Resenha - Place Vendome - Place Vendome

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O catedrático norte-americano Syd Field costuma dizer em seus livros de teoria de cinema que, para um roteiro funcionar de verdade, ele deve grudar o espectador na cadeira já nos 10 minutos iniciais. Guardadas as devidas proporções, se a mesma teoria puder ser aplicada ao mundo da música, então é possível dizer que "Place Vendome", o primeiro - e talvez único - disco do projeto homônimo, cumpriu esta regrinha com chave de ouro. Afinal, já na primeira faixa, "Cross The Line", o álbum agarra o ouvinte pelas orelhas, te fazendo sentir aquele "Ouch!" tipico de uma montanha russa na primeira subida. E até o final da viagem (ou, no caso, do CD), você não vai querer parar. E vai até pedir bis. Sem qualquer exagero, é um dos melhores álbuns que ouvi em 2006. Pelo menos até agora.
5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosAngra e Detonator: "Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"

Para ser bem sincero, juro que não esperava um material assim tão bom logo à primeira vista. É fato que as credenciais de "Place Vendome" não são poucas. Produção do mais que competente Dennis Ward, que também trouxe os músicos de sua excelente banda (Pink Cream 69), acrescentando ainda o tecladista e líder do Vanderplas, Günter Werno. Um supergrupo para ninguém botar defeito, que ainda tem ninguém menos do que Michael Kiske (de quem você deve lembrar graças a sua passagem por uma certa banda alemã) nos vocais. Mas, mesmo um tanto curioso, não estava assim tão empolgado para a minha primeira audição. E caí do cavalo.

"Place Vendome" - que é o nome de uma famosa praça francesa - é hard rock de primeiríssima qualidade, requintado e de muito bom gosto, com melodias deliciosas, daquele tipo que você vai querer inevitavelmente cantar junto e sentir aquela vontade de ouvir ao vivo só para poder sair chacoalhando o esqueleto - a contagiante faixa-título, por exemplo, já fala por si mesma. Esqueça o rótulo que a imprensa especializada adotou para o disco, o tal AOR (Adult Oriented Rock, ou "Rock Para Adultos") - e que um amigo crítico de música carinhosamente chama de "rock de tiozão". Sim, "Place Vendome" tem um tanto de Foreigner, Journey ou Europe, principalmente na abordagem das letras e até nas gostosas baladinhas como "I Will Be Waiting" ou "Too Late". Mas é definitivamente muito mais elétrico e pesado, com guitarras mais aceleradas e alucinadas.

Como era de esperar, o grande trunfo do projeto é mesmo a voz de Michael Kiske. Sobre o cantor, aliás, vale um parênteses: é fato que os headbangers têm motivo suficiente para odiar o cara. Mesmo participando dos discos de diversas bandas de metal (Gamma Ray, Edguy, Timo Tolkki, Masterplan, os brazucas Thalion e Tribuzy e as óperas metálicas Avantasia e Aina, entre outros) depois de sua saída do Helloween, ele continua afirmando publicamente que detesta heavy metal e hard rock. Realmente, é difícil de entender - já que até seus dois discos solo, "Instant Clarity" (96) e "Readiness To Sacrifice" (99), além do finado projeto pessoal SupaRed, tinham um pézinho no rock pesado, catso!

Ainda assim, chame você de "mercenário" ou não, é impossível negar que o sujeito tem um gogó invejável, um dos melhores e mais afinados da música pesada e, por que não dizer, do rock como um todo. Em "Place Vendome", ele não canta nenhum "I Want Out" da vida, mas desfila talento, carisma e uma interpretação cheia de personalidade. Ouça a delicada "Heavens Door" e confira o que ele faz indo direto para tons mais graves. Já em "The Setting Sun" (com ar de Whitesnake), por exemplo, Kiske atinge agudos altíssimos com uma facilidade tremenda, como se estivesse bocejando. Fato: como canta, este desgraçado.

Uma pena que o próprio Kiske tenha reclamado do resultado final, em sua eterna cruzada contra o rock pesado, acusando Ward de ter usado muitos overdubs nas guitarras para dar mais peso ao disco. Ele promete seu próximo disco solo, batizado somente como "Kiske", para maio. Com composições "livres" e teoricamente sem "qualquer relação com hard rock ou heavy metal", o álbum deve ser o mais "pessoal" de sua carreira. O que isso significa? Vamos saber em breve.

Line-Up:
Michael Kiske - Vocal
Uwe Reitnauwer - Guitarrista
Dennis Ward - Baixista
Kosta Zafiriou - Baterista
Günter Werno - Tecladista

Tracklist:
01. Cross The Line
02. I Will Be Waiting
03. Too Late
04. I Will Be Gone
05. The Setting Sun
06. Place Vendome
07. Heavens Door
08. Right Here
09. Magic Carpet Ride
10. Sign of The Times

Gravadora:
Hellion Records (www.hellion.com.br)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Place Vendome - Place Vendome

3459 acessosResenha - Place Vendome - Place Vendome5000 acessosResenha - Place Vendome - Place Vendome5000 acessosResenha - Place Vendome - Place Vendome

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Place Vendome"

Michael KiskeMichael Kiske
A importância de Sammet no seu retorno ao Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Place Vendome"

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Angra e DetonatorAngra e Detonator
"Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"

Planet RockPlanet Rock
Os 40 melhores álbuns ao vivo de todos os tempos

5000 acessosSlayer: Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo5000 acessosAngra: banda errou na escolha de Fabio Lione?5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Renato Aragão4004 acessosPreguiçosas: as bandas que mais demoraram para lançar um disco5000 acessosGuns N' Roses: Confusão de St. Louis no Jornal do SBT em 19915000 acessosNúmero da besta: Vôo 666 com destino a HEL numa 6ª feira 13? Pois aconteceu.

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online