Legion Of The Damned: clássico Heavy contemporâneo

Resenha - Sons Of The Jackal - Legion Of The Damned

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


Classificar "Sons Of The Jackal", segundo álbum da banda holandesa Legion Of The Damned, como um trabalho excelente com potencial para se transformar em um clássico moderno do Death e do Thrash Metal não soa como exagero. O que estes cinco rapazes conseguiram fazer nas dez faixas do disco beira à perfeição, com um nível de qualidade que coloca o grupo como um dos principais nomes da atual geração.

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroDeuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos eles

Formado em 2005 na cidade de Geldrop, a banda já havia dado pistas do que estava por vir com "Malevolent Rapture", lançado em 2006. Ali já estavam as características que fazem o som do Legion Of The Damned agradar de imediato qualquer headbanger: riffs inspirados e pesadíssimos, na melhor escola do Death/Thrash da Bay Area; vocais repletos de energia e agressividade; e uma cozinha que transborda groove, fazendo com que o som do grupo pulse como um gigante preparado para a guerra.

Extremamente bem aceito, tanto pela crítica especializada como pelos fãs, "Sons Of The Jackal" já mostra a sua força de cara, na abertura com a faixa-título. As composições exploram com grande talento as melhores características dos estilos pelos quais sua música trafega, o Death e Thrash Metal, e isso fica escancarado à medida que as faixas vão se sucedendo. "Avenging Archangel", "Death Is My Master (Slay for Kali)", "Sepulchral Ghoul", "Infernal Wrath" e "Diabolist" são alguns dos destaques, mas indicar essa ou aquela música como principal soa como um equívoco, já que muito da força do disco está no conjunto avassalador criado pela união de suas composições. Ouvi-lo em sequência, faixa após faixa, é uma experiência recomendadíssima tanto para quem está dando seus primeiros passos pelo estilo quanto para os metalheads mais experientes.

Ouça você mesmo, e confira porque o que escrevi no primeiro parágrafo a respeito do potencial de "Sons Of The Jackal" de se transformar em um clássico contemporâneo do Heavy Metal não é um exagero.

Recomendadíssimo.

Faixas:
1. Son of the Jackal
2. Undead Stillborn
3. Avenging Archangel
4. Death Is My Master (Slay for Kali)
5. Sepulchral Ghoul
6. Seven Heads They Slumber
7. Infernal Wrath
8. Atomicide
9. Ten Horns Arise
10. Diabolist


Outras resenhas de Sons Of The Jackal - Legion Of The Damned

Legion Of The Damned: poder e fúria




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Legion Of The Damned"


Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Deuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos elesDeuses do Rock
O tempo passa para (quase) todos eles

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Iron Maiden: quinze canções que definem a bandaIron Maiden
Quinze canções que definem a banda

Megadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por MustaineMegadeth
As pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine

Metallica: Orion Music foi um desastre financeiro, diz JamesMetallica
Orion Music foi um "desastre financeiro", diz James

Alice Cooper: Ke$ha é a versão feminina de Robert PlantAlice Cooper
"Ke$ha é a versão feminina de Robert Plant"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336