Megadeth: em um nível superior aos últimos anos

Resenha - United Abominations - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se você é um fã dos álbuns “Rust In Peace”, “Countdown To Extinction”, “Youthanasia” e “Cryptic Writings”, você é um cara feliz, porque o Megadeth voltou a fazer um som similar ao encontrado nesses quatro discos.
3337 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosThe Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

A mudança de gravadora (“United Abominations” é o primeiro trabalho da banda pela Roadrunner) e a estréia de um novo line-up inspiraram Dave Mustaine, que compôs um disco excelente, com um nível de qualidade muito superior a tudo o que vinha fazendo nos últimos anos.

O retorno a uma sonoridade mais clássica, repleta de elementos de Thrash Metal que andavam ausentes nos discos mais recentes, foi fundamental para o ótimo resultado final alcançado por Mustaine e companhia em “United Abominations”. O álbum transborda os riffs e solos característicos da banda, e traz seu líder com um discurso sedento e raivoso a respeito da situação atual nos Estados Unidos.

Esse aspecto de “United Abominations” merece até um parágrafo a parte. Não sou daqueles fãs que ligam muito para o que seus artistas preferidos dizem em suas letras. Sempre me fixei mais na música, nas melodias, nos refrões, do que no discurso. Talvez seja por isso que eu tenha passado incólume por polêmicas recentes, como a que cercou o excelente “The Glorious Burden”, do Iced Earth, que também trazia um escancarado manifesto pró-EUA em suas letras. O que eu acho disso? Antes de artistas, tanto Dave Mustaine quanto John Schaffer são cidadãos, e têm todo o direito, em ambos os casos, de expressar suas opiniões de maneira livre e sem censura. Cabe aos fãs julgar, dentro do entendimento de cada um, se aquilo que seus ídolos dizem é pertinente ou não. Eu acho que a música é mais importante, vem sempre em primeiro lugar, e mantenho firme essa minha opinião.

Desde a abertura, com a carismática “Sleepwalker”, até o encerramento, com “Burnt Ice”, o Megadeth prova em “United Abominations” que ainda tem muito a acrescentar ao Heavy Metal. O trabalho de guitarras está magnífico, unindo peso e melodia de forma exemplar. Mustaine parece ter encontrado em Glen Drover um parceiro ideal, chegando a lembrar, em certas passagens, os tempos saudosos em que Marty Friedman fazia parte da banda. A cozinha formada por James Lomenzo e Shawn Drover é dona de um talento inegável, e funciona como uma usina rítmica pulsante que sustenta essa nova cara do grupo.

Músicas como a já citada “Sleepwalker”, “Washington Is Next”, “Never Walk Alone”, “United Abominations”, “Gears Of War” (inspirada pelo jogo homônimo do Xbox 360), “Blessed Are The Dead” e “Amerikhastan” são destaques em um álbum muito linear e coeso, que dá ao ouvinte um enorme prazer ao ouví-lo.

A regravação da clássica “A Tout Le Monde”, presente originalmente em “Youthanasia” (1994), revitaliza e dá uma cara mais atual para uma das canções mais emblemáticas do grupo. A participação de Christina Scabbia (Lacuna Coil) em um dueto com Mustaine deu uma roupagem ainda mais dramática à faixa, fazendo com que a sua audição traga novas sensações ao ouvinte.

Após álbuns confusos, que apontavam para um futuro não muito promissor, “United Abominations” recoloca o Megadeth em seu devido lugar no cenário metálico mundial. Uma das maiores e mais importantes bandas da história do Heavy Metal mostra-se revigorada, inspirada e sedenta em conquistar uma nova geração de fãs. Espero que Mustaine consiga manter esse novo e excelente line-up estável por vários anos, fazendo com que o Megadeth permaneça ativo e pertinente.

Tudo aponta para um futuro brilhante. À nós, meros fãs, só resta torcer para que ele se concretize.

Faixas:
1. Sleepwalker
2. Washington Is Next!
3. Never Walk Alone... A Call To Arms
4. United Abominations
5. Gears of War
6. Blessed Are The Dead
7. Play For Blood
8. A Tout Le Monde
9. Amerikhastan
10. You're Dead
11. Burnt Ice

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de United Abominations - Megadeth

5000 acessosMegadeth: CD calculado para soar convincente aos fãs4820 acessosMegadeth: letras ferozes e críticas ácidas5000 acessosMegadeth: mais direto, impossível5000 acessosMegadeth: recuperando a fúria que faltava

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3048 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa505 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3508 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MascotesMascotes
Blog elege o top 10 dos mais imponentes do Metal

HumorHumor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Afastamento do Angra começou antes do Megadeth

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

The SimpsonsThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros

The OsbournesThe Osbournes
Sharon conta como Ozzy tentou assassiná-la

Em 21/08/1989Em 21/08/1989
Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosCapas de álbuns com ilusões de ótica5000 acessosEm 21/08/1989: Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte5000 acessosTalento: pra quem tem, a idade é apenas um detalhe5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história3341 acessosNoisecreep: os 10 melhores álbuns duplo do rock

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online