Resenha - Be - Pain of Salvation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É difícil encontrar hoje em dias trabalhos que possam ser considerados geniais ou obras-primas até pela abundância na quantidade de CDs, lançamentos e coisas do tipo. São dezenas de álbuns de cada estilo por mês, dos inaudíveis aos novos clássicos (minoria... de longe), mas parece que o Pain of Salvation conseguiu se sobressair. Em 2004, lançou o conceitual e megalomaníaco “BE”, uma verdadeira quebra nos padrões atuais.
2786 acessosMetal Progressivo: 12 álbuns do 1º semestre que merecem atenção5000 acessosBon Jovi: Larissa Riquelme dançando com os seios de fora

A característica principal é a complexidade que o mentor, chefão e líder, além de vocalista e guitarrista da banda sueca, conseguiu neste quinto álbum de estúdio. Não que a simplicidade não possa ter qualidade, afinal os Ramones foram famosos com seus três acordes, mas “BE” é rico exatamente na sua minuciosidade, complexidade e poder criativo, ao ponto de deixar para trás a barreira dos rótulos, mesmo que seja enquadrado no metal progressivo.

O conceito não deixa de trilhar este caminho, englobando um assunto “simples”: a existência de Deus e a humanidade. Daniel começou a trabalhar nisso ainda na década de 90 e, coincidência ou não, depois de começar a juntar as peças em 2003, passou a executar o trabalho na íntegra ao vivo, mesmo antes do lançamento, assim como o Pink Floyd fazia com seu “Dark Side of the Moon” — um dos maiores da história do rock progressivo.

E não se limitou a pensar, filosofar e com certeza quase fundir a cabeça num tema tão delicado. A participação dos fãs foi ativa, principalmente em “Vocari Dei”, onde eles puderam gravar mensagens na “Caixa Eletrônica de Deus”, o que tornou a faixa uma das mais emocionantes, pela sinceridade das frases. São pedidos ou anseios marcantes como “Eu só quero que você fale comigo” e “Dê uma boa olhada no que você criou”, ao som de uma peça de violões com uma orquestra.

Musicalmente um show de surpresas acontece, já que não é apenas o metal progressivo que aparece, mas trechos puxados para o gospel (“Nauticus”), outros mais pesados (“Diffidentia”) e até mais para as melodias celtas, como a bela “Imago”. É algo sempre envolvente, que parece trazer uma intimidade com o ouvinte. Isso sem citar a importante presença da “The Orchestra of Eternity”, que dá aquele toque especial e engrandece o trabalho.

Destaques para os vocais de Daniel e sua versatilidade em tudo, além dos teclados de Fredrik Hermansson, como na misteriosa “Pluvius Aestivus”, e do preciso baterista Johan Langell. Vale falar de faixas como as três partes da emotiva e grandiosa “Dea Pecuniae”, os órgãos em “Omni”, entre outras, além do trabalho gráfico. O encarte é bem trabalhado e a capa tem a simplicidade que o tema pede, apesar da complexidade de ser solucionado. Além disso, está envolto no conceito de que tudo surge da escuridão e, no fim, volta para ela.

O mais importante em “BE” é não o encarar como um simples CD de música, senão, é claro que as viagens de Daniel podem deixar qualquer um perdido. A intenção do ouvinte tem que ser entrar na filosofia da coisa, entender a mensagem e viver aquela entrega que algumas obras requerem.

Quem quiser entender um pouco mais da história toda e seu conceito, pode até ler a introdução no encarte do álbum, escrita pelo próprio Daniel, mas não espere nada de mão beijada, já que ele entrega a responsabilidade para o público tentar achar as respostas que também procura...

É assim, cheio de mistérios, mas com um som e uma temática bem bolados e de alta qualidade que o Pain of Salvation fez de “BE” algo genial, uma obra-prima mesmo. Fim? Não, já que agora Daniel e cia. resolveram filosofar de novo e criticar a cultura de massas no novo álbum, “Scarsick”. Melhor não perder... nenhum dos dois.

Site Oficial – http://www.painofsalvation.com

Formação:
Daniel Gildenlöw - vocal, guitarra e violões
Johan Hallgren - guitarra e vocal
Fredrik Hermansson - teclados
Kristoffer Gildenlöw - baixo
Johan Langell - bateria

Track list:
Prologue
01. Animae Partus

I. Animae Partus
(All in the Image of)
02. Deus Nova
03. Imago
04. Pluvius Aestivus

II. Machinassiah
(Of Gods & Slaves)
05. Lilium Cruentus
06. Nauticus
07. Dea Pecuniae
I) Mr. Money
II) Permanere
III) I Raise My Glass

III. Machinageddon
(Nemo Idoneus Aderat Qui Responderet)
08. Vocari Dei
09. Diffidentia
10. Nihil Morari

IV. Machinauticus
(Of the Ones With no Hope)
11. Latericius Valete
12. Omni
13. Iter Impius
14. Martius/Nauticus II

V. Deus Nova Mobile
(...and a God is Born)
15. Animae Partus II

Lançamento Hellion Records – nacional – 2004

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Be - Pain of Salvation

5000 acessosResenha - Be - Pain Of Salvation2822 acessosResenha - Be - Pain Of Salvation5000 acessosResenha - Be - Pain Of Salvation & The Orchestra of Eternity

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Metal ProgressivoMetal Progressivo
12 álbuns do 1º semestre que merecem atenção

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pain Of Salvation"

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

Prog MetalProg Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Pain Of SalvationPain Of Salvation
Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas Assassinas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"

Bon JoviBon Jovi
Larissa Riquelme dança música com os seios de fora

LuxúriaLuxúria
Uma lista de alguns dos clipes mais sexys da história

MulheresMulheres
As bandas mais famosas em suas versões femininas

5000 acessosBlack Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da banda5000 acessosMetromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rock5000 acessosMegadeth: uma voz escondida em música de 2004 previa a entrada de Kiko na banda?5000 acessosMegadeth: temas de filmes e desenhos que talvez você não conheça5000 acessosOzzy Osbourne: a última conversa com Lemmy Kilmister5000 acessosIron Maiden: desvendando a música "Paschendale"

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online