Matérias Mais Lidas

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemJulian Lennon relembra quando Paul McCartney escreveu "Hey Jude" para ele

imagemRandy Rhoads gostava de tocar as músicas do Black Sabbath?

imagemTony Iommi: surpreendendo ao eleger seu "Deus do Rock"

imagemA opinião de Rita Lee sobre a fenomenal Cássia Eller

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemAmilcar Christófaro diz que chegou a sondar Vitor Rodrigues para retornar ao Torture Squad

imagemNoel Gallagher revela seu único arrependimento em sair do Oasis

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemTuomas Holopainen achou que o Nightwish fosse acabar após saída de Marko Hietala

imagemDicionário do Metal: cinco bandas com a letra A


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Dissection: o legado de um músico controverso

Resenha - Reinkaos - Dissection

Por Ricardo Seelig
Postado em 08 de maio de 2007

Nota: 9

Desde o seu início, em 1989, o Dissection sempre chamou a atenção, tanto da crítica especializada quanto dos fãs. Os problemas extra-musicais que levaram seu líder e principal compositor, o vocalista e guitarrista Jon Nodveidt, a passar longos sete anos (1997 a 2004) na prisão pelo assassinato de um homossexual na Suécia, pareciam superados quando Nodveidt deixou o cárcere e, consequentemente, o Dissection retomou suas atividades.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Shows foram realizados, o grupo sentiu novamente o sabor do contato com o público, colocou o DVD "Rebirth Of Dissection" no mercado e, em 2006, finalmente lançou seu terceiro disco, "Reinkaos", o sucessor do clássico "Storm The Light´s Bane", de 1995 (merece uma conferida também o debut dos caras, "The Somberlain", lançado em 1993).

Tudo parecia tranquilo, quando, sem aviso, os fãs e a mídia foram surpreendidos com o anúncio do suicídio de Jon Nodveidt, em agosto de 2006. Você já parou para perceber o que isso significa? O impacto da morte de Nodveidt pode não ser a mesma do caos causado quanto Varg Vikernes assassinou Euronymous em 1993, mas gerou, e ainda gera, muitas consequências. A mais óbvia, e direta, foi o encerramento das atividades do Dissection. A segunda, e talvez a principal, é a transformação do guitarrista em símbolo maior de uma crença, hoje presente em todo o mundo e tendo como principal veículo o tão falado MLO – Misanthropic Luciferian Order. E uma terceira diz respeito às onze faixas presentes em "Reinkaos".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A atitude de Jon em relação a sua própria vida transformou "Reinkaos", simultaneamente, em seu testamento musical e no manifesto maior de tudo aquilo em que ele acreditava. Independente de simpatizar ou condenar as atitudes de Nodveidt, o fato é que, cercado por todas essas circunstâncias, "Reinkaos" se transformou, desde o seu lançamento, em um clássico instantâneo.

Liricamente, suas letras levam a crença de Nodveidt até seus fãs, com as músicas servindo como instrumentos de propaganda para o MLO. Mas musicalmente, que é o que chama mais a atenção, o disco traz um Dissection soando totalmente diferente dos seus dois registros anteriores. O que sai das caixas é um death metal melódico similar ao que grupos como o Arch Enemy, por exemplo, estão executando, só que carregado por uma aura sombria, presente tanto nas vocalizações de Jon quanto nas melodias das canções (isso sem falar das letras …).

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

Não há em "Reinkaos" nenhum blast beat, por exemplo. As canções são mais lentas, o que evidenciou a melodia, elemento que já estava presente nos discos antigos do Dissection. Várias das faixas de "Reinkaos" possuem refrãos grudentos, e que agradam de imediato, como é o caso de "Black Dragon", "Dark Mother Divine" e, principalmente, "Xepe-I-Set" e "Starless Aeon".

O peso é outro elemento que chama a atenção, pois o timbre da guitarra de Jon soa cortante, despejando riffs e solos inspirados. Gostei bastante também da performance do baterista Tomas Asklund, muito seguro e inserindo diversas viradas em suas levadas. Completa a formação do disco o baixista Set Teitan.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além das canções que citei acima, outros destaques são "Beyond The Horizon", "Reinkaos" e "Maha-Kali", mas o disco possui uma grande força, com as canções encaixando-se perfeitamente e funcionando muito bem em conjunto.

A versão nacional, lançada pela Somber Music, merece ser destacada, já que conta com um belo slipcase e um longo encarte, além de trazer, como bônus, o clipe para "Starless Aeon".

O suicídio de Jon Nodveidt encerrou não só a sua vida, mas também a do Dissection. É uma pena, pois "Reinkaos" possuía força suficiente para colocar a banda em outro nível. Agora, ganhará status de obra mítica, como o último manifesto de um dos músicos mais controversos que o heavy metal conheceu.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Faixas:
1. Nexion 218
2. Beyond The Horizon
3. Starless Aeon
4. Black Dragon
5. Dark Mother Divine
6. Xepe-I-Set
7. Chaosophia
8. God Of Forbidden Light
9. Reinkaos
10. Internal Fire
11. Maha-Kali


Outras resenhas de Reinkaos - Dissection

Resenha - Reinkaos - Dissection

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Lift Detox
Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Spotify: a música mais tocada de 20 bandas de metal extremo

Mayhem: cristianismo não é uma ameaça, mas sim o islamismo

Spotify: a música mais tocada de 20 bandas de metal extremo

Slayer: dez melhores covers de músicas da banda

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Os dez maiores picaretas da música internacional


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.