Resenha - Permission To Land - Darkness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Texto originalmente publicado no

JB Online e no Blog Reviews & Textos.

No ano de 2002, mais precisamente em agosto, o desconhecido quarteto britânico The Darkness, composto por caras literalmente malucos e liderados pelo tresloucado vocalista Justin Hawkins, lançou o EP single I Believe in a Thing Called Love, pelo selo independente Must Destroy Music (nome mais apropriado impossível para o primeiro lançamento da banda). A música - um hard rock/metal com instrumental de ótima qualidade, porém com uma performance estranha e, em alguns momentos, irritante do vocalista - estourou nas rádios britânicas.

Os shows concorridos começaram a surgir, em seguida um contrato com a major Atlantic e o lançamento, em agosto passado, de Permission to Land, que estreou direto no topo das paradas britânicas. Alguns meses depois, a banda começa a expandir suas fronteiras e ganhar espaço mundo afora, inclusive chegando ao Brasil com seu primeiro álbum. A fórmula não chega a ser das mais originais, mas vem dando certo.

O que o The Darkness faz hoje não é muito diferente do que o Spinal Tap fez em meados dos anos 80. A diferença é que o novos astros britânicos formam uma banda de verdade, enquanto o outro surgiu como uma brincadeira, no hilário filme This is Spinal Tap, de Rob Reiner, que faz uma sátira às bandas de hard rock e heavy metal do final da década de 70. A brincadeira deu tão certo que a trilha sonora - com músicas próprias e tocadas pelo próprios atores, os comediantes norte-americanos Michael McKean, Christopher Guest e Harry Shearer - se tornou um clássico. A "banda" fez tanto sucesso que acabou se reunindo para uma turnê de verdade em 1992.

Com pretensões de ser uma banda de verdade, mas trilhando o mesmo caminho do deboche aberto pelo Spinal Tap, o som feito pelo The Darkness é competente, e o escracho fica por conta do visual e das letras, além da performance do vocalista, que até tem uma boa voz, mas às vezes encaixa uns falsetes por gozação, o que acaba irritando um pouco. Se ele se preocupasse apenas em cantar, sem fazer gracinhas, o som da banda seria bem agradável, uma mistura de Alice Cooper, com Queen, Van Halen, Guns n' Roses, AC/DC e, no visual e atitude, Spinal Tap.

O trampo de guitarras é ótimo, feito pelo vocalista e seu irmão Dan, e a cozinha, formada pelo baixista Frankie Poullain e o baterista Ed Graham, é bem competente. As melhores músicas são aquelas em que Justin Hawkins não solta a franga e canta de verdade. Por isso, o grande destaque fica por conta de Love Is Only a Feeling. Mas, apesar de tentar, Hawkings não consegue estragar as faixas por completo e não deixa de ser divertido e gostoso ouvir sons como Get your hands off my woman, Growing on me e I believe in a thing called love. Bom, mas o que é o rock n' roll sem diversão?


Outras resenhas de Permission To Land - Darkness

Resenha - Permission to Land - DarknessResenha - Permission to Land - Darkness




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Darkness"


The Darkness: vocalista se desculpa com quem ficou ofendido com arte de novo álbumThe Darkness
Vocalista se desculpa com quem ficou ofendido com arte de novo álbum

Greta Van Fleet: há potencial, mas precisa de músicas melhores, diz Justin HawkinsThe Darkness: ouça "Easter Is Cancelled", primeiro álbum conceitual da bandaThe Darkness: com capa censurada, nova música "Easter Is Cancelled" é divulgada

Guns N' Roses: Justin Hawkins, do Darkness, conta como a banda está mais felizGuns N' Roses
Justin Hawkins, do Darkness, conta como a banda está mais feliz

Ozzy Osbourne: líder do The Darkness critica seu comportamento no backstageOzzy Osbourne
Líder do The Darkness critica seu comportamento no backstage


Futebol: conheça os times do coração de alguns rockstarsFutebol
Conheça os times do coração de alguns rockstars

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336