Resenha - Trading Souls - Empire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


O Empire surgiu como um projeto de Rolf Munkes e Geraldo Kloos (grandes fãs de hard rock), tendo lançado um belo cd, "Hypnotica" com vários convidados, como os experientes Don Airey e Neil Murray, além de Mark Boals. A sonoridade desta banda remete ao hard influenciado por bandas como Deep Purple e Rainbow, mas os mesmos procuraram incorporar elementos do hard dos anos oitenta, criando uma bela sonoridade que mistura o "groove" setentista com o som moderno das bandas hard oitentistas.

Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rockSeparadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)

Seu segundo cd, "Trading Souls" traz outra vez convidados de alto nível, como os já citados Airey e Murray, além do vocalista Tony Martin (o eterno regra-três do Black Sabbath) e do baterista Anders Johansson (Hammerfall) que já havia participado do primeiro cd. "One in a Million" já começa com o famoso teclado "Hammond", sendo bem influenciada pelo Purple, assim como "Pay Back Time". A voz de Tony Martin se encaixa bem ao estilo, e a banda é talentosa (e nem poderia deixar de ser). Já a balada "Teenage Deadhead" é bem calcada no hard anos 80 do Whitesnake.

E o cd desfila vários petardos hard que merecem destaque, como a pesada "Big World, Little Man" (outra influenciada por Deep Purple, principalmente na guitarra de Rolf) as excelentes "Perfect Singularity" e "Back in the Light" (esta mais moderna, com a sonoridade comercial, mas bem feita, dos anos 80) e a setentistas "Wherever You Go" e "Coming Home", cujos riffs lembram muito o Black Sabbath com Tony Martin.

Uma banda com feras como as citadas acima não poderia fazer algo que não fosse considerado bom. Tony Martin esta muito bem no cd, calando a boca de quem o critica, e a performance dos músicos e impecável. Recomendável para quem curte um bom hard, englobando as evoluções que o estilo sofreu dos anos setenta até hoje.

Site oficial: http://www.empire-rock.com

Line Up:
Tony Martin - Vocais
Rolf Munkes - Guitarras
Neil Murray - Baixo
Gerald Kloos - Bateria
Don Airey - Teclados
Anders Johansson - Baterista convidado.

Material Cedido Por:
Hellion Records.
http://www.hellionrecords.com.br


Outras resenhas de Trading Souls - Empire

Resenha - Trading Souls - Empire




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Empire"


Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rockAntes do Black Sabbath
As 50 músicas mais pesadas do rock

Separadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)Separadas no nascimento
Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336