Resenha - With Oden On Our Side - Amon Amarth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Quem me conhece sabe que, apesar de estar por dentro das diversas vertentes do metal extremo (por conta da curiosidade e também por exigências do trabalho), nunca fui dos maiores fãs do estilo em suas diferentes vertentes, com algumas honrosas exceções - já que ouço muito mais a escola do power metal germânico e as bandas do chamado "metal melódico", aquele que caminha quase de mãos dadas com o hard rock. Mesmo assim, diversos amigos do meio sempre insistiram para que eu conhecesse um pouco mais a respeito do trabalho dos suecos do Amon Amarth. Sempre me garantiram que eu iria gostar muito do som, que cairia como uma luva no tipo de porradaria que eu curto. Assim sendo, quando o novo CD "With Oden On Our Side" caiu nas minhas mãos, resolvi buscar algum material antigo dos sujeitos para ter embasamento ao escutar a nova bolacha. E já me surpreendi, muito positivamente. Mas ao colocar "WOOOS" para rodar, tudo que pensei foi: "por que diabos eu não ouvi esta banda antes?".

Amon Amarth: homem é esfaqueado em show da bandaOs Simpsons: bandas de Rock na versão amarela

Herdeiros do clássico death metal escandinavo protagonizado especialmente por nomes como Entombed e Dismember, os cinco músicos do Amon Amarth são contemporâneos de nomes como In Flames e Dark Tranquility - mas acabaram desenvolvendo uma sonoridade muito própria e diferenciada, e que fica ainda mais clara neste novo disco. O som é agressivo e poderoso, justificando o nome do grupo - tradução para "Montanha da Perdição" no idioma élfico (sindarin) criado por J. R. R. Tolkien na trilogia "O Senhor dos Anéis" - que acabei descrevendo a um amigo como "as tropas do apocalipse cavalgando montanha abaixo com espadas em riste e as tochas acesas, gritando frases de combate em uníssono para assustar o pobre vilarejo prestes a ser atacado".

No entanto, o Amon Amarth não perde a veia melódica, criando um rótulo estranho adotado pela imprensa especializada, um certo "death metal melódico". Rótulos à parte, tudo que você precisa saber é que o Amon Amarth é épico e grandioso, mas sem frescuras. Continua sendo extremo e violento, daqueles para ouvir em volume máximo e encher o saco dos vizinhos. O vocal é gutural, mas perfeitamente compreensível. E a produção é limpa, impecável, permitindo a audição de todos os instrumentos sem problemas. Uma mistura perfeita, um equilíbrio ideal que me pegou de primeira.

Assim como em seus trabalhos anteriores, em "WOOOS" o Amon Amarth retoma a temática dos vikings e as sagas heróicas da mitologia nórdica, abrindo com a paulada "Valhall Awaits Me", cujo refrão irresistível para bater cabeça mostra a visão intimista de um combatente orgulhoso em batalha, espada em mãos, com o escudo destruído e prestes a encontrar seu destino final. Já em "Hermod's Ride To Hel - Lokes Treachery Part 1", o vocalista Johan Hegg assume ares de um "quase narrador" ao contar, por meio de diálogos, a saga de Hermod, filho de Odin e mensageiro dos deuses, ao reino de Hel, a deusa da morte e soberana do submundo, em busca da alma de Balder - o adorado deus da luz, da pureza e da beleza.

O destaque para as letras ganha seu ápice em "Runes To My Memory", a melhor passagem do álbum, uma canção intensa e emocionante a respeito dos últimos minutos de um guerreiro morto nas areias de uma praia desconhecida ao defender o seu barco, atacado de surpresa. E é claro que não poderia faltar "Asator", ode ao deus mais conhecido do panteão nórdico: Thor, o deus do trovão. Ao ver as fotos de divulgação do frontman Hegg, tudo que se pensa é que, definitivamente, aquela deve ser a voz do portador do martelo Mjolnir.

Uma grata surpresa e que, no finalzinho do ano, chegou a tempo de entrar na minha lista dos melhores de 2006.

Line-up:
Johan Hegg - Vocal
Johan Söderberg - Guitarra
Oli Miikonen - Guitarra
Ted Lundström - Baixo
Fredrik Andersson - Bateria

Tracklist:
1. Valhall Awaits Me
2. Runes To My Memory
3. Asator
4. Hermod's Ride To Hel - Lokes Treachery Part 1
5. Gods Of War Arise
6. With Oden On Our Side
7. Cry Of The Black Birds
8. Under The Northern Star
9. Prediction Of Warfare

Gravadora:
Metal Blade Records


Outras resenhas de With Oden On Our Side - Amon Amarth

Resenha - With Oden On Our Side - Amon Amarth




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Amon Amarth"


Amon Amarth: homem é esfaqueado em show da bandaAmon Amarth
Homem é esfaqueado em show da banda

Amon Amarth: banda lança vídeo de "Shield Wall", música do álbum mais recente

Amon Amarth: banda virá ao Brasil em maio; Abbath abre os showsAmon Amarth
Banda virá ao Brasil em maio; Abbath abre os shows

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Tolkien: A influência do autor no rock e no heavy metalTolkien
A influência do autor no rock e no heavy metal


Os Simpsons: bandas de Rock na versão amarelaOs Simpsons
Bandas de Rock na versão amarela

Iron Maiden: Tenho inveja dos fogos do Slipknot,diz BruceIron Maiden
"Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz Bruce

Cenografia: os pedestais mais bizarros do Rock e MetalCenografia
Os pedestais mais bizarros do Rock e Metal

Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSeparados no nascimento
Paul Stanley e Ioná Magalhães

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Raul Seixas: Canção salvou a carreira de Chitãozinho e XororóRaul Seixas
Canção salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

Slipknot: as mudanças na voz de Corey Taylor de 1999 a 2015Slipknot
As mudanças na voz de Corey Taylor de 1999 a 2015


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336