Resenha - Black Anthem - Gemini Five

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 3

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma noite, enquanto descansava de suas apresentações na Europa, Marilyn Manson resolveu dar uma passadinha na Suécia. Lá chegando, foi ao principal bar de rock do país e, entre uma cerveja e outra, conheceu os caras do Gemini Five, em pleno processo de gravação do seu novo disco. Já meio bêbados, eles acabaram ficando amigos. Daquele tipo de amizade que qualquer mesa de boteco permite. E do meio das piadas sobre a mulherada do local, veio o convite: "ei, que tal se você produzisse o nosso álbum?". Manson topou na hora. E assim nascia Black Anthem.

5000 acessosAxl Rose: "Sobe na porra do palco ou você vai morrer!"5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

Ok, o relato acima é uma mentira deslavada - até porque o real produtor de Black Anthem é um tal Peer Stappe. Mas a história serve claramente para descrever a nova cara do som dos suecos do Gemini Five em seu segundo álbum. Diferente do hard rock nitidamente despretensioso e oitentista do debut Babylon Rockets (2003), em "Black Anthem" somos apresentados a uma sonoridade que tenta misturar o experimental e industrial de nomes como o próprio Manson e Nine Inch Nails ao gostinho do hard rock norte-americano. Reciclar é uma iniciativa louvável, com certeza. Pena que o resultado, neste caso, tenha sido sofrível.

Babylon Rockets não era perfeito, mas era bem divertido, com ares de juventude, com energia, com força de vontade e, principalmente, com uma elogiável autenticidade. Em Black Anthem, o que se pode ouvir deste quarteto da Suécia é uma tentativa forçada de parecer moderninho, metido a gótico, talvez em busca das fãs do Evanescence. O som mudou, o visual mudou, até as letras mudaram. Tudo ficou mais dark, mais sombrio, enaltecendo amores perdidos e segredos sinistros. E não colou. Ficou com uma inegável cara de picaretagem.

Já na intro, "Babylon K:A:O:S", o ouvinte sente o que vem pela frente. E logo na primeira faixa, "Flesh For Fantasy", os efeitos e a voz modificada eletronicamente de Tin Star soam totalmente como Manson, sem tirar e nem pôr. E o frontman segue assim até o final, alternando momentos que lembram o "antichrist superstar" com entonações que remetem a Scott Weiland, do Velvet Revolver (em "Bring On The Monkey" ou "Heaven Come Undone", por exemplo). Tudo completamente artificial.

"Insane is Sane", a faixa de número 9, até que joga uma luz de interesse sobre o material, materializando um hard rockão poderoso e cheio de potencial. Ôpa. Mas neste ponto, "Black Anthem" já está próximo do final, e a coisa não parece disposta a melhorar até lá. E com a baladinha anti-climax "Silent Night", encerra-se um álbum que deveria consolidar a carreira internacional destes superstars suecos - mas que, ao contrário, só revela um grupo ainda confuso e sem muito a acrescentar. Uma pena. Quem sabe na próxima.

Ah, sim, é necessário que se faça uma última ressalva: ter um encarte bem trabalhado e uma embalagem bacana são dois dos principais motivos que levam alguém a adquirir um CD original, não? Pois é. Assim sendo, "Black Anthem" é um fortíssimo candidato a pirataria. Definitivamente, é um dos encartes mais feios que eu já vi - com fotos parecendo JPEG estourados, efeitos banais típicos do designer que acaba de conhecer o Photoshop e logomarca que poderia muito bem ter surgido no jurássico Paintbrush. Simplesmente horroroso.

Line-Up:
Tin Star - Vocalista e Guitarrista
Snoopy - Guitarrista
Hot Rod - Baixista
Slim Pete - Baterista

Tracklist:
1. Babylon K:A:O:S
2. Flesh:For:Fantasy
3. When the body speaks
4. Bring on the Monkey
5. Heaven come undone
6. You lead me to madness
7. Black:Anthem
8. Making Love Song
9. Insane is Sane
10. Second II None
11. Love Venus
12. Sinners Parade
13. Silent Night

Gravadora:
Hellion Records (www.hellion.com.br)

Site Oficial:
http://www.geminifive.com/

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Black Anthem - Gemini Five

662 acessosResenha - Black Anthem - Gemini Five769 acessosResenha - Black Anthem - Gemini Five


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gemini Five"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Gemini Five"


Axl RoseAxl Rose
"Sobe na porra do palco ou você vai morrer!"

Nick JonasNick Jonas
Ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

20 Filmes Mais Punk20 Filmes Mais Punk
"Rock N Roll High School" em primeiro

5000 acessosDrogas: 10 músicos que surpreendentemente sobreviveram aos abusos5000 acessosRolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins5000 acessosAvenged Sevenfold: cheirando cocaína com The Rev após a rehab5000 acessos50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 6165000 acessosLamentável: CBGB vai reabrir como reduto de roquistas coxinhas5000 acessosCinema: 60 filmes pra quem ama Rock e Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.