Resenha - Strykes - Blackfoot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos


Observando um renovado interesse nas bandas de hard rock pelo mundo, vou falar deste grupo relativamente desconhecido do público brasileiro, principalmente pelo fato de ter iniciado sua carreira lá pela metade dos anos 70, mas que com o álbum STRYKES conseguiu reconhecimento mundial, participando de turnês com The Who, Scorpions e Iron Maiden e tendo suas músicas regravadas por vários conjuntos.

Black Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da bandaIndústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem

A maior particularidade do Blackfoot é o fato de ser composto por alguns nativos norte-americanos, ou índios, se preferirem, tanto que o nome do conjunto vem de uma tribo Sioux daqueles lados, e que mesmo assim faziam um rock 'n' roll pesadão muito bacana.

A formação neste álbum é: Rick Medlocke nas vozes e guitarras, Charlie Hargrett na guitarra principal, Greg T. Walker no contrabaixo e Jackson Spires na bateria. STRYKES é o terceiro trabalho do Blackfoot, tendo sido lançado em 1979 pela ATCO Records, dois anos após serem demitidos de sua antiga gravadora por não terem alcançado grandes vendagens com o trabalho anterior, o que quase resultou no fim do conjunto.

STRYKES se tornou o maior clássico do grupo, sendo que todo o álbum todo é excelente, apresentando solos cheios de feeling, belos trabalhos nos coros; resumindo: um disco bem uniforme, descontraído e com uma energia muito boa. Aquela velha mistura de rock'n roll com um pouco de country, peso nas cordas e refrões pegajosos.

Os destaques para este que vos escreve vão para músicas como "Road Fever", que abre o álbum com Medlocke mandando muito bem nas vozes, grandes intervenções com os solos de Hargrett por toda música e a banda toda detonando nos refrões. "I got a Line on You" tem o suingue mais roll de todo o álbum, "Left Turn on a Red Light", com nuances de rock sulistas, "Wishing Well" (cover de Free), com seu contagiante trabalho de vozes e guitarras muito bem colocadas, "Train, Train" (coverizada pelo Warrant no álbum Cherry Pie), com bases bem cadenciadas e nervosas. Outro destaque é a semi-balada setentista "Highway Song" com o mais belo e longo solo do disco, que fecha a música e o disco de maneira magistral.

Nos anos seguintes Blackfoot lançou mais alguns bons álbuns e conseguiu se manter tocando pela Europa e América do Norte, mas chega nos meados dos anos 80 e vêm as pressões de empresários para adotarem um visual mais moderno (glam, diga-se de passagem), o preconceito com os índios da banda e a mudança musical com a entrada do tecladista Ken Hensley...culminando com o fim desta boa banda.

Rick Medlock lançou ainda alguns álbuns sob o nome "Rick Medlocke & Blackfoot" e atualmente é guitarrista do Lynyrd Skynyrd, banda em que já participara bem no comecinho dos anos 70.

Aos que apreciam rock'n'roll em geral e um bom hard rock esse disco seria uma ótima aquisição para sua coleção, seja você um apreciador veterano ou que está começando a se interessar pela música pesada, pois como entender a música atual sem conhecer seus precursores?

Blackfoot - Strykes (1979)

01. Road Fever
02. I Got a Line on You
03. Left Turn on a Red Light
04. Pay my Dues
05. Baby Blue
06. Wishing Well
07. Run and Hide
08. Train, Train
09. Highway Song




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blackfoot"


Blackfoot: Mudanças de nome, troca de membros e intervenção divinaBlackfoot
Mudanças de nome, troca de membros e intervenção divina

Mudanças: 5 bandas que seguem sem membros da formação originalMudanças
5 bandas que seguem sem membros da formação original


Black Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da bandaBlack Sabbath
About.com elege os 5 melhores álbuns da banda

Indústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendemIndústria
17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClioIL