Resenha - Nothing Is Easy - Jethro Tull

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Essa série de lançamentos da ST2 incluindo Sebastian Bach, Gillan And Glover, The Shadows, e este magnífico Jethro Tull é de tirar o chapéu. Música ressurge como cultura em discos desse calibre e, sinceramente, se o Brasil não responder bem a isso, é porque deve mesmo se contentar com o que lhe é imposto pelas redes de TV e rádio.

Slayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiõesPhil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para revigorar o raciocínio basta uma checada nos dados de "Nothing Is Easy: Live At The Isle Of Wight 1970", CD ao vivo que traz o Tull numa performance histórica durante o festival da Ilha de Wight, considerado o 'Woodstock britânico".

Ian Anderson, Glenn Cornick e Clive Bunker excursionavam pelo terceiro ano de suas carreiras, acompanhados por Martin Barre, que entrou na banda em 1969, e o tecladista John Evan, novato que estreara recentemente em "Benefit" (1970). Na discografia constavam, além deste mencionado, somente "This Was" (1968) e "Stand Up" (1969), suficientes para colocá-los como segunda maior atração do dia 30 de Agosto de 1970.

Então imagine você num festival na Inglaterra - entre seiscentas mil pessoas no total de cinco dias de espetáculos - ainda se deliciando pelo show que acabava de terminar, ninguém menos que The Moody Blues, e aguardando pelo Jethro Tull, o qual, por sua vez, abria as portas para Jimi Hendrix. Remonta-se o cenário!

Desta maneira, sobe ao palco uma banda entrosada, liderada por flautista possuído que sequer contém a explosão de emoções entre um sopro e outro em seu instrumento. Bem-humorado, comunica-se com o público; igualmente o fazem seus companheiros, especialmente o sempre fantástico Martin Barre nas guitarras, e o inspirado batera Clive Bunker.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O início é marcado por "My Sunday Feeling", e "My God", à época canção inédita que apareceria apenas doze meses após a apresentação, em "Aqualung" (1971). Chega a hora de promover "Benefit", e não haveria composição melhor para isso que a fabulosa "With You There To Help Me", seguida de "To Cry You A Song". Com os arranjos de Anderson misturando raízes de blues, música clássica e andamentos celtas, vem "Bourée", de Johan Sebastian Bach. Na seqüência, a densa "Dharma For One" com solo de bateria, a intricada "Nothing Is Easy", e um 'medley' de "We Used To Know" e "For A Thousand Mothers" para fechar.

As atuações são tão estonteantes que os pequenos problemas na qualidade da gravação tornam-se ínfimos. Sou impossibilitado por nosso sistema - inapto a decimais - de registrar 9.5, e há males que vem para o bem. Sendo assim é dez... e fico imaginando que naquele mesmo festival tocaram Hawkwind, Sly And The Family Stone, Free, Cactus, Emerson Lake And Palmer, Ten Years After, The Who, Leonard Cohen, The Doors, Joan Baez e até o brasileiro Gilberto Gil. Ô inveja, isso mata mesmo!

Site Oficial - http://www.sebastianbach.com

Ian Anderson (Vocais - Flauta - Violão)
Martin Barre (Guitarra)
John Evan (Teclados)
Glenn Cornick (Baixo)
Clive Bunker (Bateria)

Material cedido por:
ST2 Music - http://www.st2.com.br
Rua Conselheiro Brotero, 1086 - Térreo
Higienopólis - São Paulo - SP
BRASIL
Tel / Fax: +55 11 3665-8199 / +55 11 3668-7079
Email: st2@st2.com.br


Outras resenhas de Nothing Is Easy - Jethro Tull

Resenha - Nothing Is Easy - Jethro Tull



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Jethro Tull"


Jethro Tull: Led Zeppelin eram Deuses do Rock, nós éramos a humilde banda de aberturaJethro Tull
Led Zeppelin eram Deuses do Rock, nós éramos a humilde banda de abertura

Hall da Fama: doze bandas que deveriam estar ali mas não estãoHall da Fama
Doze bandas que deveriam estar ali mas não estão


Slayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiõesSlayer
Kerry King fala sobre sua relação com religiões

Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racistaPhil Anselmo
Vocalista explica e se retrata por episódio racista


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280