Dissection: o legado de um músico controverso

Resenha - Reinkaos - Dissection

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Desde o seu início, em 1989, o Dissection sempre chamou a atenção, tanto da crítica especializada quanto dos fãs. Os problemas extra-musicais que levaram seu líder e principal compositor, o vocalista e guitarrista Jon Nodveidt, a passar longos sete anos (1997 a 2004) na prisão pelo assassinato de um homossexual na Suécia, pareciam superados quando Nodveidt deixou o cárcere e, consequentemente, o Dissection retomou suas atividades.

5000 acessosHeavy Metal: as 10 introduções mais matadoras do estilo5000 acessosTop 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone


Shows foram realizados, o grupo sentiu novamente o sabor do contato com o público, colocou o DVD “Rebirth Of Dissection” no mercado e, em 2006, finalmente lançou seu terceiro disco, “Reinkaos”, o sucessor do clássico “Storm The Light´s Bane”, de 1995 (merece uma conferida também o debut dos caras, “The Somberlain”, lançado em 1993).

Tudo parecia tranquilo, quando, sem aviso, os fãs e a mídia foram surpreendidos com o anúncio do suicídio de Jon Nodveidt, em agosto de 2006. Você já parou para perceber o que isso significa? O impacto da morte de Nodveidt pode não ser a mesma do caos causado quanto Varg Vikernes assassinou Euronymous em 1993, mas gerou, e ainda gera, muitas consequências. A mais óbvia, e direta, foi o encerramento das atividades do Dissection. A segunda, e talvez a principal, é a transformação do guitarrista em símbolo maior de uma crença, hoje presente em todo o mundo e tendo como principal veículo o tão falado MLO – Misanthropic Luciferian Order. E uma terceira diz respeito às onze faixas presentes em “Reinkaos”.

A atitude de Jon em relação a sua própria vida transformou “Reinkaos”, simultaneamente, em seu testamento musical e no manifesto maior de tudo aquilo em que ele acreditava. Independente de simpatizar ou condenar as atitudes de Nodveidt, o fato é que, cercado por todas essas circunstâncias, “Reinkaos” se transformou, desde o seu lançamento, em um clássico instantâneo.

Liricamente, suas letras levam a crença de Nodveidt até seus fãs, com as músicas servindo como instrumentos de propaganda para o MLO. Mas musicalmente, que é o que chama mais a atenção, o disco traz um Dissection soando totalmente diferente dos seus dois registros anteriores. O que sai das caixas é um death metal melódico similar ao que grupos como o Arch Enemy, por exemplo, estão executando, só que carregado por uma aura sombria, presente tanto nas vocalizações de Jon quanto nas melodias das canções (isso sem falar das letras …).

Não há em “Reinkaos” nenhum blast beat, por exemplo. As canções são mais lentas, o que evidenciou a melodia, elemento que já estava presente nos discos antigos do Dissection. Várias das faixas de “Reinkaos” possuem refrãos grudentos, e que agradam de imediato, como é o caso de “Black Dragon”, “Dark Mother Divine” e, principalmente, “Xepe-I-Set” e “Starless Aeon”.

O peso é outro elemento que chama a atenção, pois o timbre da guitarra de Jon soa cortante, despejando riffs e solos inspirados. Gostei bastante também da performance do baterista Tomas Asklund, muito seguro e inserindo diversas viradas em suas levadas. Completa a formação do disco o baixista Set Teitan.

Além das canções que citei acima, outros destaques são “Beyond The Horizon”, “Reinkaos” e “Maha-Kali”, mas o disco possui uma grande força, com as canções encaixando-se perfeitamente e funcionando muito bem em conjunto.

A versão nacional, lançada pela Somber Music, merece ser destacada, já que conta com um belo slipcase e um longo encarte, além de trazer, como bônus, o clipe para “Starless Aeon”.

O suicídio de Jon Nodveidt encerrou não só a sua vida, mas também a do Dissection. É uma pena, pois “Reinkaos” possuía força suficiente para colocar a banda em outro nível. Agora, ganhará status de obra mítica, como o último manifesto de um dos músicos mais controversos que o heavy metal conheceu.

Faixas:
1. Nexion 218
2. Beyond The Horizon
3. Starless Aeon
4. Black Dragon
5. Dark Mother Divine
6. Xepe-I-Set
7. Chaosophia
8. God Of Forbidden Light
9. Reinkaos
10. Internal Fire
11. Maha-Kali

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Reinkaos - Dissection

3751 acessosDissection: diferente do Black Metal de outrora

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dissection"

Já tem 20 anos!Já tem 20 anos!
Os dez melhores álbuns de metal de 1995

Metal ExtremoMetal Extremo
Os 25 melhores álbuns de todos os tempos

MegadethMegadeth
Mustaine comenta sobre antiga formação e satanismo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dissection"

Heavy MetalHeavy Metal
As 10 introduções mais matadoras do estilo

Top 500Top 500
As melhores músicas da história segundo a Rolling Stone

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

5000 acessosFotos de Infância: Robert Plant, do Led Zeppelin5000 acessosBatismo: Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal5000 acessosGaleria - Tatuagens em homenagem ao Guns N' Roses5000 acessosHeavy Metal: os 10 maiores hinos de todos os tempos5000 acessosNu-Metal: as quarenta melhores músicas do estilo4659 acessosMastodon: "Percebemos que os vocais são o ponto fraco da banda"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online