Resenha - Death Magnetic - Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Eu não sou um crítico musical, muito pelo contrário. Sou apenas um fã de música que, como qualquer pessoa, tem preferência por esse ou aquele estilo, essa ou aquela banda. A única coisa que me faz, quem sabe, um pouco diferente da maioria, é o fato de que, além de fã, eu também escrevo para o Whiplash. Porque eu estou dizendo isso? Para que você, antes de ler essa resenha, saiba que ela não tem a menor pretensão de analisar tecnicamente o novo álbum do Metallica, mas sim apenas expressar a minha opinião pessoal, como fã e consumidor de heavy metal, sobre o novo trabalho do grupo.
4578 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher

“Death Magnetic” me soou como um tapa (bem dado , diga-se de passagem) na orelha. Pesado, repleto de riffs que são puro thrash metal oitentista, palhetadas em profusão, linhas vocais que lembram os melhores momentos de James Hetfield. Kirk Hammett está solando muito bem, a maioria das vezes usando o seu pedal wah-wah com a competência habitual. Robert Trujillo finalmente encontrou espaço para fazer o seu trabalho, e mostra que foi a escolha certa para o grupo, com linhas de baixo que acrescentam ainda mais peso às bases de Hetfield. E Lars Ulrich, apesar de ainda estar longe do fenomenal baterista que um dia já foi, entrega em “Death Magnetic” a sua melhor performance em anos.

A produção de Rick Rubin foi fundamental para o resultado final de “Death Magnetic”. O veterano e mítico produtor soube fazer a banda se reencontrar, fazendo-a soar novamente como Metallica, e não como um banda de veteranos deslocados no tempo que tentavam soar moderninhos mas só conseguiam ser patéticos (sim, estou falando do “St Anger”, caso você não tenha ligado o nome à pessoa).

Todo e qualquer fã que tenha acompanhado a carreira do Metallica se empolgará com as músicas de “Death Magnetic”. Isso é um fato, simples e claro. “That Was Just Your Life” abre o disco com o pé direito, com um dedilhado de guitarra que nos leva de volta aos anos mágicos do thrash metal. Seu riff principal já deixa claro que estamos diante de um trabalho especial. Há muito tempo, desde um passado muito, muito distante, James Hetfield não tocava bases tão empolgantes como as que saem dos alto-falantes. Agressiva, a música mostra um Metallica surpreendente, que em nada lembra o passado recente do grupo. Nem parece que estamos ouvindo a mesma banda que cometeu equívocos como “St Anger” e pretensões descabidas como “Load”. A parte final da música, mais precisamente a partir dos 5:50, arrepia qualquer fã de heavy metal, com grandes melodias de guitarra que fazem a esperança que sempre mantivemos em relação ao grupo se renovar.

“The End Of The Line” mantém o nível do disco lá em cima. Mais uma vez privilegiando as palhetadas de Hetfield, com um timbre pesadíssimo, essa música deve ser um das preferidas dos fãs, principalmente por conter linhas vocais muito semelhantes a clássica “Master of Puppets”, de 1986. Ouça, comprove e, por favor, não se contenha, saia batendo cabeça mesmo!!!

“Broken, Beat & Scarred” é densa e traz guitarras muito bem trabalhadas, como há um bom tempo o Metallica não fazia. Com uma levada cativante, soa refrescante, deixando evidente o quanto o grupo estava afiado durante as gravações de “Death Magnetic”. Mais uma vez as bases de Hetfield ganham destaque, soando pesadíssimas e preenchendo o som do Metallica como nos bons tempos. Sabe aquelas músicas em que você acompanha os riffs sem nem mesmo perceber? Isso acontece aqui, e a razão é uma só: eles estão tão ligados a essência do heavy metal (que Hetfield e Hammett foram fundamentais no seu desenvolvimento, diga-se de passagem) que é como se você estivesse reencontrando aquele velho amigo que não via há anos, mas que, mesmo assim, sabe exatamente o que vai falar e como vai se comportar. E, sinceramente, é muito bom ouvir o Metallica soando novamente como o Metallica.

A banda tira o pé do acelerador em “The Day That Never Comes”, balada muito bem feita e que tem uma estrutura que segue a fórmula desenvolvida com brilhantismo ímpar pelo Metallica em clássicos como “Fade To Black” e “Welcomo Home (Sanitarium)”. O arranjo vai crescendo até o seu ápice, onde o grupo engata uma quinta, entregando riffs e solos em sequência. Aliás, notem como lá pelos quatro minutos, “The Day That Never Comes” torna-se muito semelhantes a “Welcome Home (Sanitarium)”, inclusive no timbre das guitarras. Mais para frente, mais precisamente nos 4:55, a banda faz uma referência a si mesma, com uma base que é totalmente “One”, do álbum “… And Justice For All”. Ou seja, como você já deve ter imaginado, “The Day That Never Comes” é uma das melhores faixas de “Death Magnetic”.

Já “All Nightmare Long” é uma das composições mais agressivas do álbum. Seu riff e sua estrutura tem um clima bem “Kill´Em All”, mais crus e diretos. Pedrada, soco no estômago, dona de um grande refrão, é um daquelas músicas que abrem rodas nos shows, com os fãs chocando-se uns contra os outros.

Por outro lado, “Cyanide” vem gerando algumas discussões entre os fãs mais radicais, principalmente por causa da sua estrutura mais “pop”, se esse termo for possível de ser encaixado aqui. Na verdade, “Cyanide” se difere das outras músicas de “Death Magnetic” por não ter características thrash metal, mas sim por investir naquele hard rock tipicamente Metallica, pesado, com bases e melodias matadoras, bem “on the road”. Fazendo uma comparação, ela é uma composição na linha da ótima “I Disappear”, gravada pelo grupo em 2000 para a trilha do filme “Missão Impossível 2”. Como curiosidade, preste atenção na linha de baixo tocada por Robert Trujillo aos 4:50 e identifique mais um clássico oitentista do grupo.

“The Unforgiven III” dá início à parte final de “Death Magnetic”. Introduzida por um piano bem climático, amparado por sutis arranjos de cordas, mantém a característica sinfônica das duas primeiras partes de “Unforgiven”, assim como deve tocar bastante nas rádios, já que parece ser uma canção composta com o firme propósito de promover o disco nos mais diversos canais disponíveis. Pra falar a verdade, achei uma faixa bem fraquinha, deslocada do restante do álbum, isso sem falar que forçaram a barra com o título, tentando fazer uma ligação com o passado em uma música que não tem nenhum elemento que justifique essa ponte.

A pesadíssima “The Judas Kiss” tem um belo riff e uma estrutura quebrada, que se completa com um refrão repleto de melodia e bastante dramático. Hetfield canta como nos velhos tempos, com tesão e raiva, mas o principal destaque desta faixa são as guitarras, tanto as bases animais de James quanto o solo característico de Kirk, repleto de wah-wah, com Hammett debulhando tudo.

A instrumental “Suicide & Redemption” traz um título que soa como um sinal de tudo que a banda passou nos últimos anos. É como se, ao invés de imagens que dispensam palavras, em seu lugar fossem colocadas notas musicais que falam por si só. Longa, com praticamente dez minutos de duração, é uma das minhas faixas prediletas de “Death Magnetic”, soando como uma inspirada jam de estúdio entre os integrantes do grupo. É digna de nota a belíssima passagem que acontece a partir dos 3:40, onde a música fica mais lenta e Kirk Hammett toca um simples mas lindo solo.

“Death Magnetic” fecha com a sua melhor música. “My Apocalypse” é irmã gêmea de “Damage Inc.”, faixa que encerra “Master of Puppets”, de 1986. Sabe aquele seu amigo que vive dizendo que o Metallica está morto há tempos? Pois bem, tranque ele na sala, amarre-o no sofá, coloque os fones de ouvido no indivíduo e dê play em “My Apocalypse”. Total mescla de thrash de meados dos anos oitenta com toques atuais, mostra que o Metallica está vivo, forte, inspirado e ainda pode ser relevante para o metal.

Gostei muito do álbum. É, com sobras, o melhor trabalho do grupo deste o “Black Album”, de 1991. Um grande e cativante disco, que agradará todo e qualquer fã que cresceu junto que o grupo e que esperou longos dezoito anos para ver a banda soar novamente como Metallica.

Ia dar uma nota oito, mas esse retorno aos trilhos merece mais, por isso a nota que “Death Magnetic” ganha é um estrondoso e enorme 9, resultado de suas ótimas composições e do caminho promissor que aponta para o futuro do grupo.

O Metallica acordou. Saiam do caminho.

Faixas:
1. That Was Just Your Life
2. The End Of The Line
3. Broken, Beat & Scarred
4. The Day That Never Comes
5. All Nightmare Long
6. Cyanide
7. The Unforgiven III
8. The Judas Kiss
9. Suicide & Redemption
10. My Apocalypse

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Death Magnetic - Metallica

5000 acessosMetallica: Depois de três pisadas na bola, chamaram Rubin5000 acessosMetallica: suicídio e redenção é o que eles precisavam5000 acessosResenha - Death Magnetic - Metallica5000 acessosMetallica: da estranha veneração ao suntuoso apedrejamento5000 acessosMetallica: Sim, a banda está viva com "Death Magnetic"5000 acessosResenha - Death Magnetic - Metallica5000 acessosMetallica: primeiras impressões sobre o novo álbum5000 acessosTradução - Death Magnetic - Metallica

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
James Hetfield fala sobre a sensação Ghost

MetallicaMetallica
Por que Ecstasy of Gold abre os shows?

MetallicaMetallica
Newsted diz que voltaria à banda por muito dinheiro

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Cannibal CorpseCannibal Corpse
O impressionante pescoço gigante de George Fisher

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Feias que me perdoemFeias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

5000 acessosAutismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismo5000 acessosDerek Riggs: "Eddie vende mais do que Mickey Mouse"5000 acessosNot Troo: João Gordo posta foto com James Hetfield na Disney5000 acessosKeith Richards: "Odeio música eletrônica! O mundo digital deixa as pessoas burras!"4277 acessosRandy Rhoads: O Garoto Kiko faz tributo na NAMM 20165000 acessosKiko Loureiro: guitarrista fala sobre suas influências

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online