições sólidas - mas que ainda buscam uma identidade própria, o maior problema do Pyramaze.

Mesmo conseguindo reconhecimento internacional, a banda ainda terá que lutar para se sobressair no complicado mercado do metal progressivo - uma difícil tarefa onde não soar genérico é cada vez mais desafiador.

http://www.pyramaze.com/


Outras resenhas de Legend Of The Bone Carver - Pyramaze

Pyramaze: a nova investida de Matthew BarlowPyramaze: Prog Metal com vocal melódicoPyramaze: a banda antes da entrada de Matt Barlow




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Pyramaze"


Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaDio
As músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Mulheres no Rock: as mais importantes segundo rádio inglesaMulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com

Bruce Dickinson: Prefiro errar letras a usar monitores!Bruce Dickinson
"Prefiro errar letras a usar monitores!"

Black Sabbath: Ozzy explica por que o 1° disco é tão bomBlack Sabbath
Ozzy explica por que o 1° disco é tão bom

Fotos de Infância: Layne Staley, do Alice In ChainsFotos de Infância
Layne Staley, do Alice In Chains


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336