Meshuggah: obra mais cautelosa em sua abordagem

Resenha - ObZen - Meshuggah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Com uma trajetória que já ultrapassa duas décadas, os álbuns do colosso Meshuggah sempre causaram impacto no cenário, tanto que não se conhecem muitas bandas com a intrigante, caótica e inesperada personalidade musical dos suecos. E "ObZen" é mais uma obra que, mesmo mais cautelosa em sua abordagem, novamente comprova que a criatividade e técnica do pessoal continua sem dar mostras de cansaço.

Nickelback: as bandas de heavy metal que Mike Kroeger mais gostaLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ainda que bem mais simples que o antecessor e claustrofóbico "Catch Thirty Three" (05), seu novo disco segue aquele padrão raramente convencional ou melódico, tão característico na sonoridade do Meshuggah. O leitor que acompanha a discografia do grupo encontrará em "ObZen" algumas similaridades com "Destroy Erase Improve" (95) e "Nothing" (02), parcialmente mescladas à atordoante faceta industrial e progressiva do já mencionado último disco. Isso, aliado a uma produção muito límpida - que até permite certa margem para se acessar um público mais amplo - torna-se uma combinação interessantíssima e brutal.

Além de muitos riffs matadores no decorrer do disco, outro ponto a ressaltar é o uso de uma bateria de verdade (demorou!), o que vem a corrigir a sensação mais artificial causada pela bateria programada tão utilizada anteriormente - aquele software criado pelo próprio baterista Tomas Haake, que acabou ficando conhecido como 'Drumkit From Hell', lembram-se?

Talvez a canção que venha a ser unanimidade entre os ouvintes seja a abertura apropriadamente chamada "Combustion", em especial pela sua simplicidade que a torna diferente dos ritmos mais complexos do restante do repertório. Outras excelentes músicas são "Electric Red", as velozes "Bleed" e "Pineal Gland Optics".

"ObZen" possui faixas muito diversificadas e que abrangem as mais variadas fases musicais da carreira do conjunto. Assim, é um trabalho que ajudará a entender mais facilmente a relevância do nome Meshuggah por aqueles que não tiveram a oportunidade de conhecer sua sonoridade, além de também ter grandes chances de ser devidamente apreciado por quem admirou o que os suecos fizeram no passado e não digeriram muito bem o tal último registro, uma anomalia vanguardista que dividiu tantas opiniões.

Formação:
Jens Kidman - voz
Fredrik Thordendal - guitarra e sintetizadores
Mårten Hagström - guitarra
Dick Lövgren - baixo
Tomas Haake - bateria

Meshuggah - ObZen
(2008 - Nuclear Blast Records / Icarus Music - nacional)

01. Combustion
02. Electric Red
03. Bleed
04. Lethargica
05. ObZen
06. This Spiteful Snake
07. Pineal Gland Optics
08. Pravus
09. Dancers To A Discordant System

Homepage: www.meshuggah.net




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Meshuggah"


Nickelback: as bandas de heavy metal que Mike Kroeger mais gostaNickelback
As bandas de heavy metal que Mike Kroeger mais gosta

Metal Progressivo: os 25 melhores álbuns de todos os temposMetal Progressivo
Os 25 melhores álbuns de todos os tempos

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Metallica: ouça Nothing Else Matters em escala maiorMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior


Sobre Ben Ami scopinho

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Ben Ami scopinho no Whiplash.Net.

adGoo336