Resenha - Storm - Theatre Of Tragedy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

8


A saída de Liv Kristine do Theatre Of Tragedy em 2003 (de forma não muito amigável, diga-se) deixou uma página em branco para o futuro desta veterana banda de metal gótico. Se os noruegueses vinham experimentando bastante em seus dois últimos CD’s ("Musique" e "Assembly"), é notável que a saída de sua "frontwoman" poderia acarretar uma mudança na sonoridade. Liv rapidamente se estabeleceu com o Leaves’ Eyes (em conjunto com o Atrocity) e o Theatre Of Tragedy levou um bom tempo para apresentar ao mundo sua nova vocalista, Neil Sigland. Com a formação estabelecida, a banda apresenta seu novo CD, um retorno aos tempos mais pesados e menos experimentais, mais especificamente ao CD "Aégis".

O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Journey: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"

E a audição deste CD mostra que eles realmente quiseram dar uma guinada rumo ao som mais pesado e menos experimental: "Storm" e "Silence" são bons momentos aonde as guitarras e teclados remetem ao gótico, com os vocais de Neil (mais agudos que Liv, mas ainda assim muito bons) e os de Raymond dão o tom. O mesmo pode ser dito de "Ashes And Dreams" e de "Voices" (esta remetendo ao Paradise Lost da época de "Draconian Times".

Curiosamente esta "volta as raízes" não nos brinda com um CD tão bom quanto "Aégis", mas mostra uma nova faceta para a banda: o som mais heavy, mais pesado, com maior ênfase nos riffs e levadas, exceto para faixas como "Senseless" (que de fato é uma volta aos tempos antigos), "Exile" (que remete aos CD’s mais experimentais, com vocais muito bem colocados) e "Debris" (com um lado mais épico, algo novo para a banda).

Não é um mau CD, pelo contrário. Neil acrescenta muito à banda, só que o conjunto parece perdido em sua proposta de voltar ao passado. Como estamos em um CD que marca o começo de uma nova formação, acredito ser este um momento de transição para uma nova sonoridade, e acho que vale a pena dar o crédito a estes noruegueses... só para fãs.

Formação:
Neil Sigland – Vocais
Raymond Rohonyl – Vocais
Frank Claussen – Guitarras
Vegard Thorsen – Guitarras
Hein Hansen – Bateria
Lorentz Aspen – Teclados

Rock Brigade/Laser Company – 2006 (NACIONAL)

Site Oficial: http://www.theatreoftragedy.com


Outras resenhas de Storm - Theatre Of Tragedy

Resenha - Storm - Theatre of Tragedy




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarristaTommy Lindal
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Theatre of Tragedy: Liv diz que foi demitida igual a Tarja no NightwishTheatre of Tragedy
Liv diz que foi demitida igual a Tarja no Nightwish


O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídicaO Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Journey: o famoso erro geográfico em Don't Stop Believin'Journey
O famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin