Resenha - Trading Souls - Empire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pablo Barros
Enviar Correções  


Esse Rolf Munkes (guitarra) realmente é fanático por Hard Rock; mas, como faz bem feito seu trabalho no Empire! Começando pelo time que escolheu nessa empreitada: Tony Martin (vocal), Neil Murray (baixo) e Don Airey (teclado); só isso já é motivo para comprar o CD "Trading souls"; mas, ainda há Gerald Kloos (bateria) para completar o "dream team".

publicidade

O CD é dividido em momentos bem setentistas e outros bem glam, como já era de se esperar. É difícil destacar o trabalho individual de algum músico, pois todos são figuras que dispensam comentários, já que temos ótimos trabalhos de guitarra, teclados geniais e linhas de baixo maravilhosas. A surpresa acaba sendo mesmo Tony Martin, que está cantando bem diferente da sua época no Sabbath, fazendo linhas vocais mais elegantes e menos árduas, talvez por saber que, ao vivo, ele nunca tenha rendido 100%, mas, mesmo assim suas qualidades como cantor são indiscutíveis.

publicidade

"Trading Souls" é um bom disco, possui músicas pegajosas como "Pay back time", "Teenage Deadhead" e "You", e por isso, deve fazer parte do acervo de qualquer fã de hard-rock. E ainda há a participação especial de Anders Johansson (bateria - Hammerfall) em duas faixas.

publicidade


Outras resenhas de Trading Souls - Empire

Resenha - Trading Souls - Empire




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Queen: Estaríamos fazendo música se Freddie estivesse vivo, mas não sei de JohnQueen
"Estaríamos fazendo música se Freddie estivesse vivo, mas não sei de John"

U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaU2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda


Sobre Pablo Barros

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin