Resenha - Symphony: Alive IV - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Texto originalmente publicado no

JB Online e no Blog Reviews & Textos.

Amando ou odiando, é difícil achar uma pessoa que conheça um pouco de música e consiga ser indiferente ao Kiss. Desprezada por poucos, que a acusam de ser meramente comercial e se preocupar mais com marketing do que com a música, a banda é idolatrada por milhões, muitas vezes não só pelo som, mas pelas mesmas razões pelas quais é criticada. Ao longo de seus 30 anos de estrada, o Kiss criou ícones, lendas e tradições, sendo uma delas o lançamento de álbuns ao vivo, um com mais estardalhaço que o outro. Kiss - Symphony: Alive IV, CD duplo, chega às lojas de todo mundo trazendo um caminhão de novidades, pois, se não tivesse novidades, não seria o Kiss.

O álbum foi gravado em 28 de fevereiro de 2003, em Melbourne, na Austrália, e conta com a participação da Orquestra Sinfônica de Melbourne, com 60 componentes, todos com os rostos pintados, como os quatro integrantes do Kiss. O primeiro CD é dividido em dois atos, sendo o primeiro com uma performance elétrica, só com a banda, e o segundo com um set acústico, tendo a participação de algumas cordas da orquestra. O segundo CD conta com grandes clássicos da banda e é inteiramente acompanhado por todos os músicos de Melbourne.

Além do CD, a banda ainda lança um DVD com o show, que também será transmitido em pay-per-view, em dezembro. E como o Kiss - que sempre deu tanta importância para o lado visual quanto para o musical - não dá ponto sem nó, o encarte do CD, com belas fotos do show, inclusive dos membros da orquestra com as caras pintadas, já deixa qualquer um com água na boca para os lançamentos em video.

Com três quartos de sua formação original, o Kiss conta com o guitarrista Tommy Thayer no lugar de Ace Frehley, que abandonou o barco. Como a banda toca mascarada, não dá para notar a diferença, pois o novo guitarrista executa todos os riffs e solos com precisão impressionante e, muitas vezes, chega a soar até melhor que o original.

O primeiro ato do CD 1 tem apenas seis músicas, mas passeia por toda a carreira da banda, com músicas do primeiro registro de estúdio (Kiss, de 1974) - Deuce e Strutter -, ao último - Psycho Circus (do álbum de mesmo nome, lançado em 1998) -, passando pela fase em que o grupo tirou a máscara, como Lick it up.

A banda abre o segundo ato com a balada Beth, cantada pelo baterista Peter Criss, seguida pela bela Forever, além de Goin' Blind, Sure Know Something e Shandi. Serve para tomar um fôlego para o que vem a seguir, no CD 2, praticamente um greatest hits, com clássicos como Detroit rock city, Shout it out loud, God of thunder, Love Gun, Black diamond e, como não poderia deixar de ser, Rock and roll all nite, músicas que chegam até a ganhar mais peso com o acompanhamento da orquestra. Simplesmente magistral.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kiss"


Kiss: sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeoKiss
Sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeo

Kiss: Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgadoKiss
Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgado

Kiss: show ainda vale o ingresso? (video)Kiss
Show ainda vale o ingresso? (video)

Kiss: preços dos ingressos e mais informações sobre shows no BrasilKiss
Preços dos ingressos e mais informações sobre shows no Brasil

Kiss: Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020Kiss
Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020

Kiss: turnê inteira na Oceania é cancelada após Paul Stanley ficar doenteKiss
Turnê inteira na Oceania é cancelada após Paul Stanley ficar doente

Kiss: A dolorosa hora do adeus...Kiss
A dolorosa hora do adeus...

Kiss: gripe de Paul Stanley faz banda adiar início da tour pela Oceania

Bob Kulick: detonando Kiss e o irmão Bruce por uso de marca sem autorizaçãoBob Kulick
Detonando Kiss e o irmão Bruce por uso de marca sem autorização

Kiss: Brasília e Ribeirão Preto também terão shows da banda, diz jornalistaKiss
Brasília e Ribeirão Preto também terão shows da banda, diz jornalista

Kiss: Peter Criss toca guitarra no Carnaval de São Paulo?Kiss
Peter Criss toca guitarra no Carnaval de São Paulo?

Halloween: cinco grandes momentos de Horror no RockHalloween
Cinco grandes momentos de Horror no Rock


Loudwire: as 10 melhores músicas do Slipknot segundo o siteLoudwire
As 10 melhores músicas do Slipknot segundo o site

Black Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universoBlack Metal
Banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adGoo336