Dissection: diferente do Black Metal de outrora

Resenha - Reinkaos - Dissection

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


A história de "Reinkaos" (Retorno ao Caos), o terceiro álbum de estúdio do sueco Dissection, possui uma trajetória bastante peculiar, pois suas canções foram compostas dentro de uma prisão, entre 1997 e 2004, época em que o vocalista e guitarrista Jon Nödtveidt cumpria pena por seu envolvimento no assassinato de um homossexual. Após o álbum ter sido lançado, o controvertido frontman já deixou claro que este seria o derradeiro registro da banda e, para encerrar as polêmicas, basta dizer que algum tempo depois Nödtveidt se suicidou, fato amplamente divulgado pela imprensa de todo o globo.

Indústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTV

A prioridade de "Reinkaos" nunca foi a música propriamente dita, e sim a divulgação do MLO (Misanthropic Luciferian Order), linha de pensamento que prega basicamente a aceleração da destruição total para retornarmos ao caos informe do qual descende o universo. Esta forma de pensar possui muitas características de outras culturas milenares, tanto que o próprio Dissection aborda o tema de forma figurada em várias canções, como nas excelentes "Black Dragon", "Dark Mother Divine" e "Maha Kali".

Musicalmente "Reinkaos" se mostra bem diferente do furioso Black Metal de outrora. Esqueça a velocidade, os famosos ‘blast beats’ ou a produção mais crua... A orientação agora está bem mais lenta e melódica, com arranjos relativamente básicos mesclados a partes mais técnicas, e se aproxima muito do famoso som de Gothenburg. Apesar de soar similar a uma infinidade de outras bandas, o grande mérito do Dissection por aqui é a vazão de sentimentos. Apesar de obscuro e bastante ríspido – em especial as vocalizações – há uma grande sensação de melancolia permeando todo o disco.

Independente de tudo o que aconteceu antes e depois do lançamento de "Reinkaos", o fato é que este é um belo álbum, dono de melodias pegajosas, com muitos riffs e solos bem elaborados. E quanto às letras? Bom, são mais interessantes do que boa parte das bandas "satanistas" que há por aí... E como a edição nacional traz como bônus um vídeo clip para "Starless Afon", aumenta ainda mais o estímulo para qualquer um que aprecie Heavy Metal conhecer este trabalho.

Alguns comentaram que "Reinkaos" se tornou um clássico imediato pelo fato de Jon Nödtveidt ter se suicidado. Duvido. Muitos dos antigos fãs dizem que o Dissection destruiu seu legado ao liberar um disco tão acessível, enquanto outros associam o nome da banda apenas a um músico cuja formação pessoal foi tão confusa que o levou ao suicídio.

E é bom lembrar que em alguns países europeus o suicídio entre os jovens é algo tão freqüente, que é considerado há tempos como um caso de saúde pública. Entendem o que isto quer dizer?

Formação:
Jon Nödtveidt - Voz e Guitarra
Sethlans Teitan - Guitarra
Tomas Asklund - Bateria

Dissection – Reinkaos
(2006 / Black Horizon Music – 2007 / Somber Music – nacional)

01. Nexion 218
02. Beyond The Horizon
03. Starless Aeon
04. Black Dragon
05. Dark Mother Divine
06. Xeper-I-set
07. Chaosophia
08. God Of Forbidden
09. Reinkaos
10. Internal Fire
11. Maha Kali

Homepage: www.dissection.nu


Outras resenhas de Reinkaos - Dissection

Dissection: o legado de um músico controverso




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dissection: Jon Nödtveidt se suicidou em ritual satânicoDissection
Jon Nödtveidt se suicidou em "ritual satânico"

Megadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicasMegadeth
Mustaine fala sobre bandas satânicas


Indústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendemIndústria
17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVIron Maiden
Os fãs mais insuportáveis em lista da MTV


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin